Protestos durante G20 deixam mais de 200 policiais feridos | Notícias internacionais e análises | DW | 08.07.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

G20

Protestos durante G20 deixam mais de 200 policiais feridos

Apesar de maioria dos manifestantes protestarem pacificamente durante cúpula em Hamburgo, alguns milhares provocam caos nas ruas da cidade, incendiando veículos, erguendo barricadas e atacando forças de segurança.

Manifestantes incendeiam barricada em Hamburgo, durante G20

Incêndios provocados por manifestantes fizeram com que bombeiros recebessem dezenas de chamados

Protestos antiglobalização realizados por ocasião da cúpula do G20 em Hamburgo, na Alemanha, foram marcados pela violência pela segunda noite seguida. Desde o início das manifestações, nesta quinta-feira (06/07), mais de 200 policiais ficaram feridos.

Na noite de sexta-feira para sábado, manifestantes ergueram barricadas, incendiaram carros, saquearam supermercados e atacaram forças de segurança com barras de ferro e coquetéis molotov. Os bombeiros receberam mais de 200 chamados. Ao todo, 265 pessoas foram detidas durante os protestos na cidade.

Protestos particularmente violentos foram registrados no bairro de Schanzenviertel, em Hamburgo, durante G20

Protestos particularmente violentos foram registrados no bairro de Schanzenviertel, deixando rastro de destruição

A polícia informou que os manifestantes estavam extremamente agressivos no bairro de Schanzenviertel na manhã deste sábado, dia em que se encerra a cúpula de dois dias do G20. Cerca de 500 pessoas saquearam e incendiaram um supermercado, e 13 ativistas foram presos na área.

Nesta sexta-feira, o Corpo de Bombeiros afirmou ter transportado 60 pessoas para hospitais, incluindo 11 gravemente feridas após caírem de um muro ao fugir da polícia.

Manifestante saqueia supermercado em Hamburgo, durante G20

Manifestante saquearam supermercados da cidade

Líderes das 20 maiores economias do mundo reuniram-se em Hamburgo para discutir questões globais como terrorismo, clima e comércio. A maioria dos manifestantes reunidos na cidade manifestaram sua oposição ao encontro do G20 de maneira pacífica, pedindo ações de combate às mudanças climáticas e soluções para a crise migratória, por exemplo.

Na noite desta sexta-feira, no distrito de St. Pauli, milhares de pessoas dançavam nas ruas ao som de música techno e hip-hop, enquanto os líderes do G20 ouviam um concerto de música clássica realizado pela filarmônica da cidade, sob forte proteção policial. 

Homem segura faixa conta o capitalismo em protesto em Hamburgo, durante G20

Muitos dos manifestantes protestarem contra o capitalismo e a globalização

Alguns milhares de manifestantes, no entanto, provocaram caos nas ruas da cidade ao preotestarem contra o capitalismo e a globalização. Os manifestantes parecem não se voltar tanto contra o presidente americano, Donald Trump, e outros líderes, mas sim diretamente contra a polícia como símbolo de autoridade.

Nesta sexta-feira, a polícia, que já contava com a ajuda de policiais vindos da Áustria, teve de pedir reforços a departamentos de polícia em outros estados alemães para conter os violentos protestos.

Neste sábado, dia em que se encerra a cúpula de dois dias em Hamburgo, a cidade foi palco de mais protestos, incluindo o chamado "G20 – not welcome!" (G20 – não bem-vindo!), na qual dezenas de milhares de pessoas são aguardadas.

LPF/ap/dpa/rtr/efe/lusa

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados