Consumo de cocaína aumenta na América Latina, diz relatório da ONU | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 23.06.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Consumo de cocaína aumenta na América Latina, diz relatório da ONU

Segundo relatório divulgado pelas Nações Unidas, o consumo de cocaína e ópio está crescendo em países em desenvolvimento. Anfetaminas e drogas sintéticas também são cada dia mais consumidas.

default

A produção de heroína e cocaína diminuiu em todo o mundo, enquanto as drogas sintéticas e anfetaminas têm cada vez mais adeptos. Essa foi a conclusão do relatório anual do escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) apresentado nesta quarta-feira (23/06) em Viena.

O número de consumidores das drogas sintéticas, produzidas em laboratório, é estimado entre 30 e 40 milhões. O grupo de usuários pode em breve se tornar até mesmo maior do que o dos dependentes de ópio e cocaína, alerta o relatório.

O volume de cocaína processada também diminuiu em torno de 18%, enquanto o consumo da droga nos EUA decresce. "Uma das razões para as guerras entre narcotraficantes no México é que os cartéis da droga estão brigando por um mercado minguante", afirma Antonio Maria Costa, diretor do UNODC.

Segundo ele, isso levou à criação de novas rotas de tráfico dos países andinos, na América do Sul, para a Europa via África Ocidental.

Desmatamento para o plantio da coca

De acordo com o relatório, o número de consumidores de cocaína na Europa passou de 2 milhões a 4,1 milhões entre 1998 e 2008, ou seja, mais que duplicou em 10 anos.

Na América do Sul, regiões de mata virgem são cada vez mais utilizadas para o cultivo da coca, consta do relatório. "Os consumidores de cocaína destroem as florestas nos países andinos e desestabilizam governos na África Ocidental", relatou Costa.

O UNODC registrou uma redução na área de cultivo da coca na Colômbia, enquanto o Peru e a Bolívia aumentaram o volume da droga plantada. "Os países pobres não estão em condições de absorver as consequências de um consumo ascendente de drogas. O mundo em desenvolvimento enfrenta uma crise ameaçadora, que poderia levar milhões de pessoas à miséria em função da dependência de drogas", afirmou Costa. O consumo de cocaína aumentou na África Ocidental e América do Sul, enquanto o de heroína cresce na África Oriental.

Drogas sintéticas

Ecstasy

Drogas sintéticas em ascensão

De acordo com o relatório da ONU, os traficantes de cocaína na Europa têm um faturamento de 34 bilhões de dólares anuais. Somente nos EUA, o tráfico da substância é responsável pelo faturamento de 37 bilhões de dólares. Muitos criminosos que antes traficavam cocaína ou ópio mudaram o produto devido ao processamento relativamente barato de drogas sintéticas em laboratórios ilegais.

As fábricas de drogas ilegais costumam reagir de forma imediata à demanda do mercado, passando a produzir aquilo que é mais procurado, como o ecstasy, por exemplo, afirma o relatório do UNODC. No caso das substâncias sintéticas, a rota entre fabricante e consumidor costuma ser curta, o que dificulta ainda mais o trabalho da fiscalização.

Maconha: droga mais popular

Demonstration für freien Haschisch in Berlin

Maconha, a droga mais consumida

A maconha, de acordo com o escritório da ONU, continua sendo a droga cujo consumo é mais disseminado, sendo cultivada em praticamente todo o mundo. O UNODC parte do princípio de que 130 a 190 milhões de pessoas fumam derivados da cannabis sativa pelo menos uma vez por ano – mesmo que esse dado não seja muito relevante para demonstrar o número de dependentes reais da substância.

De acordo com o UNODC, as áreas de plantação de ópio, nos últimos dois anos, reduziram-se em todo o mundo, em quase um quarto. O volume de ópio consumido no mundo vem em sua grande maioria (90%) do Afeganistão. O UNODC supõe que no país estejam armazenadas mais de 12 mil toneladas da droga, o que corresponde à colheita de aproximadamente 2,5 anos.

SV/dpa/afp/dpa/epd

Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais