Opinião pública está dividida sobre impeachment de Bolsonaro, diz Datafolha | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 28.04.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Opinião pública está dividida sobre impeachment de Bolsonaro, diz Datafolha

Pesquisa revela que uma parcela maior da população passou a defender a renúncia do presidente. Avaliação de Bolsonaro se mantém estável, mas, após troca de acusações entre ele Moro, maioria diz acreditar no ex-ministro.

Parcela maior da população passou a apoiar a renúncia de Bolsonaro, afirma Datafolha

Parcela maior da população passou a apoiar a renúncia de Bolsonaro, afirma Datafolha

Pesquisa do Instituto Datafolha divulgada nesta segunda-feira (27/04) destaca uma divisão na opinião pública sobre um eventual processo de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro, mas também revela que uma parcela maior da população passou a apoiar a renúncia do presidente.

Segundo o levantamento, 45% dos entrevistados defendem a abertura de um processo de impeachment contra Bolsonaro na Câmara dos Deputados, enquanto 48% são contra e 6% não souberam opinar.

A renúncia de Bolsonaro – em meio ao impacto da saída do ex-juiz Sergio Moro do Ministério da Justiça e à atuação do presidente na crise gerada pela pandemia de covid-19 – é desejada por 46% dos entrevistados, enquanto 50% a rejeitam. No levantamento anterior, realizado no início de abril, 59% eram contrários à renúncia e 37% a defendiam.

A avaliação geral de Bolsonaro se manteve relativamente estável: 38% o consideram ruim ou péssimo; 33% como bom ou ótimo e 25% como regular. No último levantamento feito pelo Datafolha sobre esse tema, em dezembro, esses percentuais eram, respectivamente, 36%, 30% e 32%.

Após a troca de acusações entre Bolsonaro e Moro na ocasião da renúncia do então ministro da Justiça, na última sexta-feira, a maior parte dos entrevistados se manifestou favoravelmente ao ex-juiz da operação Lava Jato: 52% avaliam que quem falou a verdade foi Moro, contra 20% que dizem acreditar no presidente.

Outros 6% disseram não acreditar em nenhum dos dois, e 3% consideram que ambos estão corretos em suas afirmações. O Datafolha afirma que 89% dos entrevistados tinham conhecimento da saída de Moro do governo.

Ao deixar o cargo, Moro acusou Bolsonaro de tentar interferir politicamente na Polícia Federal (PF), o que teria culminado na exoneração do diretor-geral da corporação, Maurício Leite Valeixo, indicado ao cargo pelo ex-ministro.

Por sua vez, o presidente afirmou que Moro teria forçado uma negociação em torno de uma futura indicação para o Supremo Tribunal Federal (STF) para que pudesse aceitar a demissão de Valeixo. Ambos negam as acusações. O procurador-geral da República, Augusto Aras, pediu autorização ao STF para abrir um inquérito sobre as alegações feitas pelo ex-ministro.

Segundo a pesquisa, 56% dos entrevistados acreditam que Bolsonaro teria tentado interferir na PF, contra 28% que afirmam o contrário. Outros 4% não concordam com nenhuma das afirmações e 12% disseram não ter conhecimento.

O Datafolha entrevistou por telefone 1.503 pessoas em todos os estados brasileiros. A margem de erro da pesquisa é de três pontos percentuais.

RC/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais