Independência do Sudão do Sul traz esperanças de paz mas gera dúvidas | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 09.07.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Independência do Sudão do Sul traz esperanças de paz mas gera dúvidas

Em 9 de julho de 2011 a cidade de Juba torna-se a mais jovem capital do mundo. A República do Sudão do Sul declara sua independência. Contudo pairam dúvidas se essa divisão trará a esperada paz à região.

default

Independência do Sudão do Sul foi decidida em referendo popular em janeiro

O passo histórico deste 9 de julho divide em Norte e Sul aquele que até então era o maior país do continente africano. Permanecem indefinidas, no entanto, questões-chave, como a repartição das receitas do petróleo e das dívidas do Estado e, principalmente, a demarcação da fronteira. Também não se sabe ainda a quem caberá a disputada região fronteiriça de Abyei.

A indefinição levou a conflitos entre Norte e Sul, e o que muitos observadores temiam acabou acontecendo: pouco antes da independência do Sudão do Sul, tropas dos dois lados se enfrentaram em combates violentos, principalmente em regiões de fronteira como Abyei e Cordofan do Sul.

No final de maio de 2011, o governo do Norte ocupou a região de Abyei, rica em petróleo, reivindicada por ambos os lados. E embora as forças de segurança das Nações Unidas tenham decidido desmilitarizar as regiões, não se sabe ao certo se os capacetes azuis são capazes de manter o cessar-fogo.

Isto se deve ao fato de o problema serem apenas os governos de Norte e Sul, mas também os grupos étnicos Misseriya, do Norte, e Dinka-Ngok, do Sul, explica Faisal Mohamed Salih, especialista em Sudão. "Se os governos entrarem em acordo sem o consentimento dos grupos étnicos, o acordo não será implementado", adverte.

Flash-Galerie Sudan Flüchtlinge Flüchtlingscamp Militär

Milhares de pessoas migram para o Sudão do Sul com esperança e expectativa de uma vida melhor

Esperança de viver em paz

A ocupação de Abyei levou milhares de habitantes da região a se refugiarem no Sul. Além disso, estima-se que, até o final do ano, mais de 100 mil migrarão para o novo país africano. Elas vão com grandes expectativas e a esperança de poderem viver em segurança.

No entanto, o Sudão do Sul ainda não tem muito a oferecer. A infraestrutura precisa ser construída, tudo tem que começar do zero. Depois de quase 50 anos de guerra civil contra o Norte, quase não há estradas, abastecimento de água, fornecimento de energia elétrica, e muito poucos serviços são oferecidos.

Ainda assim, há esperança sobre o futuro. "O governo vai trabalhar duro para atrair investimentos estrangeiros", opina a jornalista Josephine Achiro, de Juba, capital do Sudão do Sul. Ela conhece muito bem os problemas do país, e está convencida de que a população vai cultivar a terra fértil e que, com a ajuda dos ganhos com o petróleo, "está pronta para um novo começo".

Discriminação étnica

Na região fronteiriça do Cordofan do Sul, também foram registrados conflitos violentos entre as tropas do exército norte-sudanês e os soldados do Exército de Libertação do Sul (SPLA). Na área, que pertence ao norte, vivem os grupos étnicos Nuba e Dinka, assim como diferentes grupos de origem árabe.

Karte Sudan mit Khartum und Abyei

Independência vai dividir o até então maior país da África

Os Nuba e os Dinka lutaram durante anos ao lado das forças do sul. Portanto, a desconfiança de Cartum em relação a eles é grande. "As diferenças culturais são o centro do problema, e essa região permaneceu subdesenvolvida por muito tempo", diz Kahlid Abdu Dahab, do Parlamento Pan-Africano, organização ligada à União Africana.

A discriminação racial contra grupos étnicos de pele negra é tida como causa do conflito. A injustiça tem resultado num desenvolvimento profundamente desigual nas distintas partes do país. Para entender como as coisas chegaram a esse ponto, basta observar as diferenças entre Norte e Sul, diz Josephine Achiro. "Parece que ambos os lados sempre foram separados, mesmo antes da assinatura do acordo de paz."

Paz em troca da divisão

A futura divisão das receitas do petróleo ainda é controversa. Recentemente, o presidente norte-sudanês, Omar Al-Baschir, ameaçou fechar os oleodutos, caso o acordo de distribuição existente não seja mantido.

Este prevê uma divisão meio a meio: 50% das receitas do petróleo deve fluir para o Norte, pelo uso dos oleodutos. A disposição do Sul de entregar metade de suas receitas continua a ser uma questão crucial. A situação é difícil, pois o petróleo é a única fonte de riqueza do novo país.

Enquanto isso, Norte e Sul chegaram a um acordo, segundo o qual os soldados do SPLA no Cordofan do Sul serão integrados ao exército norte-sudanês e a outras forças de segurança. O SPLA também deve atuar legalmente como partido político. Permanece em aberto até que ponto o acordo pode trazer a paz.

Mesmo norte-sudaneses como Khalid Abdu Dahab mostram-se desiludidos, pois "a população acreditava que poderia trocar a divisão do Sudão pela paz". Para ele, a situação real é diferente: "Nós perdemos parte do Sudão e não conquistamos nenhuma paz. E isso é perigoso". Um retorno à guerra seria devastador para o Sudão, obrigando ainda mais pessoas a fugirem para os países vizinhos, como o Quênia e a Etiópia.

Autora: Lina Hoffmann (ff)
Revisão: Augusto Valente

Leia mais