Em visita a refugiados rohingyas, ONU recebe apelos por ajuda | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 29.04.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Em visita a refugiados rohingyas, ONU recebe apelos por ajuda

Delegação do Conselho de Segurança das Nações Unidas visita campos de refúgio em Bangladesh e conversa com membros da minoria étnica forçados a deixar Myanmar. Muitos relatam atrocidades cometidas por forças birmanesas.

UN-Delegation besucht Rohingya-Flüchtlingscamp in Bangladesch (Getty Images/AFP)

Diplomatas conversam com mulheres e crianças em campo de refugiados no sudeste de Bangladesh

Uma delegação do Conselho de Segurança das Nações Unidas visitou neste domingo (29/04) refugiados rohingyas que vivem em acampamentos na fronteira entre Bangladesh e Myanmar, descrevendo a viagem como uma oportunidade de ver a situação em primeira mão.

À equipe de diplomatas, os membros da minoria étnica muçulmana fizeram apelos emocionados para que a ONU os ajude a retornar com segurança às suas casas em Myanmar. Eles também clamaram por justiça sobre a razão pela qual foram forçados a fugir do país.

Leia também: Entenda o conflito em torno dos rohingyas em Myanmar

Myanmar tem recebido destaque internacional nos últimos meses por causa do conflito envolvendo a minoria, que segue o islã num país de maioria budista. Os militares birmaneses são acusados por diversas entidades, incluindo a ONU, de promover uma limpeza étnica contra o grupo.

Durante a visita deste domingo, a delegação das Nações Unidas aproveitou para conversar com vários dos refugiados sobre suas experiências a respeito da campanha militar, que forçou 700 mil pessoas a fugirem de Myanmar para Bangladesh.

Em depoimentos anteriores, muitos rohingyas disseram ter testemunhado assassinatos, estupros, torturas e queima de residências contra seu povo, perpetrados por forças de segurança birmanesas e multidões de civis.

"Isso nos mostra o nível do desafio, enquanto nós, como um Conselho de Segurança, tentamos encontrar um caminho que permita que essas pobres pessoas voltem para casa", afirmou a embaixadora do Reino Unido nas Nações Unidas, Karen Pierce.

Em conversas com a diplomata britânica, várias mulheres e crianças relataram aos prantos o que passaram em sua terra natal. "O triste é que não há nada que possamos fazer hoje para diminuir o sofrimento deles", disse Pierce.

UN-Delegation besucht Rohingya-Flüchtlingscamp in Bangladesch (Getty Images/AFP/S. Jahan)

No acampamento Kutupalong, refugiados levantam cartazes para receber a delegação da ONU

O embaixador da Rússia na ONU, Dmitry Polyansky, prometeu que ele e sua equipe não desviarão o olhar da crise após a visita, mas advertiu que será difícil encontrar uma saída para a questão.

"É muito necessário que venhamos e vejamos tudo o que está acontecendo aqui em Bangladesh e Myanmar. Mas não existe uma solução mágica. Não há uma varinha mágica para resolver todas essas questões", declarou o diplomata em coletiva de imprensa em um dos locais visitados.

"Situação impressionante"

A visita deste domingo ocorreu em uma série de acampamentos rohingyas localizados no sudeste de Bangladesh e em uma faixa de território não reivindicada entre as duas nações asiáticas, apelidada de "terra de ninguém".

Em um dos campos, conhecido como Kutupalong, a situação é "bastante impressionante", descreveu a vice-embaixadora dos Estados Unidos na ONU, Kelley Currie.

"O nível desse acampamento é, com certeza, diferente de tudo que eu já vi. Quando a chuva vier, será um desastre", observou a diplomata, referindo-se ao chão de terra sob as cabanas improvisadas.

Autoridades das Nações Unidas e grupos de ajuda já vêm expressado preocupação com o próximo período das monções na região asiática, que ameaça piorar a situação humanitária no local. Centenas de milhares de refugiados em Kutupalong vivem em abrigos temporários feitos de bambu e lonas, muitos em colinas íngremes e áreas de baixa altitude que podem ser inundadas.

UN-Delegation besucht Rohingya-Flüchtlingscamp in Bangladesch (Getty Images/AFP/S. Jahan)

"Queremos justiça", diz um dos cartazes durante visita da ONU em Kutupalong

Viagem da ONU à Ásia

Após a visita a Bangladesh, a delegação composta pelos cinco Estados-membros permanentes do Conselho de Segurança das Nações Unidas – China, EUA, França, Reino Unido e Rússia – e outros dez membros temporários segue para Myanmar para um encontro com a líder Aung San Suu Kyi.

Vencedora do prêmio Nobel da Paz em 1991, ela vem sendo criticada pelo Ocidente por não conseguir impedir a violência contra as minorias. As autoridades birmanesas consideram os rohingyas imigrantes bengalis de Bangladesh, embora tenham vivido no país por séculos.

A visita de três dias da delegação ainda deve incluir um voo de helicóptero sobre o estado de Rakhine, terra dos rohingyas em Myanmar, para observar os estragos causados nas aldeias durante a repressão das forças de segurança.

O Conselho de Segurança vem pedindo à maioria budista em Myanmar que permita que os refugiados retornem com segurança às suas casas, e que atue para acabar com as décadas de discriminação contra a minoria muçulmana.

Em novembro passado, os governos de Bangladesh e Myanmar assinaram um acordo para repatriar milhares de rohingyas, mas as autoridades dizem que o processo tem sofrido atrasos devido a problemas organizacionais.

EK/ap/dpa/lusa/rtr

_______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App |Instagram

Leia mais