1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
A participação veio de diversos setores da sociedade
A participação veio de diversos setores da sociedadeFoto: Reuters/F. Bimmer

O mutirão para limpar Hamburgo

10 de julho de 2017

Munidos de luvas, baldes e vassouras, pelo menos 8 mil moradores vão às ruas para recolher lixo, pedras e cacos, após violentos protestos e confrontos com a polícia durante a cúpula do G20.

https://www.dw.com/pt-br/o-mutir%C3%A3o-para-limpar-hamburgo/a-39621735

Milhares de moradores de Hamburgo se reuniram neste domingo (09/07) em Schanzenviertel, no popular bairro de St. Pauli, para limpar a cidade depois dos protestos violentos do fim de semana em decorrência da cúpula do G20. Munidos de luvas, baldes e vassouras, participantes recolheram ao longo da tarde lixo, pedras e cacos de vidro das ruas.

Convocado pelo Facebook, o evento "Hamburg räumt auf!" ("Hamburgo arruma") contabilizou mais de 8 mil participantes através da rede social, mas a polícia chegou a calcular cerca de 10 mil presentes no local.

Moradores de Hamburgo fazem mutirão de limpeza após G20

"Nós mostramos a todos como Hamburgo realmente é", escreveu na página Rebecca Lunderup, uma das organizadoras do ato. "Foi um enorme e incrível senso de coesão e de energia positiva que foram sentidos em todos os lugares onde vocês estiveram hoje", completou

A participação veio de diversos setores da sociedade: uma cadeia de utensílios de construção doou material de limpeza, uma padaria distribuiu pães, um restaurante contribuiu com hambúrgueres, e uma rede de supermercados doou água.

"Nós mostramos solidariedade com nossos vizinhos", disse Thorben Harms, morador do bairro de Barmbek. Mohamed e Walaa, refugiados da Síria, também participaram da ação: "Queremos fazer algo pela cidade de Hamburgo [como gratidão pelo acolhimento na cidade]".

Durante o encontro internacional, Hamburgo registrou confrontos, saques a lojas e danos ao patrimônio, em um episódio que chegou a ser descrito por moradores como cenas de "guerra civil". De acordo com os cálculos das equipes de segurança, 476 policiais foram feridos. Também houve 186 detenções e 37 mandados de prisão. Não foi informado o número de manifestantes feridos.

IP/dpa/epd/ots