Cármen Lúcia homologa delações da Odebrecht | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 30.01.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Cármen Lúcia homologa delações da Odebrecht

Presidente do STF, que assumiu responsabilidade de avaliar depoimentos após a morte do relator Teori Zavascki, torna juridicamente válidas delações de 77 executivos e ex-funcionários do grupo.

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia, homologou nesta segunda-feira (30/01) delações de 77 executivos e ex-executivos da Odebrecht sobre o esquema de corrupção na Petrobras investigado pela Operação Lava Jato.

Com a homologação, os mais de 800 depoimentos prestados se tornam válidos juridicamente, ou seja, podem ser utilizados como prova. A Procuradoria Geral da República (PGR) pode usá-los como base para mandados de busca e abertura de inquéritos, por exemplo. O STF deve manter sigilo sobre o conteúdo das delações até que sejam feitas denúncias.

Os acordos assinados no início de dezembro do ano passado incluem depoimentos do ex-presidente do grupo Marcelo Odebrecht.

Cármen Lúcia assumiu a homologação das delações depois da morte do ministro Teori Zavascki, que era o relator da Lava Jato na Corte. Ele foi vítima de um acidente aéreo em Paraty, no Rio de Janeiro, no dia 19 de janeiro. O novo relator do processo ainda não foi nomeado.

Apesar de o recesso do Judiciário acabar apenas nesta terça-feira, Cármen Lúcia homologou os documentos com base num pedido de urgência feito pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

KG/abr/ots

Leia mais