Ataques jihadistas marcam início das eleições na Nigéria | Notícias internacionais e análises | DW | 23.02.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

África

Ataques jihadistas marcam início das eleições na Nigéria

Ações foram atribuídas ao grupo Boko Haram. Mais de 70 candidatos disputam a presidência do país.

Wähler in Nigerias Hauptstadt Abuja (DW/Uwaisu A. Idris)

Eleitoras aguardando momento de votar em Abuja, a capital da Nigéria

Explosões e tiroteios atribuídos ao grupo jihadista Boko Haram no nordeste da Nigéria marcaram, neste sábado (23/02), a abertura das eleições presidenciais no país, que estão sendo realizadas com uma semana de atraso.

Apesar disso, a polícia local garante que "a segurança pública" não está em risco, segundo informou Damian Chukwu, inspetor do estado de Borno (o mais castigado pela violência do Boko Haram).

Os ataques ocorreram por volta das 6h (horário local, 2h de Brasília) - duas horas antes do início das eleições -, na cidade de Maiduguri, segundo informou o jornal Premium Times, e não há, por enquanto, informações sobre vítimas.

No resto do país, os nigerianos começaram a votar pontualmente e inclusive faziam fila antes da abertura dos colégios.

Especialistas dizem que o pleito está muito apertado para uma previsão de vencedor, e o resultado deve ser uma resposta do país às dificuldades econômicas que se acumulam desde que uma recessão passou a castigar a Nigéria em 2016.

O atual presidente e candidato à reeleição, Muhammadu Buhari, esteve entre os que escolheram votar cedo na sua cidade, Daura, no noroeste do país. Buhari, ex-ditador que acabou eleito presidente, busca um segundo mandato à frente do país mais populoso e maior produtor de petróleo da África.

Espera-se que hoje cerca de 73 milhões de pessoas (num total de 84 milhões de eleitores) participem do pleito onde 73 candidatos concorrem à presidência da Nigéria.

Buhari, de 76 anos e líder do governante Congresso de Todos os Progressistas (APC, sigla em inglês), tem como principal adversário o ex-vice-presidente e empresário Atiku Abubakar, de 72 anos, e candidato da oposição pelo Partido Democrático Popular (PDP).

O país mais populoso da África e a principal economia do continente também renovará o Senado e a Câmara dos Representantes.

As eleições estavam previstas para o último dia 16, mas a Comissão Eleitoral Independente da Nigéria (INEC, sigla em inglês) anunciou sua suspensão faltando apenas cinco horas para a abertura dos colégios.

Essa decisão provocou uma onda de descontentamento que levantou preocupações com seu possível impacto negativo na participação dos eleitores.

A segurança é outra grande preocupação, embora Buhari tenha reforçado com tropas as regiões mais sensíveis como o nordeste do país.

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais