New York Times inclui ″Democracia em vertigem″ em lista de melhores do ano | Legado judaico no mundo | DW | 28.06.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Cinema

New York Times inclui "Democracia em vertigem" em lista de melhores do ano

Documentário da cineasta Petra Costa para a Netflix narra a ascensão e queda da esquerda no Brasil e a crescente polarização política.

Netflix Dokumentarfilm | Am Rande der Demokratie (Netlix/Divulgação )

Documentário foi lançado globalmente pela Netflix em 19 de junho

Entre os oitos filmes escolhidos pelo jornal americano The New York Times como melhores do ano até agora, há um representante brasileiro: Democracia em vertigem. O documentário dirigido por Petra Costa mostra a ascensão e queda do PT e a crescente polarização entre esquerda e direita no país. O longa foi disponibilizado mundialmente pela Netflix em 19 de junho, e nos Estados Unidos está em cartaz também nos cinemas.

De acordo com o jornal, a cineasta assume uma posição "incrédula, indignada e autoquestionadora". Seu filme é "uma crônica sobre traição cívica e abuso de poder, e também de desgosto".

O longa brasileiro figura na lista ao lado de títulos como Rolling Thunder Revue, de Martin Scorsese, sobre o cantor Bob Dylan, e Transit, do diretor alemão Christian Petzold, aclamado na Berlinale desse ano, que aborda o tema dos refugiados na Europa.

No documentário, Costa mescla imagens histórias, trechos de reportagens de TV e cenas dos bastidores do Planalto e da prisão de Lula, com relatos pessoais. Filha de pais militantes durante a ditadura e neta de um dos fundadores da multinacional Andrade Gutierrez, a cineasta vive a polarização política do país na história da própria família.

Cena do documentário Democracia em vertigem

Cena de "Democracia em vertigem"

Na crítica do filme publicada pelo New York Times um dia antes da estreia, Lula é lembrado como ex-operário que virou um dos governantes mais populares do mundo, com aprovação de 87% da população em 2011, e Dilma é descrita como economista que foi presa e torturada pela ditadura militar.

Para explicar o contexto político do país, o texto também menciona o atual presidente Jair Bolsonaro, "admirador da antiga ditadura e parte de uma tendência global em direção ao populismo autoritário e antiliberal que floresce atualmente nas Filipinas, na Hungria e em muitos outros países".

O jornal destaca que Costa não produziu um trabalho de jornalismo ligado a estudos acadêmicos, mas, sim, uma avaliação pessoal do passado e do presente do Brasil, narrada em primeira pessoa por uma cineasta, incrédula, indignada e autoquestionadora.

_______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube
WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais

Links externos