Marcha em formato virtual lembra história do Holocausto | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 08.04.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Memória

Marcha em formato virtual lembra história do Holocausto

Devido à pandemia, a chamada Marcha dos Vivos, que costuma ocorrer entre os antigos campos de concentração de Auschwitz e Birkenau, teve que migrar para a internet. E isso acabou dando novo impulso à celebração anual.

Captura de tela de imagem promocional da Marcha dos Vivos [MOTL] 2021

Evento deste ano homenageia equipes médicas que atuaram durante o Holocausto e a atual pandemia

Stephanie Manopla, professora de história judaica de um colégio panamenho, dedica um ano inteiro de ensino ao Holocausto. O curso culmina com cerca de 60 de seus alunos mais velhos viajando para a Polônia para a Marcha dos Vivos (MOTL, na sigla em inglês), uma caminhada anual de 3 quilômetros de Auschwitz até Birkenau, os maiores campos de concentração e extermínio nazistas.

Manopla, cujos parentes deixaram Polônia, Romênia e Alemanha durante a era nazista, ainda não pôde participar do evento pessoalmente. Mas neste ano, ela se juntará à marcha desta quinta-feira (08/07) sem sair de casa.

Pelo segundo ano consecutivo, a MOTL ocorrerá virtualmente devido à covid-19. O evento, que acontece desde 1988, sempre coincide com o Yom HaShoah, o Dia da Lembrança do Holocausto de Israel. Ele lembra as vítimas do Holocausto, incluindo os 6 milhões de judeus assassinados, e homenageia os sobreviventes com o objetivo de combater a indiferença, o racismo e a injustiça.

O evento deste ano também homenageia as equipes médicas – aqueles que arriscaram suas vidas para salvar indivíduos perseguidos durante o Holocausto e aqueles que prestam atendimento na linha de frente da atual pandemia de coronavírus.

O presidente israelense, Reuven Rivlin, conduzirá a cerimônia memorial após a marcha. Os participantes de março incluem Nachman Ash, referência em coronavírus em Israel e ele mesmo um descendente de segunda geração de médicos que sobreviveram ao Holocausto, e Albert Bourla, CEO da Pfizer e filho de sobreviventes do Holocausto.

Anthony Fauci, maior autoridade dos EUA em questões epidemiológicas e assessor do presidente Joe Biden, também se juntará à marcha. Na quarta-feira à noite, a MOTL o homenageou por sua coragem moral na medicina em um simpósio educacional especial sobre medicina e moralidade.

Adaptando a MOTL para o formato digital

Enquanto a marcha presencial do ano passado teve que ser cancelada no último minuto, a MOTL foi capaz de se preparar para o evento digital deste ano. No entanto, ainda é emocionalmente difícil para os organizadores, mais uma vez, renunciar a estar no local.

"Em grande medida, acho que acreditamos que, em algum tipo de nível espiritual, trazemos vida a Auschwitz no Yom HaShoah", disse Phyliss Greenberg Heideman, presidente da MOTL, à DW. "Tem sido triste e solitário, mas isso deu origem à nossa compreensão da necessidade de nos adaptarmos a essas novas normas em que todos vivemos."

Placas manuscritas de madeira deixadas pelo caminho durante a Marcha dos Vivos (MOTL) no antigo campo de concentração e extermínio nazista de Auschwitz II Birkenau em Oswiecim.

Em anos normais, os participantes colocam placas escritas à mão nos trilhos da ferrovia no complexo do campo de Auschwitz

A marcha virtual foi criada filmando individualmente cada participante apresentado em uma tela verde em diferentes locais ao redor do mundo e, em seguida, combinando essas gravações com um pano de fundo digitalizado de Auschwitz e Birkenau. O público global também pôde personalizar placas que serão colocadas nos trilhos digitalizados em frente a Auschwitz-Birkenau, uma reprodução online da comemoração anual no local.

Manopla e cerca de 30 de seus alunos enviaram mensagens. A professora espera que muitas pessoas participem do evento online. "Talvez o formato digital seja um caminho melhor", disse ela, referindo-se ao alcance de alunos. "Ainda não dá para saber. Talvez em alguns anos, alguns alunos me encontrarão e dirão que se lembram de participar do Yom HaShoah via Zoom."

Embora o número total de participantes da marcha só seja conhecido na última hora, Greenberg Heideman disse que dezenas de milhares de pessoas de todo o mundo já se inscreveram.

"[A tecnologia digital] nos forneceu uma plataforma para alcançar muito mais pessoas, pessoas que não podem e não saem de suas casas e não viajam conosco para a Polônia por muitos motivos", disse ela.

Assistir ao vídeo 02:26

O memorial de Auschwitz-Birkenau

Um aspecto menos conhecido do Holocausto

Além de aproveitar a extensa rede global de ex-alunos e comunidades de seguidores da MOTL, a organização também se voltou para estudantes de medicina, escolas e hospitais, envolvendo-os em um evento que presta homenagem ao serviço de salvamento que eles têm prestado na atual pandemia de coronavírus.

O foco especial nos médicos também destaca um aspecto menos conhecido do Holocausto.

"O conhecimento geral da medicina no Holocausto [é que ela] foi usada para destruição, para conduzir experimentos médicos", disse a presidente da MOTL, Phyllis Greenberg Heideman, à DW, citando o notório médico nazista Josef Mengele como exemplo.

No entanto, a medicina não era apenas "uma arma de destruição", mas também "uma ferramenta para salvar vidas", explicou ela. "Durante o Holocausto, houve médicos, paramédicos, técnicos [...] que arriscaram sua própria segurança pessoal para prestar cuidados médicos nos campos de concentração e de extermínio." Para o evento, foram convidados alguns sobreviventes do Holocausto para contar histórias de como foram auxiliados por profissionais de saúde.

Greenberg Heideman traça um paralelo entre esses profissionais médicos e os que lutam hoje contra a covid-19. "Os médicos e enfermeiros que vão todos os dias aos hospitais para prestar assistência médica aos pacientes também estão arriscando a própria saúde. Eles podem não estar arriscando morrer nas mãos dos nazistas, mas estão definitivamente se colocando em perigo," disse.

Phyllis Greenberg Heideman, presidente da MOTL

Greenberg Heideman: "A tecnologia digital nos forneceu uma plataforma para alcançar muito mais pessoas"

MOTL 2022 na Polônia?

A MOTL já está planejando a marcha do ano que vem. A expectativa é de um evento físico, mas também há preparativos para o formato digital.

"Estamos orando pelo mundo, pelos povos do mundo, para que estejamos mais livres dessa pandemia, de modo que possamos embarcar em aviões, pousar na Polônia e fazer o que temos feito há mais de três décadas", disse Greenberg Heideman.

Manopla planeja envidar todos os esforços para ir à Polônia para a MOTL no futuro. "Eu gostaria que a Polônia e Auschwitz fossem as primeiras coisas a abrir depois da covid-19, porque sinto que anos estão sendo perdidos", disse ela, referindo-se ao número cada vez menor de sobreviventes do Holocausto. "Em alguns anos, eles não estarão mais aqui."

Ainda assim, Manopla é inflexível ao avaliar que não ser capaz de estar fisicamente presente não é razão para não se envolver com a MOTL e a educação sobre o Holocausto de forma mais ampla: "São sempre formas de apoiar e aprender digitalmente, mesmo que você não possa ir ao evento."

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados