ONU obtém US$ 340 milhões para refugiados rohingyas | Notícias internacionais e análises | DW | 23.10.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Ásia

ONU obtém US$ 340 milhões para refugiados rohingyas

Em conferência em Genebra, governos e doadores internacionais ampliam compromisso para ajudar minoria muçulmana. Nos últimos meses, cerca de 600 mil entraram em Bangladesh, fugindo das forças de segurança de Myanmar.

default

Governos e Nações Unidas participam de conferência de angariamento de doações para combater a crise dos rohingyas

Governos e doadores internacionais prometeram nesta segunda-feira (23/10) mais 234 milhões de dólares para ajudar os mais de 600 mil refugiados da minoria muçulmana rohingya – dos quais 60% são mulheres e crianças – que fugiram da violência em Myanmar para o vizinho Bangladesh nos últimos dois meses, afirmou a ONU.

O dinheiro foi prometido numa conferência de alto escalão organizada por Nações Unidas, União Europeia e Kuwait em Genebra. Outros 116 milhões de dólares já haviam sido angariados antes do encontro, o que eleva o total prometido para 340 milhões de dólares. "Tivemos uma manhã encorajadora", disse o chefe humanitário da ONU, Mark Lowcock. "Agora temos a promessa de 340 milhões de dólares." Ele disse esperar novos comprometimentos nos próximos dias.

A ONU afirma que precisa de 434 milhões de dólares para fornecer apoio nos próximos meses aos cerca de 600 mil rohingyas que fugiram recentemente de Myanmar, assim como para os cerca de 300 mil bengaleses que ajudam na hospedagem deles. Somam-se a eles os 400 mil rohingyas que haviam fugido em oportunidades passadas e vivem em Bangladesh.

Assistir ao vídeo 00:55

Drone mostra fuga em massa de rohingyas

Lowcock enfatizou a importância de os países entregarem o dinheiro, pois a ONU já teve de lidar com compromissos não cumpridos em crises passadas. "Promessas são uma coisa", disse. "É realmente importante para nós que elas sejam convertidas o mais rapidamente possível em contribuições."

No entanto, a porta-voz do Departamento das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (Ocha), Vanessa Huguenin, esclareceu posteriormente que, apesar de todos os fundos serem destinados à crise dos rohingyas, nem todo o montante iria para programas da ONU. Alguns recursos ajudarão trabalhos humanitários da Cruz Vermelha, e outros serão distribuídos a programa fora das Nações Unidas.

O chefe da Organização Internacional para as Migrações (OIM), William Lacey Swing, classificou a onda migratória dos rohingyas que fogem para Bangladesh como a crise de refugiados de mais rápido crescimento no mundo. Ele acrescentou que, com base em tendências atuais, espera-se que o número passe de 1 milhão em breve.

Na prévia da conferência desta segunda-feira, o Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (Acnur) comunicou que estimadas 603 mil pessoas fugiram para Bangladesh depois que forças de segurança de Myanmar lançaram uma repressão violenta em resposta a ataques de 25 de agosto de militantes rohingyas.

As forças de segurança de Myanmar cometeram assassinatos, estupros e incendiaram aldeias inteiras no estado de Rakhine, segundo a ONU. O governo afirmou ter reagido aos ataques de insurgentes, mas as Nações Unidas e outros estados afirmaram que a resposta militar foi desproporcional. O comissário para os direitos humanos da ONU, Zeid Ra'ad al-Hussein, chegou a classificar a incursão como "exemplo clássico de limpeza étnica".

PV/efe/ap/afp

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados