Congresso aponta excessos em novo decreto de armas | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 10.05.2019

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Congresso aponta excessos em novo decreto de armas

Pareceres da Câmara e do Senado afirmam que mudanças sobre porte assinadas por Bolsonaro ignoram legislação e não poderiam ser feitas por decreto. STF avalia constitucionalidade da medida e pede explicações ao governo.

Bolsonaro durante a cerimônia de assinatura do decreto, cercado por aliados que fizeram gestos imitando armas com as mãos

Bolsonaro durante a cerimônia de assinatura do decreto, cercado por aliados que fizeram gestos imitando armas com as mãos

Pareceres formulados por consultores da Câmara dos Deputados e do Senado, divulgados nesta sexta-feira (10/05), revelaram excessos no decreto assinado pelo presidente Jair Bolsonaro que facilita o porte de armas e afirmaram que a mudança ignorou a atual legislação.

O parecer da Câmara diz que a alteração é ilegal. Segundo os consultores da Casa, por contrariar dispositivos previstos em lei, a mudança não pode ser realizada com um decreto. O documento destaca que houve uma violação do Estatuto do Desarmamento, que estabelece as normas para o porte de armas no país. O texto questiona principalmente a ampliação do porte de armas para 20 categorias.

"A lei é clara no sentido de que deve haver a demonstração efetiva da necessidade do porte, devendo cada caso concreto ser analisado pelo órgão competente", destaca o texto. O documento questiona também a concessão sem validade de tempo do porte de armas.

O decreto assinado por Bolsonaro na terça-feira facilita o porte de armas para 20 categorias, indo de políticos com mandatos eletivos, passando por advogados, caminheiros e até jornalistas que atuem em coberturas policiais. O texto também expandiu substancialmente o limite anual de compra de cartuchos por proprietários de armas de fogo (de 50 para 1.000 ou 5.000, dependendo da classificação da arma) e facilitou a importação de armas de fogo.

Atualmente, cidadãos comuns podem requerer o porte em casos excepcionais, com a comprovação de uma justificativa plausível para a Polícia Federal, como ameaça à integridade física. Cabia ao órgão aceitar ou negar o pedido de acordo com uma avaliação.

Agora, o decreto prevê que a PF só poderá negar o pedido com "comprovação documental de que não são verdadeiros os fatos" apresentados pelo requerente ou se ele não se enquadrar em outros requisitos, como a idade mínima.

O parecer do Senado também indica que o decreto ignorou a legislação e afirma que, ao editar a norma, o presidente "extrapolou o poder regulamentar". Assim como na Câmara, os analistas da Casa consideram principalmente problemática a ampliação automática do porte de armas para 20 categorias.

"O Estatuto do Desarmamento exige um exame individualizado, pela Polícia Federal, do pleiteante à autorização de arma de fogo de uso permitido. Se não fosse assim, o decreto poderia contemplar qualquer pessoa, entidade ou categoria, presumindo, de forma absoluta, que ela necessitaria do porte de arma de fogo para o exercício da sua atividade profissional ou para a defesa da sua integridade física", ressalta o parecer.

O decreto de Bolsonaro foi questionado pelo Supremo Tribunal Federal (STF). A ministra Rosa Weber pediu nesta sexta-feira explicações ao governo sobre a mudança e deu cinco dias de prazo para receber uma resposta.

O partido Rede Sustentabilidade entrou com uma ação junto ao STF pedindo a anulação do decreto. O partido argumenta que a alteração feriu o princípio de separação de poderes e, por isso, é inconstitucional. Mudanças na legislação devem ser discutidas e aprovadas pelo Congresso.

Antes de decidir sobre a anulação do decreto, a relatora do pedido, ministra Rosa Weber, solicitou explicações do governo e também pediu informações do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro.

Segundo uma reportagem do UOL, o decreto foi anunciado antes de uma análise do Ministério da Justiça. A pasta teria tido menos de 24 horas para avaliar a mudança e em seu parecer destacou que seria impossível fazer uma análise pertinente da questão. É de praxe que o governo solicite pareceres técnicos e jurídicos aos ministérios envolvidos sobre propostas que pretende apresentar.

Depois da assinatura da alteração, Moro chegou a dizer, durante uma audiência pública na Câmara na quarta-feira, que o decreto não era parte de uma política de segurança pública e mencionou divergência entre ele e Bolsonaro sobre a questão.

"Não tem a ver com segurança pública. Foi uma decisão tomada pelo presidente em atendimento ao resultado das eleições", destacou o ministro.

Depois do pedido de explicação do STF, Bolsonaro afirmou que está agindo dentro da lei, mas que a palavra final será do Congresso ou da Justiça. "Teremos um bom embate no tocante a isso, pode ter certeza. Não estamos fazendo nada mais do que o povo quis em 2005. E estamos dentro do limite da lei. Se for inconstitucional, tem que deixar de existir", disse.

Em janeiro, Bolsonaro já havia assinado um decreto para flexibilizar a posse de armas de fogo no país.

CN/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 

WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais