1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Toalhas vermelhas com o rosto de Lula e a frase Vacina & Picanha & Cerveja expostas em calçada.
Expectativa de maior consumo de carne bovina aparece em materiais de apoio à candidatura de Lula, como nestas toalhas à venda em Nova IguaçuFoto: Bruno Lupion/DW

Como o "direito ao churrasco" virou tema das eleições 2022

Bruno Lupion de São Paulo
22 de setembro de 2022

Maior acesso a carne bovina, que encareceu devido à demanda chinesa, é eixo narrativo da campanha de Lula. Brasileiro vê alimento como sinal de status, e associação à fome feita pelo PT é "estratégia", diz pesquisadora.

https://www.dw.com/pt-br/como-o-direito-ao-churrasco-virou-tema-das-elei%C3%A7%C3%B5es-2022/a-63199138

O consumo de carne bovina pelos brasileiros tornou-se um assunto-chave da campanha eleitoral de 2022, ligado à alta da fome e à promessa de dias melhores. É raro assistir a um comício do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, candidato ao Planalto que lidera as pesquisas, em que ele não mencione que o povo passou a comer menos carne bovina nos últimos anos e que, se for eleito, isso vai mudar – um eixo narrativo da sua campanha, que moldou peças de propaganda e despertou reação de adversários.

A estratégia já estava delineada em maio, quando um artigo publicado no site de Lula apontava a queda do consumo de carne bovina per capita no país entre 2006 e 2022 e dizia que, no governo Jair Bolsonaro, o alimento havia virado "artigo de luxo". No final de agosto, uma das promessas feitas pelo petista na entrevista ao Jornal Nacional, da TV Globo, foi: "O povo tem que voltar a comer um churrasquinho, a comer uma picanha."

Em 8 de setembro, em comício em Nova Iguaçu (RJ), Lula disse que fazer churrasco era um "direito elementar" do povo brasileiro. Dois dias depois, em Taboão da Serra (SP), afirmou que, se eleito, iria "discutir" uma forma de controlar as exportações de carne bovina para aumentar sua disponibilidade no mercado interno e reduzir seu preço.

"Quando eu falo que a gente vai voltar a comer uma gordurinha de picanha passada na farofa, é porque nós vamos. Não é possível o Brasil ser o primeiro produtor de carne do mundo e alguém ter que ficar na fila do açougue pegando osso", disse, fazendo referência a fotos de pessoas com fome que circularam pelo país.

A promessa de aumentar o consumo de carne bovina também aparece em materiais de apoio a Lula. Uma das novidades da campanha deste ano são as toalhas impressas com os rostos dos candidatos, e uma vermelha que pode ser vista nas ruas traz a foto do petista com a frase: "Vacina & Picanha & Cerveja". Também circula no WhatsApp uma figurinha pró-Lula com o slogan: "Picanha, Cerveja & Lula 2022". 

Eleitores do petista mencionaram o tema espontaneamente em conversas com a DW durante a cobertura eleitoral.

"[No governo Lula] a gente podia comer carne. Hoje em dia a gente come carne?", questionou a atendente Bruna Lopes, de 34 anos, moradora do bairro Jardim Ângela, em São Paulo.

"[No governo Bolsonaro] a gente parou de comer carne bovina, passou a comer mais carne de porco, frango", disse a gerente de marketing Marina Albuquerque, de 33 anos, moradora do bairro Itaim Bibi, também na capital paulista.

"Tudo ficou defasado, a gente antes comprava carne e hoje a gente não compra", disse a desempregada Luciana de Oliveira, de 45 anos, em São Gonçalo (RJ).

As frequentes menções de Lula ao consumo de carne bovina provocaram reação de outros candidatos. Bolsonaro, que busca a reeleição, afirmou em um evento em São Paulo no final de agosto: "Acredita nessa conversa mole de que você vai ter tudo, 'vou passar gasolina para R$ 3, todo mundo vai comer picanha todo final de semana'? Não tem filé mignon para todo mundo." Em junho, Ciro Gomes, candidato pelo PDT ao Planalto, já havia divulgado um vídeo questionando o mote da campanha petista: "Eles levaram o Brasil para um beco sem saída e voltam, mais uma vez, prometendo picanha e cerveja", disse.

Por que a carne bovina ficou mais cara

A reclamação dos eleitores de que ficou mais caro comer carne vermelha nos últimos anos se justifica. Do início de 2012 até o final de 2019, o preço do alimento vinha evoluindo em um ritmo parecido ao da inflação geral, com pequenas oscilações. Isso começou a mudar em novembro de 2019, quando o preço da carne subiu 8,09%, e no mês seguinte registrou uma nova alta de 18,06%.

Depois desse choque, o preço da carne recuou nos próximos quatro meses, mas logo voltou a subir acima da inflação até meados de 2021. De lá para cá, o preço da carne tem acompanhado a evolução da inflação geral, como mostra o gráfico abaixo.

O descolamento da inflação da carne em relação à inflação geral foi provocado pelo aumento da demanda pelo produto na China, diz o pesquisador Thiago Bernardino de Carvalho, especialista em pecuária do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada da Escola Superior de Agricultura (Cepea-Esalq) da USP.

A China enfrentou em 2018 e 2019 um grande surto de peste suína africana, que forçou o abate de cerca de 30% do seu rebanho de porcos. Os chineses saíram à busca de proteína animal em outros países, e encontraram na carne bovina brasileira um importante substituto. Em agosto de 2019, a China tornou-se o principal destino da carne bovina de exportação do Brasil. "Em outubro de 2019, ela compra muita carne bovina nossa, e há uma quebra estrutural [no mercado interno]", diz Carvalho.

Por outro lado, a natureza do setor pecuário impede aumentos rápidos da oferta para fazer frente a picos de demanda – entre a inseminação de uma vaca até o corte do novo boi gordo são necessários no mínimo três anos. "Tem uma demanda muito forte chinesa, ela entra comprando tudo que tem pela frente, e a oferta bovina cresce devagar. Esse fatores, em conjunto, fazem com que o preço exploda", diz Carvalho. Apesar do apetite chinês, ele cita que cerca de 70% da carne bovina produzida no Brasil ainda permanece no mercado interno.

Outros fatores menos relevantes que também pressionaram o preço da carne bovina foram o pagamento do auxílio emergencial durante a pandemia de covid-19, que permitiu que brasileiros mais pobres incrementassem suas compras de supermercado, e a maior disponibilidade de recursos para comprar carne na classe média-alta, cujos gastos com vestuário e viagens caíram por conta das restrições sanitárias.

Carvalho vê poucas chances de o preço da carne bovina voltar ao patamar anterior a novembro de 2019, e diz que o cenário mais provável é o preço da carne acompanhar a inflação geral daqui para frente. Ou seja, o brasileiro deverá ter que se acostumar com os novos valores em vigor.

Questionado sobre a proposta de Lula de "discutir" as exportações de carne para garantir maior volume para o mercado interno, ele diz que a medida poderia reduzir o preço no curto prazo, mas no médio e longo prazo desestimularia os pecuaristas e provocaria queda na produção, falta de produto e inflação, com efeito na balança comercial e nas reservas internacionais. "É uma medida populista", diz, lembrando que a Argentina adotou medidas parecidas sem resultados sustentáveis.

A importância que o brasileiro dá à carne bovina

O consumo de carne bovina no Brasil foi de 24,6 quilos per capita em 2021, patamar equivalente ao de 1998, segundo dados compilados pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). O pico ocorreu em 2006, quando o consumo foi de 32,08 quilos per capita.

Apesar da queda, em termos de consumo per capita o Brasil ficou atrás no ano passado apenas da Argentina (36,9 quilos) e dos Estados Unidos (26,1 quilos), em uma lista de 35 países na base de dados da OCDE. A média dos países que integram a organização é de 14,4 quilos per capita. No México é de 8,9 quilos, no mundo, de 6,4 quilos, e na Indonésia, de 2,2 quilos per capita – números bem abaixo do padrão brasileiro.

A antropóloga Lis Blanco, especialista em antropologia da alimentação e membro da Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (Rede Penssan), afirma que o consumo de carne bovina no Brasil é enraizado culturalmente e que muitos no país entendem que uma refeição não é completa se não tiver carne – algo sem fundamento nutricional, frisa.

"A carne, por ser algo mais caro, traz uma ideia de status, mas também é vista como aquilo que dá sustância", diz, lembrando que, em muitos lugares do Brasil, carne é sinônimo de carne vermelha. "É comum, ao sair dos grandes centros urbanos, que quando se pergunta se tem algo sem carne, as pessoas oferecem alimentos como frango ou presunto", diz.

Ela observa que o Guia Alimentar para a População Brasileira, reeditado em 2014 pelo Ministério da Saúde, afirma que a carne bovina não é um alimento essencial para a dieta do ponto de vista nutritivo. 

Como o PT usa a carne bovina para mobilizar eleitores

A questão alimentar também foi central na campanha de Lula de 2002, que o levou ao Planalto pela primeira vez. Naquele ano, o mote central era fazer com que todos os brasileiros tivessem "a possibilidade de tomar café da manhã, almoçar e jantar", como ele afirmou em seu discurso de posse, em janeiro de 2003. Neste ano, o consumo de carne assumiu a dianteira da narrativa petista sobre a alimentação.

Blanco, que estudou o programa Fome Zero em seu doutorado, afirma que não há uma relação direta entre o aumento da fome e a diminuição do consumo de carne bovina, mas a associação feita pela campanha do PT é uma "jogada de marketing" e uma "estratégia de mobilização" que "unifica o país", por se tratar de um desejo alimentar difundido de Norte a Sul. "Da mesma forma que na eleição de 2002 falar sobre fome foi uma estratégia certeira para o PT ser eleito, [mencionar o consumo de carne neste ano] foi a maneira para falar sobre fome de uma maneira mais contemporânea", diz.

O próprio conceito sobre o que é considerado fome é alvo de debate entre os especialistas, e "não conseguir ter um alimento na quantidade e qualidade que você deseja, respeitando não só questões nutricionais, mas parâmetros culturais e sociais", já é um dos estágios da insegurança nutricional, diz Blanco.

Em termos de política pública, porém, ela afirma que o incentivo ao maior consumo de carne pode acabar tendo efeito contrário ao combate à fome, em uma perspectiva sistêmica – devido aos fatores ambientais e ao modelo de produção de alimentos no setor agropecuário.

"É insustentável se todos os países forem consumir carne como os Estados Unidos", diz. Além disso, ela afirma não ser possível hoje dissociar a forma de produção de carne no Brasil de uma estrutura agropecuária que envolve "degradação ambiental" para abrir pastos e "monocultura" de grãos para produzir ração animal que alimentará o gado, controlada por grandes empresas e voltada à exportação. "É o contrário do conceito de soberania alimentar da Rede Penssan, no qual a população tem o controle sobre a forma de plantar, produzir e vender", diz.

Ela afirma que não é necessário aumentar o consumo de carne para erradicar a fome, e que a maior disponibilidade do produto em si não garantiria que a população teria acesso a ele. "É aí que essa narrativa do PT de 'todo mundo vai poder comer churrasco' entra. Que todo mundo vai ter dinheiro para poder comer churrasco", diz.

Impacto no meio ambiente

A produção de carne bovina também é associada a um maior dano ambiental do que outros alimentos, devido às áreas utilizadas para pasto – um dos fatores de pressão para o desmatamento de florestas –, aos campos para produzir grãos que depois viram ração para gado, às emissões de metano pelo gado, um dos causadores do efeito estufa, e ao consumo de água pelo rebanho.

Estudos apontam que a produção de carne bovina é responsável por seis vezes mais emissões de gases de efeito estufa e precisa de 36 vezes mais solo em comparação com a produção de proteínas vegetais. Um relatório sobre o clima da ONU de 2021 apontou que a carne bovina é o alimento que mais contribui para emissões de gases do efeito estufa e desmatamento na Amazônia e no Cerrado.

Carvalho, pesquisador do Cepea-Esalq, reconhece que a produção agropecuária é associada a impacto ambiental, mas diz que muitos pecuaristas e frigoríficos vêm trabalhando para retirar de sua cadeia de produção gado vinculado a áreas de desmatamento, e que a emissão de metano poderá ser reduzida com a adição de aditivos à ração do gado.

Tema sensível na esquerda

Em função dos impactos ambientais da carne bovina e de preocupações éticas com bem-estar animal, o plano de governo da candidatura ao Planalto em 2018 de Marina Silva, ex-ministra do Meio Ambiente e que hoje apoia Lula, incluiu como uma das suas propostas estimular a adoção "de uma alimentação saudável e pacífica, incluindo a alimentação vegetariana". Mas referências à redução do consumo de carne costumam sofrer resistência no campo da esquerda e centro-esquerda, em sua maioria identificado com Lula.

Em junho, o deputado federal David Miranda (PDT-RJ) postou uma mensagem no Twitter em apoio à campanha Segunda Sem Carne, que propõe que as pessoas não comam carne às segundas-feiras para preservar o meio ambiente e a saúde – um movimento internacional iniciado em 2003.

O post recebeu dezenas de respostas críticas. Algumas delas argumentavam que fazer campanha para deixar de comer carne um dia da semana, enquanto muitos no país passavam fome, indicaria uma desconexão com a realidade do Brasil. 

"Existe essa ideia de que, por você ser da favela, você nem pensa em não comer carne [voluntariamente], já que a carne é vista como alimento de status", afirma Blanco, da Rede Penssan. Mas ela aponta que há influenciadores tentando combater esse estereótipo, como o perfil Vegano Periférico, conduzido por dois irmãos gêmeos de Campinas (SP). Eles têm mais de 340 mil seguidores no Instagram – e, apesar da campanha de Lula por mais picanha, declararam na semana passada apoio ao petista contra Bolsonaro.