Brasil caminha realmente para a estagflação | Colunas semanais da DW Brasil | DW | 15.09.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coluna Tropiconomia

Brasil caminha realmente para a estagflação

País vive inflação na casa dos dois dígitos e alta dos juros. Além disso, a crise energética poderá encolher a economia até em 2022. E o governo não parece disposto a conter essa espiral negativa, escreve Alexander Busch

Pessoas em região de comércio em São Paulo

Pessoas em região de comércio em São Paulo

Em março, escrevi nesta coluna que o Brasil caminhava para a estagflação – estagnação econômica e inflação em alta. Desde então, a probabilidade de um cenário sem crescimento econômico e com uma grande desvalorização do real aumentou.

Os principais bancos de investimento acabaram de reduzir suas previsões de crescimento para 2022 para menos de 1%. Se de fato ocorrer uma crise energética – o que ainda não é certo –, o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil poderá até mesmo encolher no ano que vem.

Uma economia estagnada é sempre um problema. Mas, quando a inflação aumenta ao mesmo tempo, como acontece agora, isso se torna ainda mais preocupante. A inflação dos últimos 12 meses chega a quase 10%, e a inflação em agosto (0,87%) registrou o maior valor para o mês desde 2000.

O Banco Central anunciou que aumentará as taxas de juros o quanto for necessário para conter a inflação e colocá-la abaixo do teto da meta (5,25%). Portanto, é provável que a instituição aumente a taxa Selic para mais de 8% até o final do ano.

A taxa de juros no Brasil já está sendo negociada ainda mais alta nos mercados futuros. Além disso, o real não está se recuperando e continua fraco, e os custos das importações em alta também elevam os preços dos produtos nas prateleiras.

Infelizmente, o Brasil não aproveitou o vento favorável da economia global nos últimos 12 meses. O ciclo de alta dos preços das matérias-primas e energia já parece estar desacelerando novamente. Além disso, a seca e as geadas reduziram drasticamente as colheitas e as previsões de safra, especialmente de culturas como café, açúcar ou milho.

Governo não parece disposto a conter espiral negativa

Infelizmente, o governo não parece mais disposto a conter essa espiral negativa: a retórica do presidente Jair Bolsonaro contra o Poder Judiciário no Dia da Independência causou danos permanentes à economia. "Foi mal, tava doidão" – não é uma explicação suficiente para tranquilizar investidores e consumidores.

Um sinal da crescente percepção de insegurança: a taxa de poupança (relação entre poupança acumulada e o PIB), que atingiu 20,9% no segundo trimestre de 2021, não é tão alta há anos. Isso significa que aqueles que têm dinheiro, como consumidores ou investidores, não o gastam porque o futuro parece incerto.

E como a campanha eleitoral já começou, o presidente tem responsabilidade sobre esse ambiente econômico incerto. Sua única preocupação agora é sua reeleição, e ele subordina tudo a esse objetivo.

Mas a cada tentativa do governo de burlar o teto de gastos em 2022, os investidores "mandarão a conta" e cobrarão taxas de juros mais altas para financiar a dívida do governo. Como o país vai sobreviver a um ano de campanha eleitoral?

--

Há mais de 25 anos, o jornalista Alexander Busch é correspondente de América do Sul do grupo editorial Handelsblatt (que publica o semanário Wirtschaftswoche e o diário Handelsblatt) e do jornal Neue Zürcher Zeitung. Nascido em 1963, cresceu na Venezuela e estudou economia e política em Colônia e em Buenos Aires. Busch vive e trabalha em São Paulo e Salvador. É autor de vários livros sobre o Brasil. Clique aqui para ler suas colunas.

O texto reflete a opinião da autora, não necessariamente a da DW.

Leia mais