″Coletes amarelos″ entram em confronto com polícia em Paris | Notícias internacionais e análises | DW | 20.04.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Europa

"Coletes amarelos" entram em confronto com polícia em Paris

Protestos na França entram no quinto mês com alusões ao incêndio de catedral. "Milhões para Notre-Dame, e para nós, os pobres?", estampava cartaz de um manifestante.

Manifestantes entraram em confronto com policiais em Paris neste sábado (20/04), que marca o 23° fim de semana de protesto do movimento dos "coletes amarelos". Os choques ocorreram após manifestantes vestidos de negro atirarem pedras na polícia. Alguns também atearam fogo em motocicletas e latas de lixo no centro da cidade.

Os agentes da lei responderam disparando gás lacrimogêneo. Até o início da tarde, pelo menos 126 pessoas foram presas, 11 mil passaram por controle de identidade, informou a promotoria de Paris. Segundo o Ministério francês do Interior, os protestos reuniram cerca de 9.600 manifestantes em todo o país, dos quais 6.700 em Paris.

Confrontos entre manifestantes coletes amarelos e polícia de Paris

Polícia teme presença, entre manifestantes, de até 2 mil elementos dispostos a semear o caos

A polícia parisiense teme que entre os manifestantes haja "um bloco radical de 1.500 a 2 mil pessoas" determinadas a semear o caos na capital. Em protestos anteriores dos "coletes amarelos", prédios foram incendiados, vitrines, estilhaçadas e lojas, saqueadas.

Desta vez, vários manifestantes fizeram alusões ao incêndio que atingiu a Catedral de Notre-Dame, na última segunda-feira. O episódio provocou uma onda de comoção nacional e levou famílias ricas da França e empresas a oferecer cerca de 1 bilhão de euros (4,4 bilhões de reais) para sua reconstrução.

"Milhões para Notre-Dame, e para nós, os pobres?" dizia um cartaz de uma manifestante neste sábado.

"Você está aqui, vendo todos esses milhões se acumulando, depois de passar cinco meses nas ruas lutando contra a injustiça social e fiscal. Isso parte meu coração", disse Ingrid Levavasseur, uma das líderes e fundadora do movimento pouco antes dos protestos deste sábado.

A capital francesa permanece em estado de alerta após o ministro do Interior, Christophe Castaner, afirmar que os serviços de inteligência alertarem sobre a presença potencial de manifestantes com a intenção de causar estragos em Paris, Toulouse, Montpellier e Bordeaux – em uma repetição de protestos violentos de 16 de março.

Policiais parisienses emprega gás lacrimogêneo contra manifestantes coletes amarelos

Policiais empregaram gás lacrimogêneo contra manifestantes

A polícia também impôs uma proibição de manifestações para a ilha fluvial Île de la Cité, onde se encontra a catedral de Notre-Dame, e para a margem esquerda adjacente do Sena.

Várias estações de metrô de Paris foram fechadas hoje e cerca de 60 mil policiais foram mobilizados em toda a França.

Os protestos dos coletes amarelos surgiram em meados de novembro, originalmente em protesto contra um aumento dos preços dos combustíveis e o crescente custo de vida. As manifestações logo se transformaram em um movimento mais amplo contra o presidente Emmanuel Macron e sua política de reformas econômicas.

JPS/AV/rt,ap,ots

_______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais