Merkel vê ″profundas divergências″ com Erdogan | Notícias internacionais e análises | DW | 28.09.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Merkel vê "profundas divergências" com Erdogan

Líderes ensaiam aproximação durante encontro em Berlim, mas divergências sobre direitos humanos e liberdade de imprensa ficam evidentes. Erdogan pede extradição de jornalista, e Merkel quer liberdade de alemães detidos.

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, e a chanceler federal alemã, Angela Merkel

Merkel falou ao lado de Erdogan em evento que esteve prestes a ser cancelado

As posições conflitantes dos governos da Alemanha e da Turquia em relação a temas como direitos humanos e liberdade de imprensa ficaram claras nesta sexta-feira (29/09), em Berlim, durante uma entrevista conjunta da chanceler federal Angela Merkel e do presidente Recep Tayyip Erdogan.

Ao lado de Merkel, Erdogan exigiu que a Alemanha extradite o jornalista turco Can Dündar, que vive há dois anos no país, e confirmou um pedido de extradição feito dias antes. O líder turco classificou Dündar de agente que revelou segredos de Estado e disse que, por isso, foi condenado a cinco anos e dez meses de prisão pela Justiça turca.

A entrevista esteve próxima de não ocorrer, pois Erdogan ameaçou não participar caso Dündar estivesse presente. Momentos antes do evento, Dündar anunciou que não compareceria para evitar que houvesse um cancelamento e para que "outros jornalistas pudessem fazer perguntas críticas a Erdogan".

Pouco antes do encontro entre os dois líderes foi revelado também que a Turquia enviou à Alemanha uma lista com 69 pessoas que são procuradas pelas autoridades turcas. Entre elas está Dündar, ex-diretor de redação do jornal oposicionista Cumhuriyet e que é procurado por ter publicado uma reportagem sobre o envio secreto de armas da Turquia para rebeldes na Síria.

O presidente turco também pediu a extradição de apoiadores do clérigo Fetullah Gülen que vivem na Alemanha. O movimento é responsabilizado por Erdogan pelo golpe de Estado fracassado de 2016. Merkel disse que as autoridades alemãs ainda necessitam de mais informações para decidir se incluem o movimento de Gülen na lista de organizações proibidas no país.

A líder alemã, por sua vez, exigiu uma solução rápida para os casos dos cidadãos alemães que estão detidos na Turquia, muitos deles sob acusação de pertencerem a organizações terroristas. Ela disse estar satisfeita por alguns casos terem sido solucionados e que vai continuar se empenhando pela libertação dos demais.

Segundo o Ministério alemão do Exterior, há cinco alemães detidos por motivações políticas na Turquia, sob vagas acusações de pertenceram a organizações terroristas.

Merkel disse haver profundas diferenças entre os dois governos, mas destacou que também há interesses comuns, incluindo a parceria no âmbito da Otan, questões migratórias e o combate ao terrorismo. Ela disse que uma reunião de cúpula sobre a Síria está sendo preparada e deve incluir, além de ela e Erdogan, os presidentes da França e da Rússia.

Manifestante é retirado da coletiva de imprensa em Berlim

Manifestante é retirado da coletiva de imprensa em Berlim

A entrevista na Chancelaria Federal também foi marcada pelo protesto de um jornalista turco-alemão de Hamburgo, que acabou sendo retirado do local por vestir uma camiseta com uma inscrição pedindo liberdade para jornalistas.

O jornal pró-Ancara Yeni Asir informou nesta sexta-feira que o governo turco pediu a extradição de Dündar pouco antes da visita de Erdogan, junto com uma "lista de terroristas" com 69 nomes de pessoas procuradas por autoridades turcas. A imprensa alemã confirmou a informação e acrescentou que o pedido chegou ao Ministério do Exterior da Alemanha na segunda-feira.

Em março, a Suprema Corte de Ancara anulou um veredicto contra Dündar e decidiu que o processo dele deveria ser ampliado para cobrir o crime de espionagem. Em abril, um tribunal de Istambul emitiu um mandado de prisão contra Dündar e pediu ao Ministério da Justiça que solicitasse uma busca internacional à Interpol.

Em julho, a solicitação foi enviada, mas negada pela Interpol por suspeita de perseguição política. Dündar é procurado por espionagem, traição de segredos de Estado e propaganda. Sua esposa vive na Turquia e está proibida de deixar o país.

Horas antes do encontro com Merkel, Erdogan foi recebido com honras militares pelo presidente da Alemanha, Frank-Walter Steinmeier. O presidente alemão abordou casos concretos de presos políticos na Turquia, tanto alemães como turcos. Liberdade de imprensa e de expressão, assim como questões do Estado de Direito, estavam no centro da conversa de cerca de 75 minutos.

Pouco antes da visita de Erdogan, Steinmeier disse que a recepção ao presidente turco não expressava nenhuma normalização nas relações entre Alemanha e Turquia, mas "poderia ser um começo".

A visita de Erdogan, que começou na quinta-feira e termina neste sábado, com a abertura oficial de uma mesquita em Colônia, provocou inúmeros protestos contra a detenção de jornalistas e críticos do governo turco, que tem ocorrido desde o golpe fracassado de 2016.

Os organizadores de um grande protesto na praça Potsdam, em Berlim, que será realizado nesta sexta-feira sob o lema "Erdogan não é bem-vindo", esperam a participação de cerca de 10 mil pessoas.

PV/AS/ard/dpa/afp

_______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp
App | Instagram | Newsletter

Leia mais