Especialistas questionam ″diplomacia suave″ de Lula no Oriente Médio | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 18.03.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Especialistas questionam "diplomacia suave" de Lula no Oriente Médio

Qual a importância do presidente brasileiro como mediador no conflito entre comunidade internacional e Irã? "Diplomacia suave" usada na América Latina pode não funcionar no Oriente Médio, opinam especialistas.

default

Mahmoud Abbas e Lula durante conferência

A missão de Lula no Oriente Médio foi anunciada com antecedência: posicionar o Brasil como interlocutor na busca pela paz. Depois de cinco dias na região, incluindo visitas a Israel, Palestina e Jordânia, a comitiva do presidente Lula embarca de volta nesta quinta-feira (18/03) para o Brasil, dizendo-se satisfeita.

Celso Amorim, ministro brasileiro de Relações Exteriores, disse em Israel que todas as partes envolvidas desejam a mesma coisa – a garantia por parte do Irã de que seu programa nuclear seja usado de forma pacífica. "Temos confiança de que ainda é possível o diálogo", afirmou.

Em Israel, a viagem foi marcada por encontros com Shimon Peres, Benjamin Netanyahu e por um discurso no Parlamento local – no qual Lula foi aplaudido de pé. Mas estudiosos israelenses ainda duvidam se o encargo brasileiro terá sucesso.

"Ele [Lula] acredita que o Irã não é tão perigoso, demonstra interesse em falar com o país, acha que pode convencer. Não tenho certeza se essa estratégia vai funcionar com o Irã", opina Yaacov Bar-Siman-Tov, especialista em relações internacionais da Universidade Hebraica de Jerusalém.

"Diplomacia suave"

É o que o estudioso israelense chama de "diplomacia suave", mesma tática usada por Barack Obama em início de mandato com o mesmo Irã e que, segundo Bar-Siman-Tov, não trouxe avanços.

Já Günther Maihold, do Instituto de Estudos Latino Americanos da Universidade Livre de Berlim, acredita que o presidente brasileiro está tentando "exportar" a maneira de mediar conflitos, testada com os países vizinhos. "Lula está tentando aplicar o jeito brasileiro de olhar para a política e mediar o diálogo, como tem praticado na América Latina", analisa o especialista.

Ainda não é certo que o Brasil consiga de fato obter junto ao Irã um maior comprometimento perante a comunidade internacional. "É quase certeza que o Brasil, por não ser membro permanente do Conselho de Segurança da ONU, não será o país que vai representar a comunidade internacional em decisões mais difíceis", diz Maihold.

Israel Peres Brasilien Lula da Silva Jerusalem Flash-Galerie

Presidente israelense Shimon Peres e Lula em cerimônia oficial

Terreno complicado

A participação brasileira em discussões de peso é praticamente inédita no cenário internacional. No entanto, como lembra Günther Maihold, o país está entrando num terreno sensível, de conflitos profundos e polarizados – e no qual não tem experiência.

A tentativa de Israel de engajar o Brasil como parceiro dá, segundo o estudioso alemão, um novo fôlego à discussão. "Todas as partes querem colocar um novo parceiro no cenário, porque os tradicionais, como os Estados Unidos e a União Europeia, não conseguem avançar. Então quando aparece outra parte que pode oferecer uma nova possibilidade, com novas visões, isso pode ter um bom efeito para as relações internacionais."

Yaacov Bar-Siman-Tov chega a ver a situação como uma leve desconfiança. "Não tenho certeza quanto ao Brasil, mas no caso da Venezuela é certo dizer que há uma identificação com o Irã, com esse tipo de indiferença à comunidade internacional, especialmente em relação aos Estados Unidos", analisa.

O especialista não arrisca dizer se o governo brasileiro também teria alguma identificação com o Irã, mas afirma: "Não seria bom ver o Brasil nesse tipo de coalizão, com a Venezuela e o Irã do mesmo lado."

Política à moda Lula

Embora esteja em posição de destaque no cenário da política internacional, o Brasil não deve se firmar como um interlocutor de longo prazo para intermediar conflitos, acredita Günther Maihold.

"A verdadeira pergunta é: Quanto desse compromisso faz parte da política internacional brasileira ou da política internacional do Lula? Eu acho que a maior parte do que vemos atualmente é a política do Lula. O seu compromisso pessoal em trabalhar como mediador, em facilitar o diálogo está claro. No entanto, não acho que, a longo prazo, o Brasil venha a se tornar um parceiro para a resolução de questões no Oriente Médio, mas deverá assumir um papel secundário", analisa.

Apesar dessa mistura de sentimentos que envolve a passagem de Lula pelo Oriente Médio, Bar-Siman-Tov diz que a ocasião é oportuna. O especialista conta que a população israelense tem grande admiração pela figura do presidente brasileiro, por sua origem e pelo fato de "ter saído da miséria e ter feito um país crescer."

"Percebemos que o Brasil é importante na América do Sul, que está crescendo internacionalmente, que está se tornando uma superpotência e, por isso, é importante estabelecer mais contato com o Brasil", pontua Yaacov.

Autora: Nádia Pontes

Revisão: Carlos Albuquerque

Leia mais