Cansados, britânicos se preparam para o Brexit | Notícias internacionais e análises | DW | 11.12.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Reino Unido

Cansados, britânicos se preparam para o Brexit

Ninguém sabe como ficará o Reino Unido depois que o período de transição terminar. Mas uma coisa é certa: o Brexit já não está mais no centro dos debates.

Homem passa em Londres por cartaz da campanha publicitária do governo britânico 'Time is running out' (O tempo está se esgotando), para que as empresas que têm negócios com a Europa se preparem para um Brexit sem acordo.

Qualquer que seja a forma que o Brexit tomar, futuro parece sombrio para muitos britânicos

A ,Estação de Trens New Street, em Birmingham, a segunda maior cidade do Reino Unido, parecia movimentada na semana passada. O segundo lockdown no país havia sido suspenso e, embora em Birmingham ainda vigorem regras estritas de combate ao coronavírus, as lojas de varejo já estavam abertas.

Enquanto as pessoas faziam fila do lado de fora, um grande grupo de manifestantes apareceu. O momento é crucial: o período de transição para a saída do Reino Unido da União Europeia terminará em três semanas e sua relação com o bloco será determinada em alguns dias. Em outros tempos, não se falaria sobre outra coisa. Mas não em 2020. O protesto era em oposição à vacinação contra a covid-19.

Chris Featherstone, pesquisador PhD da Universidade de Birmingham, acha que o medo e a fadiga são as razões pelas quais as pessoas não falam mais sobre o Brexit.

"O que eu mais ouço quando as pessoas falam sobre o Brexit é 'Eu quero que isso acabe', mesmo que eles sejam a favor da permanência ou da saída, eles querem que isso termine logo. Tivemos tantas notícias ruins sobre a covid-19 que nosso nível de tolerância foi afetado", diz ele.

Seja qual for a forma que o Brexit tomar, mesmo aqueles que votaram pela saída do Reino Unido se dizem preparados para alguns solavancos na estrada.

"Pensando nos problemas potenciais e a partir de uma perspectiva de negócios, é bastante terrível. Mas estou entre aqueles que dizem: 'essa é a decisão que tomamos.' Não vou reclamar das consequências, temos apenas que seguir em frente. Cabe ao povo britânico fazer isso funcionar", avalia Keith Rowland, gerente da indústria automotiva.

Estacionamento de caminhões pós-Brexit em Ashford, no condado de Kent, Reino Unido.

Há receios de que o porto de Felixstowe possa se assemelhar a um estacionamento de caminhões pós-Brexit, como em Kent

Diferenças regionais

Apesar dos possíveis transtornos para a economia do país, o Brexit não parece mais tão presente como estava no debate público após o referendo de 2016. Mas a localização faz a diferença.

Birmingham, onde Keith está sediado, não se parece com a segunda maior cidade de um país. Pequenas lojas de rua estão fechadas; as grandes lutam pela sobrevivência – as taxas de desemprego são altas. No entanto, Birmingham ainda não vê os efeitos diretos de um cenário sem acordo, pois está longe da fronteira europeia.

Bryony Rudkin, vice-líder de um conselho local em Ipswich, na costa leste da Inglaterra, pinta um quadro assustador. Ela mora perto de Felixstowe, o maior porto de contêineres do Reino Unido. Lá, as autoridades portuárias lidam atualmente com um pesadelo logístico: navios que não conseguem descarregar a grande quantidade encomendada de Equipamento de Proteção Individual (EPI), levando a um acúmulo de contêineres nas docas de Ipswich.

"O que se diz por aí é que a situação não vai melhorar com o Brexit e, efetivamente, seremos como [o condado de] Kent – um estacionamento de caminhões. O que se pensa sobre o Brexit depende de onde se está no Reino Unido. É meio óbvio, tão concreto como esses contêineres que nos dizem que nada vai ser muito organizado", avalia Bryony.

Bryony diz que está ciente de que as opiniões de algumas pessoas mudaram, o que também fica evidente nos resultados de 87 pesquisas compiladas pelo projeto What UK Thinks (O que pensa o Reino Unido), que indicam que a maioria teria votado pela permanência na UE. No entanto, aqueles com quem a DW conversou não mudaram de ideia.

James *, pesquisador PhD no norte da Grã-Bretanha, decidiu que não queria mais fazer parte do bloco quando o Tratado de Lisboa foi ratificado sem oferecer a opção de submetê-lo a um referendo.

"Nunca fui anti-EU, de forma alguma. Achava que a ideia de um mercado único fazia todo o sentido. Fiquei preocupado com o projeto quando a UE começou a caminhar para uma entidade supranacional que acabaria por se tornar um Estado onde vetos eram cada vez mais eliminados", conta. James acredita que o primeiro-ministro Boris Johnson poderia ser mais complacente em tópicos como a pesca, no entanto, em questões que têm a ver com lei, regulamentos e governança, ele deveria agir de maneira dura, caso contrário, o momento propício para se tornar uma nação soberana novamente será perdido.

Manifestante segura cartaz em oposição à vacinação contra a covid-19 em meio a protestos na cidade de Birmingham, no Reino Unido, em dezembro de 2020.

O Brexit já não é mais o foco principal em Birmingham

Insegurança em um Reino Unido pós-Brexit

Para a maioria das pessoas, o Brexit criou divisões na sociedade que levarão muitos anos para serem reparadas. "O Brexit como uma questão política ou ideológica, se preferirmos, tornou-se teologia. As pessoas de ambos os lados primeiro se identificam com o 'Ficar' ou com o 'Deixar' e depois como qualquer outra coisa", diz James.

Para aqueles que vêm da UE e fizeram do Reino Unido sua casa, o que virá se tornou uma questão mais pessoal devido ao impacto direto que a saída terá sobre eles.

Paula Schwever, pesquisadora hispano-alemã com doutorado na Universidade de Birmingham e que mora no Reino Unido há cinco anos, diz que o Brexit criou o medo do não pertencimento. Isso a levou a dar entrada no pedido de cidadania britânica.

"O governo está prosperando com a insegurança psicológica que criou. Se eu tiver residência, ninguém pode me classificar como sendo o outro. Se olharmos a partir de uma perspectiva econômica, Estado e cidadania tornam-se um intercâmbio econômico", diz ela, em vez de uma questão de obtenção de direitos iguais.

Charlotte Galpin, da Universidade de Birmingham, especializada em identidade europeia e euroceticismo, argumenta que o estrago foi feito em janeiro.

"A possibilidade de uma saída sem acordo será muito mais prejudicial. Mas ainda estaremos fora do mercado único, ainda teremos saído das instituições de tomada de decisão, os cidadãos britânicos terão perdido sua cidadania da UE e os cidadãos da UE, perdido a cidadania da UE no Reino Unido."

De volta a Birmingham, os folhetos antivacinação do movimento de extrema direita alt-right, as bandeiras americanas e os cartazes de Donald Trump 2024 falam por si: muitos britânicos já esqueceram o Brexit.

* Nome alterado.


Leia mais

Áudios e vídeos relacionados