1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Bandeira russa erguida ao lado de uma estátua de Vladimir Lenin, na principal praça de Donetsk
Bandeira russa erguida ao lado de uma estátua de Vladimir Lenin, na principal praça de DonetskFoto: Alexander Ryumin/TASS/dpa/picture alliance

Donetsk e Lugansk: um braço estendido da Rússia

Roman Goncharenko
23 de fevereiro de 2022

As cidades no leste da Ucrânia viraram destaque no noticiário mundial. Separatistas apoiados por Moscou declararam independência de Kiev em 2014. Desde então, o controle russo sobre parte da região de Donbass só cresceu.

https://p.dw.com/p/47U2A

A importância do movimento do Kremlin não deve ser subestimada: rompe completamente com o 'status quo'. Ao reconhecer a independência das áreas controladas por separatistas em Donetsk e Lugansk, no leste da Ucrânia, e, acima de tudo, ao enviar tropas russas para esses territórios, a Rússia colocou uma pedra sobre quase oito anos da existência de ambas em uma zona cinzenta: formalmente parte da Ucrânia, mas na prática sob o domínio de Moscou.

As autoproclamadas "repúblicas populares" de Donetsk e Lugansk emergiram no primeiro semestre de 2014, como resultado de protestos da oposição pró-ocidente na Ucrânia e de uma troca de liderança em Kiev. Hoje, essas áreas separatistas abrangem cerca de um terço da região de Donbass e as cidades de Donetsk e Lugansk, capitais das regiões de mesmo nome. Eram áreas muito densamente povoadas: com cerca de 6 a 7 milhões de habitantes.

Ambas as áreas foram moldadas pela indústria do carvão e do aço – mas também existem diferenças gritantes entre elas. Enquanto Lugansk era geralmente considerada a região mais pobre da Ucrânia, a cidade de Donetsk era relativamente próspera. Em 2012, foi uma das sedes da Eurocopa.

Mas desde o início do conflito, milhões de pessoas deixaram as áreas separatistas. A maioria dos civis fugiu para outras partes da Ucrânia, e centenas de milhares foram para a Rússia.

O que levou à separação?

Quase não houve esforços separatistas após o colapso da União Soviética, em 1991 – até 2004, quando a chamada Revolução Laranja anulou a vitória presidencial de Viktor Yanukovych, um político pró-Rússia e ex-governador da província de Donetsk, em meio a alegações de fraude eleitoral. Seu Partido das Regiões, cuja base de poder estava localizada no leste da Ucrânia, ameaçou se separar, mas não cumpriu a ameaça.

Yanukovych, no entanto, acabou se tornando presidente em 2010, alternando politicamente entre a Rússia e a União Europeia. Sua mudança final e abrupta em direção a Moscou desencadeou protestos da oposição entre o final de 2013 e o início de 2014, e ele fugiu para a Rússia. O Kremlin aproveitou o vácuo de poder em Kiev para anexar a Crimeia. No leste da Ucrânia, o sentimento pró-Rússia não era tão forte como na Crimeia. Em Donetsk e Lugansk, contudo, o ceticismo em relação aos novos líderes em Kiev era particularmente grande.

Alguns entenderam a fuga de Yanukovych para Moscou como uma derrota. Ainda assim, os campos pró-Rússia e pró-Ucrânia pareciam equilibrados à época: de acordo com uma pesquisa, cerca de 20% dos habitantes de Donetsk disseram estar preparados para receber as tropas russas como seus libertadores. Em torno do mesmo número queria lutar por Kiev.

No primeiro semestre de 2014, administrações de várias cidades no leste ucraniano foram ocupadas, e delegacias de polícia foram invadidas em busca de armas. A força motriz por trás disso eram cidadãos russos com aparentes ligações com os serviços secretos russos. Posteriormente, separatistas apoiados por Moscou organizaram "referendos" de independência da Ucrânia, levando à autoproclamação das chamadas "repúblicas populares".

O governo em Kiev tentou conter a insurgência, e militares ucranianos conseguiram recuperar o controle da maior parte das áreas até meados de 2014. Mas em agosto o Exército ucraniano sofreu uma derrota após ser cercado em uma batalha perto da cidade de Ilovaisk, a sudeste de Donetsk. Moscou nega até hoje o envolvimento de oficiais russos nessas hostilidades. Esse foi o último grande combate no leste da Ucrânia. Os acordos de Minsk de fevereiro de 2015 congelaram a linha de frente. Desde então, tem havido um frágil cessar-fogo entre o Exército ucraniano e os separatistas russos.

Russificação rápida, ocupação rastejante

Desde o início, ambas as regiões vivenciaram um processo rápido de "russificação". Tudo começou com a introdução de livros didáticos russos nas escolas e da moeda russa. Assessores russos supostamente ajudaram a erguer as forças separatistas, o que Moscou nega. A indústria na região sofreu significativamente como resultado da separação com Kiev. Algumas empresas foram transferidas para a Rússia. A Ucrânia rompeu todas as relações econômicas com as áreas separatistas.

Em 2019, a Rússia começou a distribuir passaportes russos aos habitantes desses territórios. Segundo as últimas informações, cerca de 800 mil ucranianos do leste teriam cidadania russa – estimados 15% a 25% da população, embora seja difícil obter dados exatos. O desejo de proteger esses "cidadãos russos" é o argumento central por trás do reconhecimento da independência das regiões separatistas pelo Kremlin.

A Ucrânia teve dificuldade em definir o status legal dessas regiões. Inicialmente, Kiev as descreveu como "organizações terroristas". Mais tarde, o Parlamento ucraniano declarou Donetsk e Lugansk como regiões ocupadas, mas a Rússia só foi nomeada potência ocupante em 2018. Sob a lei internacional, ambas continuam sendo parte da Ucrânia.

Disputa por idiomas

Há décadas, Moscou e Kiev travam uma disputa política em torno do idioma. A Rússia vem há tempos acusando o governo ucraniano de discriminar falantes de russo – o que Kiev nega. Especialmente nas cidades do leste e do sul da Ucrânia, o russo é a língua mais falada, enquanto o ucraniano ou uma mistura dos dois idiomas é predominante nas áreas mais rurais.

Dois terços da população nas regiões separatistas definem o russo como sua língua materna, de acordo com uma pesquisa realizada em 2019 pelo Centro de Estudos Internacionais e do Leste Europeu (ZOiS) de Berlim. Cerca de uma em cada três pessoas mencionaram ambas as línguas, enquanto apenas 3,5% responderam que o ucraniano é sua língua materna.

O clima atual entre a população das duas regiões pode ser apenas estimado. Segundo o estudo do ZOiS, de três anos atrás, cerca de um terço dos habitantes de Donetsk e Lugansk gostaria de conquistar autonomia dentro da Ucrânia ou da Rússia. Quase 20% queriam que as condições voltassem a ser como antes da divisão, e aproximadamente o mesmo número era a favor de se tornar parte da Rússia sem status autônomo. Contudo, não é possível verificar a precisão desses números.

Pular a seção Mais sobre este assunto
Pular a seção Conteúdo relacionado