Israel inicia campanha de vacinação em massa | Notícias internacionais e análises | DW | 20.12.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

Israel inicia campanha de vacinação em massa

Premiê Benjamin Netanyahu foi o primeiro israelense a receber a vacina, como forma de encorajar a população. Neste domingo, presidente do país, ministros e agentes de saúde também receberam o imunizante.

Israel Benjamin Netanjahu wird gegen COVID-19 geimpft

Netanyahu foi o primeiro a receber a vacina. Neste domingo foi a vez dos agentes de saúde

Israel iniciou neste domingo (20/12) sua campanha de vacinação em massa contra o coronavírus, imunizando funcionários da área da saúde. A campanha teve início um dia com o primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, que foi o primeiro israelense a ser inoculado. Numa cerimônia pública, Netanyahu disse que queria "dar o exemplo" e "encorajar" a população.

Neste domingo, além dos primeiro agentes de saúde, a imunização também foi aplicada no presidente Reuvén Rivlin.

"Quando você vai e se vacina, você não está apenas cuidando de sua própria saúde, mas também da saúde daqueles ao seu redor", declarou Rivlin ao ser vacinado no hospital Hadassah, em Jerusalém. "Este passo ajudará a todos a voltarem ao normal, reativará a economia e aliviará parte da enorme pressão sobre o sistema de saúde", acrescentou.

Rivlin disse que as preocupações de alguns sobre o efeito das vacinas são legítimas, mas acrescentou que os imunizantes passaram por controles rigorosos e são confiáveis.

Além dos trabalhadores da saúde, espera-se que os prefeitos e outros ministros do governo também sejam imunizados hoje, informou a emissora pública de televisão Kan.

Ontem, junto com Netanyahu, foi vacinado o ministro da Saúde, Yuli Edelstein, e hoje, junto com Rivlin, também foi a vez do ministro da Fazenda, Israel Katz.

A previsão é de que amanhã também sejam disponibilizadas doses para idosos que vivem em asilos e para os funcionários desses espaços. Depois, será a vez das outras pessoas com mais de 60 anos, e então seguirão as pessoas com patologias pré-existentes. Por fim, o restante da população será imunizado, com exceção de menores de 16 anos, mulheres grávidas ou amamentando e pessoas alérgicas ou que ainda estejam se recuperando da covid-19.

Com uma população de 9 milhões de habitantes, Israel tem centenas de milhares de doses de vacina da Pfizer - entre 500 mil e 600 mil, de acordo com o jornal Haaretz - e espera receber quase 4 milhões a mais até o final deste ano.

"Acredito que nas próximas semanas teremos vacinas suficientes para vacinar pelo menos 2 milhões de cidadãos", disse hoje a diretora de Serviços de Saúde Pública do Ministério da Saúde, Sharon Alroy-Preis.

O plano de vacinação israelense exige de 60 mil a 82 mil doses por dia, embora a imprensa local tenha advertido que as dificuldades na distribuição poderiam forçar um ritmo mais lento. Além da Pfizer, Israel também tem acordos com outras farmacêuticas, incluindo a Moderna, da qual receberá 6 milhões de doses nos próximos meses.

JPS/efe/ots

Leia mais