Opinião: Derrota do Reino Unido | Notícias internacionais e análises | DW | 13.12.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Opinião

Opinião: Derrota do Reino Unido

É sinal dos tempos que as mentiras triunfem. Os britânicos, novamente, decidiram dar um voto de apoio à saída do país da União Europeia. Isso definirá o futuro papel do Reino Unido no mundo. Uma transformação histórica.

Boris Johnson: triunfo absoluto nas eleições desta quinta

Boris Johnson: triunfo absoluto nas eleições desta quinta

Bem, todo mundo sabia que isso ia acontecer, não?

Só para pôr em perspectiva: a última vez em que os conservadores obtiveram uma vitória tão esmagadora no Reino Unido foi em 1987, com Margeret Thatcher. Ela, que tão alegremente empunhava a sua bolsa contra a UE, proferindo frases como "queremos o nosso dinheiro de volta".

Desta vez, tudo se resumiu às seguintes palavras: "Vamos concluir logo o Brexit." Só que isso não vai acontecer num futuro previsível.

É um sinal dos tempos em que vivemos que as mentiras, as promessas não cumpridas e o racismo mal dissimulado triunfem sobre o conteúdo e a política. Educação, crime, desabrigados e um serviço nacional de saúde moribundo – nada importa quando se atravessa uma parede com uma escavadeira ou se esconde em uma geladeira, como Johnson fez. Isso é muito mais atraente para o eleitorado.

Boris Johnson adotou quase todos os truques do livro de jogo de Donald Trump. E ninguém se indignou. Ele continuará a mentir que a saída do Reino Unido da UE será fácil e rápida e que um acordo comercial estará em vigor até o final do período de transição, em dezembro de 2020. Só para lembrar: a UE e o Canadá demoraram sete anos para finalizar seu acordo comercial.

Então, onde é que a coisa deu errado para os trabalhistas? A resposta é simples: Jeremy Corbyn. Talvez nunca tenha havido um líder trabalhista mais desprezado e polarizador. Será que ele realmente pensou que poderia fazer barulho como fez nas eleições de 2017, quando conseguiu evitar uma maioria dos conservadores de Theresa May?

Corbyn não terá escolha, senão renunciar, como último serviço a seu partido. Ele já disse que não vai liderar a legenda nas próximas eleições. Algo que ele, na verdade, já deveria ter considerado fazer para esta eleição.

Devastadoramente, os trabalhistas perderam para os conservadores em redutos eleitorais – o chamado muro vermelho: grandes áreas do Norte da Inglaterra pós-industrial, onde os cortes de austeridade dos conservadores paralisaram a sociedade e a economia, tornando os pobres ainda mais pobres.

O partido de Corbyn atribui o resultado das eleições ao cansaço gerado pelo Brexit. Isso é fácil, ainda que a ambiguidade do seu líder sobre o assunto não tenha ajudado. É necessário um exame de consciência sério quando um manifesto, como o lançado pelos trabalhistas antes desta eleição, que poderia ter gerado uma revisão de uma economia e uma sociedade arruinadas por anos de má gestão conservadora, não provoca praticamente nenhum tremor político.

O partido está em farrapos e caminha para o esquecimento, tal como o Partido Social-Democrata aqui na Alemanha.

De forma deprimente, foi mais uma competição de impopularidade do que uma eleição – e Johnson conseguiu vencer o desafio de ser o menos odiado. Alguém no seu perfeito juízo esperava que ele cumprisse as suas promessas? Dificilmente, mas os eleitores estavam mais preocupados com as promessas feitas por Corbyn.

O que mais dói, no entanto, é o dano irreparável que este resultado terá num país já profundamente dividido e polarizado.

É um reino desunido. A Escócia parece ter dado ouvidos ao apelo do líder do Partido Nacional Escocês (SNP) para que a legenda retome o controle – parece que ela ficará com 48 dos 59 assentos aos quais os escoceses têm direito na Câmara. Haverá, assim, um grande impulso a favor de um segundo referendo sobre a independência escocesa.

O governo conservador vai, claro, opor-se a tal medida. A batalha parece já anunciada, com o chefe do governo escocês, Nicola Sturgeon, dizendo que Johnson não tem mandato para retirar seu país da UE. Será que os nacionalistas irlandeses, que fizeram mais progressos do que os sindicalistas pró-britânicos pela primeira vez, insistirão numa votação para se separarem do Reino Unido?

O resultado desta eleição definirá o futuro papel do Reino Unido no mundo. E marca uma transformação histórica da política britânica, que vai repercutir no país durante vários anos ainda.

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter