Lava Jato pede que Lula cumpra pena no regime semiaberto | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 27.09.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Lava Jato pede que Lula cumpra pena no regime semiaberto

Procuradores de Curitiba – entre eles Deltan Dallagnol – afirmam que ex-presidente tem bom comportamento e se enquadra nos requisitos para progressão. Petista completou nesta semana um sexto da pena no caso do tríplex.

Brasilien Curitiba Ex-Präsident Lula verlässt Gefängnis für Beerdigung (Reuters/R. Buhrer)

Lula está preso em regime fechado desde 7 de abril de 2018

A força-tarefa da Operação Lava Jato em Curitiba pediu nesta sexta-feira (27/09) à Justiça que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva vá para o regime semiaberto.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva completou nesta semana um sexto da pena a que foi condenado no caso do tríplex no Guarujá, passando a ter o direito de progredir dor regime fechado para o semiaberto, onde o preso trabalha durante o dia, mas retorna a uma unidade penitenciária durante a noite. 

O pedido foi apresentado à juíza Carolina Lebbos, da 12ª Vara de Execuções Penais do Paraná. O documento é assinado por um total de 14 procuradores, entre eles o coordenador da força-tarefa, Deltan Dallagnol.

Na petição, os procuradores afirmam que foi "certificado o bom comportamento carcerário (requisito subjetivo) pelo Superintendente da Polícia Federal no Paraná e ouvida a defesa (requisito formal)'.

Segundo os procuradores, "trata-se de direito do apenado de, uma vez preenchidos os requisitos objetivos e subjetivos, passar ao cumprimento da pena no regime mais benéfico".

O pedido da força-tarefa também ocorre quando o Supremo Tribunal Federal (STF) está perto de julgar um habeas corpus apresentado pela defesa de Lula que pede a suspeição do ex-juiz Sergio Moro e a anulação da sentença imposta pelo magistrado no caso do tríplex. 

Na quinta-feira, a Lava Jato sofreu uma derrota no tribunal após a maioria dos ministrosvotar a favor de uma tese que pode anular sentenças no âmbito da operação. Diante desse cenário adverso para a operação no STF, cresceu a expectativa de que o habeas corpus de Lula seja aceito.  

Lula está preso em regime fechado desde 7 de abril de 2018. Eel foi condenado no caso do tríplex no Guarujá em primeira instância em 2017, pelo então juiz Sergio Moro, e teve sua condenação confirmada em segunda instância no ano seguinte. Ele começou a cumprir a pena em 7 de abril de 2018 na carceragem da Polícia Federal em Curitiba, onde está preso até hoje.

Em abril deste ano, o Superior Tribunal de Justiça manteve a condenação, mas reduziu a pena original de 12 anos e um mês de prisão para 8 anos, 10 meses e 20 dias.

Na última segunda-feira, quando Lula passou a ter o direito de requerer o semiaberto, sua defesa divulgou uma nota afirmando que não pretendia apresentar um pedido para mudar de regime.

O texto dizia que o ex-presidente "tem ciência do seu direito de pedir a progressão de regime e optou por não apresentar o pedido porque busca o restabelecimento de sua liberdade plena, com o reconhecimento de que foi vítima de processos corrompidos por nulidades, como a suspeição do ex-juiz Sérgio Moro".

Nesta sexta-feira, após a divulgação do pedido do MPF, a defesa de Lula soltou nova nota.

"O ex-presidente Lula deve ter sua liberdade plena restabelecida porque não praticou qualquer crime e foi condenado por meio de um processo ilegítimo e corrompido por flagrantes nulidades. Sem prejuízo disso, conversaremos novamente com Lula na próxima segunda-feira sobre o direito em questão para que ele tome a sua decisão sobre o assunto.”

Mas, independente da vontade do ex-presidente, a lei permite a progressão de regime mesmo que esse pedido não tenha sido apresentado pela defesa do preso, mas como é o caso da petição entregue pelo MPF nesta sexta-feira à juíza Lebbos. Caberá ela decidir sobre como poderá ocorrer a progressão.

A tendência é que Lula passe a cumprir pena em casa, já que não há um número de estabelecimentos penais adequados para o cumprimento do regime semiaberto.

Além da condenação no caso do tríplex, Lula ainda tem uma série de problemas legais.

Em fevereiro de 2019, o ex-presidente foi novamente condenado, a 12 anos e 11 meses de prisão, por corrupção e lavagem de dinheiro na ação penal sobre reformas realizadas num sítio em Atibaia, no interior de São Paulo. A condenação foi em primeira instância, e, portanto, a pena ainda não está sendo cumprida.

JPS/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube
App | Instagram | Newsletter

Leia mais