Arquivo informa sobre soldados desaparecidos | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 28.03.2005
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Alemanha

Arquivo informa sobre soldados desaparecidos

Instituição criada em 1939 serviu para controlar a efetividade das tropas nazistas durante a guerra e até hoje ajuda filhos de soldados alemães a esclarecer destino dos pais.

Que destino se esconde por trás destas cadernetas militares?

Que destino se esconde por trás destas cadernetas militares?

"Talvez sejamos a única repartição pública que trabalha ininterruptamente desde sua criação, em 1939", diz Peter Gerhardt, vice-diretor da Deutsche Dienststelle. O departamento, dedicado à informação de familiares de soldados alemães desaparecidos ou mortos durante a Segunda Guerra, apenas mudou de nome nessas mais de seis décadas. É o sucessor da Wehrmachtauskunftstelle für Kriegerverluste und Kriegsgefangene.

Na parede de seu escritório, instalado numa antiga fábrica de munições na zona norte de Berlim, estão penduradas pinturas a óleo. Os motivos: navios de guerra da Marinha alemã. Gerhardt começou como estagiário no Arquivo da Marinha e já ocupa esta sala há mais de 40 anos.

"Os arquivos vivem", conta Gerhardt, enquanto mostra o fichário central, como é chamado o arquivo no qual estão guardadas informações sobre 18 milhões de soldados na mais estrita ordem alfabética. Cada uma das fichas nestas gavetas representa um soldado. "O fichário central é o coração da nossa repartição", conta. Cada solicitação de outros departamentos ou de parentes é registrada à mão por seus funcionários. Assim o fichário é mantido atualizado.

Filhos da ocupação procuram seus pais

Nos últimos quatro anos, as consultas feitas do exterior se multiplicaram: filhos de soldados alemães estão à procura de seus pais. "Na maioria dos casos, eles só conhecem o primeiro nome. Às vezes, também o posto que ocupavam ou a cidade onde nasceram", conta Gerhardt. "Nesse caso, a busca assemelha-se a uma consulta criminal e pode levar de seis a 12 meses." A cada mês, são feitas entre dez e 15 novas consultas, vindas de países que um dia foram ocupados pela Alemanha, como Noruega, Dinamarca, Holanda, Bélgica e França.

A causa da ausência de consultas vindas da Itália ou do Leste Europeu – regiões igualmente um dia ocupadas – permanece mera especulação. "Conversei com uma equipe de repórteres da televisão italiana. Eles disseram que a situação na Itália do pós-guerra, que se assemelhava a uma guerra civil, sobrepôs-se às lembranças do tempo da ocupação alemã. Mas também que o catolicismo seria um motivo: as viúvas e os filhos de soldados encontraram proteção nas famílias."

Já para o Leste Europeu, acredita Gerhardt, os motivos são outros. Segundo ele, questionar as origens permaneceu nesses países um ato indesejável por motivos políticos até 1990. E, caso isso mude, ainda há a questão do tempo: a maioria dos filhos desses soldados está hoje com mais de 60 anos e seus pais muitas vezes nem vivem mais.

Arquivo incentivou a guerra

O órgão de informações é um resquício da Segunda Guerra Mundial. Ele foi criado poucos dias antes do início do conflito, em 28 de agosto de 1939, e suas atividades tinham, em princípio, um caráter humanitário: no caso de guerra, a Convenção de Genebra de 1929 obrigava seus signatários a registrar os dados pessoais de todo prisioneiro e a informar a Cruz Vermelha.

1939 Einmarsch deutscher Truppen in Polen

Chegada das tropas alemãs à Polônia em 1939

Mas suas atividades acabaram servindo ao aparato nazista. Afinal, o órgão fazia o recenseamento dos próprios soldados. Cada enfermidade, cada ferimento ou desaparecimento era registrado nas fichas pessoais. Em caso de morte, os parentes eram informados. O objetivo por trás desse aspecto humanitário era, antes de tudo, controlar a efetividade das próprias tropas.

Após o fim da guerra, os Estados Unidos tiveram a intenção de destruir o arquivo, temendo que a Alemanha pudesse recompor seu Exército com a ajuda dos dados ali armazenados. Os franceses se opuseram, argumentando que o arquivo poderia ajudar a reencontrar soldados franceses forçados a lutar junto às tropas nazistas e que, por isso, acabaram aprisionados pelas forças russas. Foi decidido que o arquivo passaria ao controle francês, sendo transferido, na Berlim dividida, ao setor francês.

Arquivo cresce

Em 1949, a Grã-Bretanha entregou as fichas de seu arquivo de prisioneiros à Alemanha. A França fez o mesmo em 1952 e os Estados Unidos, em 1962. Após a reunificação da Alemanha em 1990, a repartição ficou encarregada de conferir o direito à aposentadoria de parentes de antigos soldados da República Democrática Alemã (RDA).

Sessenta anos depois, o órgão ainda lida com as conseqüências da Segunda Guerra. Com o desmantelamento do bloco soviético, foi possível obter acesso a arquivos que ajudaram a esclarecer o destino de muitos soldados desaparecidos. Nos países do bloco, diversas sepulturas foram convertidas em valas comuns. Nesses casos, o órgão informa os parentes dos mortos e atualiza as fichas do arquivo.

Organizado por país, o fichário ocupa salas inteiras em vários andares. As prateleiras vão até o teto e caminhar entre elas causa tontura. No total, estão arquivadas mais de 45 toneladas de atas com mais de 10 milhões de entradas individuais. E muitos destinos ainda aguardam para ser esclarecidos.

Leia mais

Links externos