Dificuldades para obter visto afastam acadêmicos da Europa | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 07.06.2006
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Dificuldades para obter visto afastam acadêmicos da Europa

As barreiras no caminho para a União Européia são tão elevadas que muitos estudantes e pesquisadores acabam desistindo já na primeira fase do processo: a obtenção de um visto nas representações diplomáticas européias.

default

Países da UE costumam solicitar muitos documentos para a liberação do visto

O caso da bióloga Valetina Dimitrovska, 27 anos, da Macedônia, é um exemplo. Ela foi convidada para permanecer dois anos trabalhando num centro de pesquisas na Itália. O convite e o contrato já estavam prontos. Faltava o visto.

Valentina afirma que conseguiu marcar uma entrevista na embaixada da Itália para 13 dias após a solicitação do encontro. "É necessário levar todos os papéis, cerca de 40, para provar que você não quer passar o resto da sua vida na Itália, mas que você um dia voltará para o seu país", explica.

Documentos

No prospecto da embaixada consta quais documentos são necessários para obtenção do visto: residência fixa na Macedônia, comprovante de renda dos pais, seguro de saúde e uma quantia em dinheiro geralmente alta para cidadãos de países emergentes ou em desenvolvimento. O último item costuma ser problemático para a maioria das pessoas, especialmente os jovens.

"Tive que comprovar que a minha mãe trabalha e tem dinheiro. O meu pai já é aposentado e tive que apresentar os extratos dos seus três últimos vencimentos", conta Valentina. O processo durou meses, mas ela obteve o visto.

Mudanças

Em Bruxelas, alguns parlamentares já falam em mudanças para evitar que jovens acadêmicos deixem de vir para a União Européia e optem pelos Estados Unidos ou pelo Canadá devido às dificuldades.

"São exatamente as pessoas inteligentes que um dia cansam de esperar por um visto para a União Européia e decidem ir para os Estados Unidos ou o Canadá, onde elas são desejadas e podem pesquisar e trabalhar", diz a parlamentar do partido conservador EVP Ewa Klamt.

Leia mais

  • Data 07.06.2006
  • Autoria Thomas Franke (as)
  • Imprimir Imprimir a página
  • Link permanente https://p.dw.com/p/8a23
  • Data 07.06.2006
  • Autoria Thomas Franke (as)
  • Imprimir Imprimir a página
  • Link permanente https://p.dw.com/p/8a23