″Não há desculpa para palavras nazistas″, diz Merkel | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 12.09.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Alemanha

"Não há desculpa para palavras nazistas", diz Merkel

Em meio a manifestações de extrema direita no leste do país, chanceler federal condena xenofobia e violência contra minorias. No mesmo debate parlamentar, Martin Schulz acusa AfD de recorrer a "meios do fascismo".

Angela Merkel

"Judeus e muçulmanos pertencem tanto quanto cristãos e ateus à nossa sociedade", disse Merkel

Os temas imigração e violência de extrema direita dominaram um debate mais acalorado que o de costume no Parlamento alemão nesta quarta-feira (12/09). Membros do partido populista de direita Alternativa para a Alemanha (AfD) e de outras legendas trocaram farpas, e a chanceler federal Angela Merkel se posicionou claramente contra a xenofobia.

O debate, cujo tema principal era o orçamento federal, ocorreu poucos dias após protestos convocados por extremistas de direita no leste do país. Na cidade de Chemnitz, manifestações foram motivadas pela morte de um alemão de 35 anos numa briga. Três requerentes de refúgio são suspeitos do crime. Em Köthen, foi realizada uma marcha de luto pela morte de um homem após uma briga com imigrantes afegãos.

Merkel lamentou as mortes em Chemnitz e em Köthen e afirmou que os responsáveis devem ser punidos. Ela disse compreender que muitas pessoas estejam com raiva de supostos crimes cometidos por imigrantes, mas condenou expressões nazistas e ataques a estrangeiros que teriam ocorrido nos recentes protestos.

"Não há desculpa para uso de violência e de palavras de ordem nazistas ou para atacar pessoas com aparência diferente", disse a chanceler federal, ressaltando ser necessário haver um consenso sobre valores básicos da sociedade alemã.

"Não vamos permitir que grupos inteiros sejam clandestinamente excluídos da nossa sociedade. Judeus e muçulmanos pertencem tanto quanto cristãos e ateus à nossa sociedade, a nossas escolas, a nossos partidos, à nossa vida em sociedade", afirmou.

Antes de Merkel se pronunciar, a AfD, o maior partido de oposição no Parlamento, abriu o debate, atacando a chanceler federal e as recentes críticas feitas por seu governo à violência nos protestos de extrema direita em Chemnitz.

Alexander Gauland, copresidente da AfD, afirmou que a maioria dos que participaram das manifestações na cidade alemã era simplesmente de "cidadãos preocupados". Ele reconheceu que alguns chegaram a fazer a saudação de Hitler durante os protestos – o que é ilegal na Alemanha –, mas disse que se tratou de uma minoria.

Martin Schulz fala no Parlamento alemão

"É hora de a democracia lutar contra esse tipo de gente", disse Schulz em relação à AfD

"Não houve perseguição a pessoas em Chemnitz", disse Gauland, negando alegações de que imigrantes foram perseguidos durante as manifestações na cidade. "Quem coloca a paz interna em nosso país em perigo? Nós não", afirmou em tom provocativo.

A fala de Gauland levou a uma intervenção acalorada de Martin Schulz, ex-líder do Partido Social-Democrata (SPD). Ele criticou o fato de o copresidente da AfD reduzir questões complexas a um único tema, a imigração.

Schulz acusou a legenda populista de direita de recorrer aos "meios do fascismo", afirmando que as palavras e a estratégia de Gauland remetem aos tempos do nazismo.

"Os migrantes são culpados por tudo. Já houve uma dicção semelhante neste Parlamento", disse Schulz, em referência ao nazismo. "É hora de a democracia lutar contra esse tipo de gente", afirmou.

Colegas social-democratas e membros dos partidos Verde e A Esquerda levantaram-se para aplaudir o discurso de Schulz.

Protestos da extrema direita

A AfD foi uma das organizações envolvidas na recente série de manifestações em Chemnitz. Milhares de apoiadores do partido e do Pegida (sigla em alemão para "Patriotas europeus contra a islamização do Ocidente") saíram às ruas da cidade.

O fato de suspeitos pelo crime serem estrangeiros acirrou os ânimos na cidade e teriam levado extremistas a perseguirem e atacarem pessoas que aparentavam ser estrangeiras durante os protestos, algo que foi questionado pelo presidente do Departamento de Proteção à Constituição da Alemanha (BfV, na sigla em alemão), Hans-Georg Maassen.

Após os incidentes em Chemnitz, ganhou força no país o debate sobre um possível monitoramento pelas autoridades federais da AfD. Políticos defendem que partido populista de direita deve ser vigiado por incitar violência e xenofobia.

Apenas duas semanas depois da morte que motivou as manifestações em Chemnitz, um alemão de 22 anos foi morto em Köthen. Os dois imigrantes afegãos envolvidos na briga que resultou na morte, de 18 e 20 anos, foram detidos e estão sendo investigados. Um deles aguarda deportação, e o outro obteve status de refugiado.

Após o crime, cerca de 2.500 pessoas participaram no último domingo de uma marcha de luto em Köthen. A marcha foi convocada por conhecidos extremistas de direita, e vídeos mostram manifestantes entoando cânticos e palavras de ordem nazistas, o que foi duramente criticado pelo governo alemão.

Autoridades afirmaram que o jovem de 22 anos não morreu em consequências de ferimentos causados durante a briga, mas por insuficiência cardíaca aguda.

LPF/dpa/rtr

_______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | 

App | Instagram | Newsletter

Leia mais