Mais de um quarto dos brasileiros desaprova governo Temer | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 08.06.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Mais de um quarto dos brasileiros desaprova governo Temer

Para mais da metade dos entrevistados, não houve mudanças entre o governo do presidente interino e o de Dilma Rousseff. Além disso, maioria da população quer novas eleições ainda em 2016, aponta levantamento CNT/MDA.

Presidente interino Michel Temer

Presidente interino Michel Temer

Quase um mês depois do afastamento da presidente Dilma Rousseff, o governo interino de Michel Temer tem avaliação negativa de 28% dos brasileiros e positiva de 11,3%, apontou uma pesquisa divulgada nesta quarta-feira (08/06) pelo instituto MDA, encomendada pela Confederação Nacional do Transporte (CNT). A gestão é ainda regular para 30,2%, enquanto 30,5% não souberam opinar.

Na comparação entre Dilma e Temer, a maioria dos entrevistados (54,8%) considera que o desempenho dos dois governos está igual, não percebendo qualquer mudança no país desde que o presidente interino assumiu, em 12 de maio, após decisão do Senado de afastar a petista para que ela responda a processo de impeachment por crime de responsabilidade fiscal.

Por outro lado, o governo Temer está melhor do que o anterior para 20,1% dos brasileiros, e pior para 14,9%. No que se refere ao desempenho pessoal do presidente interino, 40,4% o avaliam de forma negativa, 33,8% o consideram positivo, e 25,8% não souberam opinar.

O levantamento revela também que 46,6% dos entrevistados creem que a corrupção no atual governo será igual à do governo Dilma, enquanto 28,3% acreditam que será menor, e 18,6%, maior.

Dilma e o impeachment

Os participantes foram questionados sobre o que pensam em relação ao processo de impeachment enfrentado por Dilma. Mais da metade (62,4%) considera correta a decisão de afastá-la para julgamento, que para 33% foi um erro.

Segundo 61,5%, o processo foi legítimo, e 33,3% o classificam como ilegítimo. Sobre expectativas em relação ao julgamento, 68,2% acreditam que Dilma será cassada e Temer se manterá na presidência, enquanto 25,3% acham que a petista reassumirá o cargo.

A ação que pede o afastamento de Dilma acusa a presidente de ter praticado as chamadas "pedaladas fiscais", que são atrasos no repasse de recursos a bancos públicos, por exemplo para o pagamento de programas sociais do governo, como o Bolsa Família.

Apesar disso, apenas 33,2% dos entrevistados citam as pedaladas fiscais como motivo do afastamento de Dilma. Para 44,1%, a razão é a corrupção no governo federal, e para 37,3%, é a tentativa de obstrução da Operação Lava Jato, que investiga um megaesquema de corrupção na Petrobras.

A pesquisa revela que 89,3% acompanharam ou ouviram falar da Lava Jato. Deste total, 66,9% consideram Dilma culpada pela corrupção que está sendo investigada, enquanto 71,4% acreditam que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tem culpa.

Eleições

O levantamento mostra, ainda, que a maioria da população (50,3%) acredita que a eleição para presidente marcada para 2018 deveria ser antecipada para este ano. Enquanto isso, 46,1% são contrários à realização de novas eleições.

Em caso de eleição presidencial em 2018, o ex-presidente Lula, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) e a ex-ministra Marina Silva (Rede) são favoritos para comandar o país no próximo mandato.

A pesquisa de intenção de voto espontânea para o primeiro turno mostra que 8,6% votariam em Lula, 5,7% em Aécio, 3,8% em Marina, 2,3% em Dilma, 2,1% em Temer e 2,1% no deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ). O ex-presidente petista também lidera os cenários estipulados previamente pela pesquisa, com intenções de voto que chegam a 22,3%.

No segundo turno, porém, Lula venceria apenas do atual presidente interino, que seria derrotado em qualquer cenário. Aécio, por sua vez, venceria qualquer fosse seu oponente, segundo o levantamento.

Ações prioritárias

Questionados sobre as ações governamentais consideradas prioritárias para o país, 57% dos brasileiros acreditam que o mais importante é gerar empregos. Em segundo lugar, está a melhoria da saúde pública, para 41,4%.

Segundo 30,6% dos entrevistados, o combate à corrupção é o que deve ser priorizado. A melhoria dos resultados da economia é prioridade para 24,7%, e a redução de gastos do governo, para 15,5%. Em seguida vêm a melhoria da segurança (14,8%) e as reformas necessárias ao Estado (6,8%).

A pesquisa CNT/MDA ouviu 2 mil pessoas em 137 municípios de 25 unidades federativas entre os dias 2 e 5 de junho. A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais, com 95% de nível de confiança.

EK/abr/rtr/ots

Leia mais