Número de atentados cai pela primeira vez desde 2012 | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 03.06.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Número de atentados cai pela primeira vez desde 2012

Relatório do Departamento de Estado dos EUA revela uma diminuição no número de ataques e mortes em todo o mundo, mas enfatiza que o grupo extremista "Estado Islâmico" segue sendo a maior ameaça global.

O número de ataques terroristas e de mortes consequentes caiu pela primeira vez desde 2012, de acordo com um relatório do Departamento de Estado dos EUA, divulgado nesta sexta-feira (03/06).

O levantamento americano contabilizou 11.774 ataques terroristas em 2015, um declínio de 13% em relação a 2014. Nestes atentados morreram 28.328 pessoas, uma queda de 14%.

No entanto, o Departamento de Estado dos EUA enfatiza em seu relatório que, apesar da diminuição de incidentes, a ameaça global de terrorismo continuou a crescer rapidamente em e está se tornando cada vez mais difusa e descentralizada.

A queda do número de ataques e mortes se deve principalmente ao menor número de atentados em Iraque, Paquistão e Nigéria, de acordo com o relatório. Por outro lado, o levantamento destacou também que o número de ataques terroristas e mortes aumentou em diversos países em 2015, como Afeganistão, Bangladesh, Egito, Filipinas, Síria e Turquia.

Mais de 55% de todos os ataques ocorreram em Iraque, Afeganistão, Paquistão, Índia e Nigéria, enquanto 74% das vítimas de ataques terroristas perderam suas vidas em Iraque, Afeganistão, Nigéria, Síria e Paquistão.

Maior ameaça: "Estado Islâmico"

O relatório americano destacou a organização extremista "Estado Islâmico" (EI), classificando-a como a maior ameaça terrorista no mundo, uma vez que manteve sua força no Iraque e na Síria, incluindo um grande número de combatentes estrangeiros.

Mas o texto do Departamento de Estado dos EUA também diz que as capacidades do grupo estão começando a se deteriorar. "Desde maio, o EI não teve uma vitória significativa no campo de batalha no Iraque e na Síria. No final de 2015, 40% do território controlado pelo EI no começo daquele ano tinham sido libertados."

O Departamento de Estado americano advertiu, porém, que, mesmo que o "Estado Islâmico" tenha perdido territórios no Iraque e na Síria, o grupo terrorista obteve ganhos na Líbia, um país que atualmente sofre com crises sócio-econômicas e instabilidade diversos setores do poder público.

PV/dpa/afp

Leia mais