1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Luiz Inácio Lula da Silva e Emmanuel Macron
Macron recebeu Lula em Paris em novembro de 2021Foto: Ricardo Stuckert/Instituto Lula

Macron diz a Lula que esperava sua vitória "com impaciência"

31 de outubro de 2022

Em telefonema, presidente da França parabeniza petista pela eleição e afirma que agora será possível "reativar uma colaboração estratégica" com o Brasil. Lula também recebe ligação de Biden e de outros líderes mundiais.

https://p.dw.com/p/4Iu9M

O presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva conversou por telefone nesta segunda-feira (31/10) com vários líderes internacionais, incluindo o presidente da França, Emmanuel Macron, e o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden.

Macron parabenizou o petista pela vitória nas eleições de domingo e disse que "esperava com impaciência" por sua eleição. "Para nós é uma excelente notícia", afirmou o líder francês no telefonema.

"Devo dizer que esperava com muita impaciência por este momento para que possamos reativar uma colaboração estratégica à altura de nossa história e dos desafios que temos pela frente", acrescentou Macron, que foi um dos primeiros líderes estrangeiros a parabenizar Lula após o resultado, ainda no domingo.

Segundo a presidência francesa, Macron e Lula falaram sobre "reativar a relação bilateral em todas as áreas", incluindo "proteção do clima e da biodiversidade".

"Estamos vivendo um dia muito feliz, porque conseguimos resgatar a democracia", disse Lula, de acordo com um vídeo publicado pelo presidente francês no Twitter.

As relações entre a França e o Brasil se estremeceram durante o governo Jair Bolsonaro. Uma violenta polêmica atingiu o líder Brasileiro e Macron em 2019, em meio aos incêndios florestais na Amazônia, cujo desmatamento bateu recordes sob Bolsonaro. Em meio a troca de farpas, o presidente ultradireitista brasileiro chegou a criticar Brigitte Macron, esposa do presidente francês, por seu aspecto físico.

Outros líderes

No dia seguinte à vitória nas urnas, Lula conversou por telefone também com o americano Joe Biden, que elogiou "a força das instituições democráticas" do país.

De acordo com um comunicado divulgado pela Casa Branca, Biden ainda ressaltou que o Brasil teve "eleições livres, justas e confiáveis".

No telefonema, os dois políticos falaram sobre a "forte relação bilateral" entre os países e se comprometeram a continuar trabalhando como parceiros em desafios comuns, "como o combate à mudança climática, a salvaguarda da segurança alimentar, a promoção da inclusão e da democracia e a gestão da migração regional", informou o governo dos EUA.

Nesta segunda, Lula também recebeu ligações do chanceler federal alemão, Olaf Scholz, do presidente de Cuba, Miguel Díaz-Canel, do primeiro-ministro e do presidente de Portugal, António Costa e Marcelo Rebelo de Sousa, respectivamente, e do secretário-geral da ONU, António Guterres.

Além das conversas telefônicas, Lula teve uma reunião presencial em São Paulo com o presidente da Argentina, Alberto Fernández, e tem um encontro marcado com o presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, segundo a presidente do PT, Gleisi Hoffmann.

ek/lf (AFP, Efe, Lusa)

Pular a seção Mais sobre este assunto
Pular a seção Conteúdo relacionado