Macron visita Notre-Dame dois anos após incêndio | Notícias internacionais e análises | DW | 15.04.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

FRANÇA

Macron visita Notre-Dame dois anos após incêndio

Presidente francês elogiou o trabalho feito em dois anos e agradeceu aos trabalhadores no local. Compromisso de conclusão em 2024 é reafirmado pelo chefe de Estado.

Frankreich Paris | Emmanuel Macron besucht Baustelle von Notre Dame

Macron durante a visita à Notre-Dame. Trabalhos para tornar o local seguro antes da restauração estão quase concluídos

Exatamente dois anos após um incêndio na catedral mais famosa de Paris ter chocado o mundo, o presidente francês, Emmanuel Macron, visitou nesta quinta-feira (15/04) o canteiro de obras da Notre-Dame para observar o trabalho de restauração do patrimônio mundial da Unesco.

Ladeado por ministros, arquitetos e o general reformado do exército francês Jean-Louis Georgelin, que supervisiona a restauração do monumento do século 12, Macron avaliou o progresso do ambicioso projeto de reconstrução e ofereceu ao público francês a esperança de reaver o antigo cartão postal parisiense em breve.

Do telhado da catedral, agora amplamente coberto por uma complexa estrutura de andaimes, plataformas e lona, Macron olhou para o transepto danificado da catedral e agradeceu aos trabalhadores no local. "Estamos todos impressionados com o que vemos, com o trabalho realizado em dois anos", disse o presidente francês. "Bravo e obrigado."

Trabalhos de preparação quase concluídos

Mais de 700 dias depois que trabalhadores escalaram o monumento para escorar os arcobotantes da Notre-Dame, estabilizar as torres do sino e instalar centenas de sensores de movimento, o esforço para tornar o local seguro antes da restauração está quase completo.

A primeira fase do projeto foi complicada pela necessidade de remover 200 toneladas de metal retorcido depois que o fogo consumiu 40 mil peças de andaimes que haviam sido erguidas ao redor da torre no momento do incêndio.

O trabalho também foi interrompido durante o primeiro verão após o incêndio por causa de preocupações com a contaminação por chumbo e, desde então, tem sido retardado algumas vezes também pela pandemia do coronavírus.

"Estamos chegando a um momento crítico", disse o general Jean-Louis Georgelin à rádio France Inter. O trabalho de restauração, segundo ele, deverá começar antes do final de 2021.

Reabertura em 2024

Ao jornal local Le Parisien – Aujourd'hui en France, Macron também reafirmou seu compromisso, feito horas após o incêndio, de que a catedral será reconstruída dentro do prazo. "O compromisso para 2024 será mantido", afirmou.

O ano de 2024 é uma data chave para Paris, pois será quando a capital francesa irá hospedar os Jogos Olímpicos de verão.

Em 15 de abril de 2019, a catedral mundialmente famosa entrou em chamas. O fogo se espalhou pela estrutura do telhado e atingiu grandes partes do edifício medieval. A causa do incêndio ainda não foi totalmente esclarecida, com uma falha no sistema elétrico ou até mesmo a brasa de um cigarro apontadas como possíveis causas.

Com cerca de 834 milhões de euros em doações de magnatas e famílias católicas após o incêndio, o financiamento para a restauração ainda não é uma preocupação. Mas Georgelin acrescenta: "Precisamos de pessoas que continuem doando dinheiro, porque é um trabalho sem fim", disse.

A catedral Notre Dame de Paris, cenário do clássico romance O Corcunda de Notre-Dame, de Victor Hugo, costumava atrair antes do incêndio 13 milhões de visitantes todos os anos.

ip/lf (AP, Reuters, Dpa)

 

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados