Israel ataca suposta fábrica de armas químicas na Síria | Notícias internacionais e análises | DW | 07.09.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Israel ataca suposta fábrica de armas químicas na Síria

Segundo Exército sírio, aviões lançaram mísseis a partir do espaço aéreo libanês. ONG afirma que alvos foram instalação que produz arsenal químico e campo de armazenamento de foguetes usado por Irã e Hisbolá.

Israel Kampfjet der Luftwaffe (Getty Images/AFP/J. Guez)

Caça israelense F-35

O Exército sírio denunciou nesta quinta-feira (07/09) que aeronaves israelenses lançaram mísseis que atingiram uma infraestrutura militar localizada na província central síria de Hama, matando duas pessoas. Um grupo de monitoramento afirma que o alvo pode estar ligado à produção de armas químicas.

A agência oficial síria de notícias Sana informou que o avião "inimigo" de Israel lançou "vários mísseis" a partir do espaço aéreo libanês contra uma posição militar perto de Masiaf, a sudoeste de Hama.

O Observatório Sírio para os Direitos Humanos, ONG sediada no Reino Unido que monitora a guerra síria, disse que o ataque foi contra uma instalação do Centro de Estudos Científicos e de Pesquisa, uma agência que os Estados Unidos classificam como fabricante de armas químicas da Síria.

O ataque ocorreu um dia após investigadores da ONU terem afirmado que o governo sírio foi responsável por um bombardeio em abril em que foi usado gás venenoso sarin. Mais de 80 pessoas morreram no ataque químico, realizado na cidade de Khan Cheikhoun. O governo da Síria nega o uso de armas químicas.

O Observatório disse que os ataques israelenses também atingiram um campo militar que era usado para armazenar foguetes terra-a-terra e onde militares do Irã e combatentes de seu aliado, o grupo xiita libanês Hisbolá, foram vistos mais de uma vez. Uma porta-voz do Exército israelense não quis se pronunciar sobre o ataque na Síria.

MD/afp/rtr

Leia mais