Governo incluirá vacina chinesa em calendário nacional de vacinação | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 20.10.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

Governo incluirá vacina chinesa em calendário nacional de vacinação

Ministério da Saúde pretende comprar 46 milhões de doses da Coronavac e iniciar imunização em todo país já em janeiro. Resultados de testes ainda são aguardados para liberação de imunizante no país.

Caixa da Coronavac

Mais de 9 mil voluntários fazem parte dos testes da Coronavac no Brasil

O Ministério da Saúde afirmou nesta terça-feira (20/10) que pretende comprar 46 milhões de doses da vacina chinesa contra o coronavírus, que está sendo testada no Brasil em parceria com o Instituto Butantan, para incluí-la no Programa Nacional de Imunizações (PNI). O governo federal investirá 2,6 bilhões de reais na compra.

Desenvolvida pela farmacêutica Sinovac, a vacina chamada Coronavac está na fase 3 de teste. Na segunda-feira, Instituto Butantan disse que resultados preliminares dos ensaios clínicos feitos no Brasil revelaram a segurança do imunizante.

A Sinovac é a primeira farmacêutica a divulgar resultados dos estudos em estágio avançado das atuais vacinas que estão sendo testadas contra a covid-19, colocando a China na liderança da corrida por um imunizante contra o coronavírus. Mais resultados que comprovem a eficácia da vacina são aguardados para a sua liberação pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Em reunião com governadores, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmou que espera começar a vacinação com a Coronavac já em janeiro, após a aprovação da Anvisa. As doses serão distribuídas em todo o país.

Com a inclusão da Coronavac no Programa Nacional de Imunizações, o governo federal pretende disponibilizar 186 milhões de doses de vacinas contra a covid-19 no primeiro semestre de 2021. Além do imunizante chinês, o ministério pretende comprar 100 milhões de doses da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford, no Reino Unido, e pela farmacêutica AstraZeneca, e 40 milhões de doses disponibilizadas pela iniciativa global Covax Facility, liderada pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

A Coronavac está sendo testada em dez países. No Brasil, os estudos começaram em 21 de julho, a partir de uma parceria da Sinovac com o Instituto Butantan. Ao todo, 5.600 dos 9 mil voluntários já receberam pelo menos uma dose da vacina, em cinco estados e no Distrito Federal.

O acordo entre o Butantan e o laboratório chinês inclui também a transferência de tecnologia e a produção da vacina se sua eficácia for comprovada.

Ao menos quatro das dez vacinas que já estão na terceira fase de testes no mundo são da China. O Brasil já aprovou testes clínicos de quatro imunizantes no país. A aprovação mais recente foi para Janssen, unidade farmacêutica da Johnson & Johnson. Em 2 de junho foi autorizado o primeiro programa de testes, da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford, no Reino Unido, e pela farmacêutica AstraZeneca.

Em 3 de julho, a Anvisa deu aval à vacina desenvolvida pela Sinovac em parceria com o Instituto Butantan. E, em 21 de julho, autorizou testes clínicos de vacinas desenvolvidas pela empresa BioNTech, da Alemanha, em parceria com a Pfizer, dos Estados Unidos.

CN/ots

Leia mais