O alto custo da falta de cooperação global por vacinas | Notícias internacionais e análises | DW | 04.02.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

O alto custo da falta de cooperação global por vacinas

"Nacionalismo de vacina" faz pandemia durar mais, eleva risco de mutações do coronavírus e traz prejuízos econômicos de longo prazo, inclusive para países ricos que garantiram mais doses, alertam especialistas em saúde.

Vacina

Na corrida global pela vacina, fabricantes estão sob pressão para aumentar a produção

A cidade de Blantire, no sul do Malaui, ainda não possui um programa de vacinação contra o novo coronavírus. Tankred Stöbe, da organização Médicos Sem Fronteiras (MSF), chegou à cidade de 800 mil habitantes há poucos dias para instalar uma estação para tratamento da covid-19 no maior hospital do país. Os 80 leitos destinados a pacientes infectados com o vírus já estão ocupados.

"A primeira onda passou por aqui quase despercebida. Não houve muitas infecções e quase nenhuma morte. Agora, acredita-se que a mutação da África do Sul chegou e se espalhou rapidamente na área", disse Stöbe por telefone à DW.

As infecções aumentaram drasticamente, e os números dobram a cada quatro ou cinco dias. Os médicos no Malaui, porém, ainda não sabem se estão lidando com a mutação sul-africana, pois não há laboratórios no país capazes de realizar os testes necessários. Amostras até foram enviadas para a África do Sul, mas ainda não houve resposta.

Stöbe conta ainda que não há nenhum programa de vacinação para o Malaui, onde o foco agora está no tratamento dos casos mais agudos. "Não esperamos nenhuma vacina aqui pelos próximos meses. O melhor que podemos esperar é que algo chegue em abril."

Doses insuficientes e remessas com atraso

Praticamente o mundo todo está lutando pelas relativamente poucas doses de vacina disponíveis atualmente. Até o momento, três vacinas foram aprovadas na União Europeia – BionTech/Pfizer, Moderna e AstraZeneca/Oxford. Por enquanto, a maior parte das vacinas foi obtida por países industrializados. Mas mesmo nestes países, foram apontadas falhas nos programas de vacinação, como atrasos na entrega e disputas contratuais, impedindo o progresso e gerando desconfiança generalizada. Fabricantes, portanto, estão sob pressão para aumentar a produção e realocar suas capacidades.

Infografik COVID-19 Impfungen pro 100 Menschen weltweit 1.2.2021 PT

Além disso, todo o processo foi marcado pelo que agora vem sendo chamado de "nacionalismo de vacina". Alguns países, como Israel, estão à frente, pois fizeram encomendas vinculativas de vacinas antes mesmo de concederem sua aprovação. A União Europeia, por sua vez, está envolvida em uma disputa com a empresa farmacêutica AstraZeneca, que fracassou no cumprimento das expectativas em Bruxelas. O caso gerou suspeitas de que a fabricante estivesse desviando remessas reservadas pela UE para o Reino Unido.

O ringue, portanto, está armado – embora todos os envolvidos pareçam estar de acordo com a necessidade de cooperação em vez de competição. Parece óbvio que este é um desafio global que requer uma solução global. No Fórum Econômico Mundial, geralmente realizado no resort suíço de Davos, mas convertido para o formato online por causa da pandemia, a chanceler federal alemã, Angela Merkel, declarou que "agora é a hora do multilateralismo", acrescentando que o isolamento não ajudará a resolver os problemas que o mundo enfrenta atualmente.

Justiça no processo de vacinação

Tal foi o raciocínio por trás do projeto Covax, lançado em abril de 2020 pela Organização Mundial da Saúde (OMS), em parceria com a Comissão Europeia e a França, e para o qual 190 países se inscreveram. O objetivo é garantir que as nações mais pobres recebam seu quinhão justo de vacinas. A ideia é boa, "mas o projeto não está obtendo o apoio que merece, nem dos países ricos nem das empresas farmacêuticas", comenta Stephan Exo-Kreischer, diretor da filial alemã da organização de desenvolvimento One.

Nos últimos dias, fabricantes de vacinas viraram alvo de críticas, pois quase todos os primeiros lotes foram para países industrializados. "Achamos inapropriado que fabricantes ricos de vacinas lucrem com a pandemia. Necessitamos urgentemente de uma estratégia diferente", disse Stöbe.

Assistir ao vídeo 05:41

"Nacionalismo de vacina" representa mais mortes

A Médicos Sem Fronteiras e a One pedem, portanto, que as gigantes farmacêuticas suspendam patentes e compartilhem as licenças, de forma que as vacinas possam ser produzidas também por outras fabricantes. No entanto, boa parte da indústria farmacêutica rejeita a ideia, argumentando que a perda dos direitos de propriedade intelectual tiraria das empresas o incentivo para investirem no arriscado desenvolvimento de vacinas em futuras pandemias.

Thomas Cueni, diretor geral da Federação Internacional de Associações e Fabricantes Farmacêuticos (IFPMA), disse à DW que ainda há outro aspecto importante a ser levado em conta: "No curto prazo, as demandas para a liberação de informações de patentes relacionadas a vacinas não aumentariam o fornecimento em uma única dose, porque elas não atentam para a complexidade da fabricação de vacinas e ignoram até que ponto os fabricantes de vacinas e empresas farmacêuticas e nações em desenvolvimento já cooperam para aumentar as capacidades de vacinação."

Além disso, explica, "a euforia com o desenvolvimento de vacinas altamente eficazes criou, de alguma forma, a impressão de que, uma vez desenvolvida a vacina, basta apertar um botão para que um bilhão de doses saiam das fábricas". "Acho que precisamos estar cientes de quão complexa e difícil é a fabricação de vacinas," argumenta Cueni.

Exo-Kreischer, da One, discorda. Para o diretor da organização na Alemanha, a produção de algumas das vacinas poderia, sim, ser terceirizada para empresas externas.

Solidariedade global

Além das recentes disputas sobre licenças e patentes, há razões para otimismo quanto às perspectivas de uma distribuição mais equitativa da vacina. Entre as manchetes negativas, a farmacêutica anglo-sueca AstraZeneca está, na verdade, na liderança. Até agora, trata-se da única fabricante de uma vacina aprovada disposta a vendê-la a preço de custo, além de ter se comprometido a entregar vários milhões de doses ao projeto Covax. A empresa também coopera com o Instituto Serum, da Índia, que possui uma capacidade considerável para a produção de vacinas. E a cooperação está dando frutos: na última segunda-feira (1º/2), a África do Sul recebeu um milhão de doses da vacina AstraZeneca produzida na Índia.

Assistir ao vídeo 03:20

Vacina é um bem público global, diz chefe da ONU

Exo-Kreischer, da One, diz que é do interesse dos próprios países industrializados fornecer vacinas contra covid-19 também para os países mais pobres.

"Se realmente queremos acabar com a pandemia o mais rápido possível, temos que entender que estamos em uma corrida, não uns contra os outros, mas contra o vírus", diz. "Essa abordagem descoordenada resulta na pandemia se estendendo por mais tempo do que normalmente seria o caso se nós realmente lidássemos juntos com o problema. Isso resultará em custos imensos para a economia mundial e aumenta o risco de mutações do vírus."

As mutações, por si só, pode ter consequências de longo prazo. As vacinas existentes podem não ser eficazes contra elas. É uma corrida contra o tempo.

Uma corrida que até agora passou longe do Malaui, onde não há cabines de vacinação nem calendários de imunização. "Aqui, seria vital que a solidariedade global que há meses nos foi prometida se concretizasse", afirma Stöbe. "Mas pelo que posso ver aqui no Malaui, isso não está sequer no horizonte."

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados