Farmacêuticas prometem 3,5 bilhões de doses para países mais pobres | Notícias internacionais e análises | DW | 21.05.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Pandemia

Farmacêuticas prometem 3,5 bilhões de doses para países mais pobres

Pfizer, Moderna e Johnson anunciam fornecimento de imunizantes contra covid a preço baixo. UE planeja impulsionar produção de vacinas na África, e China anuncia investimentos em países mais afetados pela pandemia.

Ampolas de vacinas da Pfizer/Biontech

Segundo as farmacêuticas, as doses serão distribuídas ao longo de 2021 e 2022 a preço de custo ou preços especiais

As empresas farmacêuticas Pfizer, Moderna e Johnson & Johnson prometeram fornecer cerca de 3,5 bilhões de doses de vacinas contra a covid-19 para os países mais pobres. A quantidade será distribuída ao longo dos anos de 2021 e 2022, segundo anuncio feito nesta sexta-feira (21/05) na Cúpula Mundial da Saúde do G20.

De acordo com as farmacêuticas, as vacinas serão disponibilizadas a preço de custo ou a um preço especial para países de média e baixa renda. A farmacêutica Pfizer, que produz o imunizante desenvolvido em parceria com o laboratório alemão Biontech, pretende entregar 2 bilhões de doses de sua vacina, enquanto a Moderna prometeu até 995 milhões de doses, e a Johnson & Johnson, até 500 milhões, conforme anunciaram representantes das empresas.

Na Cúpula Mundial da Saúde, chefes de Estado e de governo dos países do G20 e representantes de organizações internacionais debatem por meio de videoconferência as lições geradas pela pandemia. A cúpula foi organizada pela Comissão Europeia e pela Itália, que atualmente preside o G20.

UE planeja iniciativa para produzir vacinas na África

Na abertura da cúpula, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, acompanhada pelo primeiro-ministro italiano, Mario Draghi, anunciou a doação pela União Europeia (UE) de 100 milhões de doses de vacinas contra a covid-19 para países com índices de desenvolvimento mais baixo.

Von der Leyen comunicou também que o bloco europeu lançará uma iniciativa para a produção de vacinas contra a covid-19 na África, com investimento previsto de 1 bilhão de euros. "Precisamos impulsionar a capacidade [de produção] em todo o mundo, e atualmente a África importa 99% de suas vacinas. Isto tem que mudar", disse Von der Leyen.

China pretende investir pesado em ajuda a países

A China também fornecerá ajuda e anunciou que investirá 3 bilhões de dólares nos próximos três anos para ajudar os países em desenvolvimento a enfrentar as consequências da pandemia, conforme anunciou o presidente chinês, Xi Jinping, nesta sexta-feira. Em seu discurso na Cúpula Mundial da Saúde, ele pediu para que o novo coronavírus não seja politizado.

"Continuando nosso apoio à solidariedade global contra a covid-19, e anuncio que a China fornecerá 3 bilhões de dólares em ajuda internacional durante os próximos três anos em forma de auxílio para a crise social e econômica nos países em desenvolvimento", disse Xi.

A ajuda financeira será somada à distribuição de cerca de 300 milhões de doses de vacinas por parte da China, afirmou. "Devemos permanecer unidos e promover a coordenação e a solidariedade e rejeitar as tentativas de politização do vírus", acrescentou.

O presidente chinês propôs também a criação de um fórum internacional visando a cooperação no desenvolvimento e na distribuição de vacinas "de forma justa e igualitária" e para trabalhar em conjunto em prol de "um futuro mais saudável para toda a humanidade".

Presidente mexicano critica armazenamento de doses

Apesar do tom benevolente das nações mais prósperas do mundo, também houve críticas. O presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, afirmou que os países mais ricos estão armazenando vacinas contra o coronavírus.

Obrador também demonstrou apoio à proposta de seu homólogo americano Joe Biden, que defendeu a suspensão das patentes das vacinas, e acrescentou que as doses deveriam chegar a todos os países "sem distinção econômica, política, social e cultural".

"Isto, infelizmente, não tem funcionado como deveria. É evidente que existe um acúmulo de vacinas em um pequeno grupo de países, enquanto a maioria tem muito poucas doses", disse Obrador.

O presidente mexicano lembrou que até agora foram aplicadas 1,556 bilhão de doses mundo afora e, enquanto 50 países concentram 96% deste montante, outros 145 países aplicaram apenas os restantes 4% de vacinas.

pv/lf (afp, efe, lusa)

Leia mais