Confrontos no Paquistão deixam 150 feridos | Notícias internacionais e análises | DW | 25.11.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Confrontos no Paquistão deixam 150 feridos

Operação policial para dispersar islamitas que bloqueiam estrada há 18 dias termina em violência. Grupo exige renúncia do ministro da Justiça por referência ao profeta Maomé em lei eleitoral.

default

Mais de 5.500 agentes da polícia participaram de operação para dispersar protesto

Cerca de 150 pessoas ficaram feridas neste sábado (25/11) durante uma operação das forças de segurança para dispersar um protesto de islamitas que bloqueiam há 18 dias uma das principais entradas de Islamabad, a capital do Paquistão.

A polícia local informou que 100 membros das forças de segurança ficaram feridos na operação, e o hospital Instituto de Ciências Médicas do Paquistão confirmou que recebeu 46 civis feridos.

"Os manifestantes usaram gás lacrimogêneo de qualidade superior e granadas. Como resultado, mais de 100 membros das agências de segurança ficaram feridos com gravidade", disse a polícia em comunicado, que acrescentou que pelo menos três viaturas foram queimadas.

Pakistan Proteste

Islamitas que bloqueiam estrada há quase 20 dias montaram barricadas

Ao menos 144 manifestantes foram detidos. Os confrontos entre 1.500 seguidores do clérigo Khadim Hussain Rizvi, do partido Tehreek-e-Labbaik Pakistan, e 5.500 agentes da polícia começaram no início da manhã deste sábado. "Para proteger vidas humanas, as agências de segurança suspenderam as operações por enquanto", esclareceu a polícia.

Também houve protestos em outras cidades, como em Lahore, onde manifestantes foram às ruas contra a operação policial em Islamabad.

O Ministério do Interior informou que o Exército paquistanês será alocado a Islamabad para conter os confrontos a pedido das autoridades locais.

A Autoridade Reguladora de Imprensa do Paquistão proibiu a transmissão ao vivo de imagens do protesto, e emissoras que exibiram as imagens foram tiradas do ar. Redes sociais, como Facebook e Twitter, também deixaram de funcionar.

'Caso de blasfêmia'

Os manifestantes estão acampados desde 7 de novembro na principal estrada que liga Islamabad à cidade de Rawalpindi para pedir a renúncia do ministro da Justiça, Zahid Hamid. O motivo é a aprovação no Parlamento de uma reforma na lei eleitoral, que fez referência ao profeta Maomé.  

O juramento de posse de cargos públicos foi trocado de "eu acredito" para "eu juro que Maomé é o último profeta do islã". Os islamitas exigem a renúncia de Hamid e que sejam punidos os responsáveis pela mudança na lei, ato que consideraram uma blasfêmia.

O Tehreek-i-Labaik foi criado há 18 meses após a execução de Mumtaz Qadri, condenado pela morte do antigo governador da província do Punjab. Salmaan Taseer foi morto por pedir alterações à lei e defender a cristã Asia Bibi, que aguarda na prisão o resultado do apelo da sua condenação à morte por blasfêmia.

KG/efe/lusa/afp

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Leia mais