″Sophie Scholl″ chega aos cinemas | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 24.02.2005

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Cinema

"Sophie Scholl" chega aos cinemas

Com dois Ursos de Prata no currículo – Melhor Direção para Marc Rothemund e Melhor Atriz para Julia Jentsch – o filme "Sophie Scholl – os últimos dias" deve atrair multidões para assistir à história da jovem mártir.

Ela e o irmão Hans foram detidos ao espalhar panfletos pela universidade

Ela e o irmão Hans foram detidos ao espalhar panfletos pela universidade

A Berlinale já passou, mas Sophie Scholl - Os últimos dias ainda não perdeu sua posição de destaque na mídia alemã. Nesta quinta-feira (24), o filme finalmente estréia nas salas de cinema de todo o país e o público poderá enfim conferir se a produção oferece mesmo tudo o que a crítica prometeu durante os dias de festival.

O filme de Marc Rothemund narra os últimos cinco dias de vida da jovem Sophie Scholl: estudante, ativista, membro do grupo de resistência Weisse Rose (Rosa Branca), que lotou caixas de correio principalmente do sul do país com cartas conclamando à resistência ao terror nazista.

Palavras e coragem civil

Mas tal simples descrição não chega a refletir a força do filme. Afinal, ele começa onde o movimento acaba. Sophie se reúne aos companheiros, juntos eles preparam os panfletos que ela e o irmão Hans, num heroísmo quase inocente que os expõe a todos os riscos, aceitam distribuir no prédio da Universidade de Munique. Mas a mala vazia nas mãos é um argumento suficientemente forte e os dois são detidos pela Gestapo.

Filmszene Sophie Scholl - Die letzten Tage

Diálogos com o comissário Mohr são ponto alto do filme

Aqui praticamente se esgota a ação do filme. O resto é uma bela reconstrução da luta interna que aflige Sophie Scholl durante os interrogatórios, como um ritual em que qualquer informação duvidosa pode lhes custar caro – a ela, ao irmão e aos amigos. É no duelo psicológico com o comissário Robert Mohr que Sophie mostra sua força, armada apenas de palavras e coragem civil.

"Mostramos momentos em que Sophie chora, se preocupa se sua mãe doente sobreviverá ao choque. Queríamos mostrar os conflitos internos, não o sobre-humano", disse a atriz Julia Jentsch, proclamada a cara do novo cinema alemão.

Mas a Sophie de Rothemund e Jentsch ainda tem muito de sobre-humano: momentos de falha são raros e o engajamento é uma condição permanente. "Quem quiser saber o que significa sacrificar-se por uma idéia precisa ver Julia Jentsch nesse filme", escreveu o Frankfurter Allgemeine Zeitung.

A câmera acompanha Sophie aonde quer que ela vá: da cela à sala de Mohr, ao banheiro, ao tribunal, ao último cigarro, à sala de execução. O filme é modelado para Julia Jentsch: é óbvio que ela é a estrela. O que se passa ao lado, durante o interrogatório do irmão, é uma incógnita. A partir do momento em que fica sabendo da confissão do irmão, Sophie deixa de mentir: "Eu fiz tudo... e me orgulho disso".

Documentos disponíveis pela primeira vez

Rothemund restringiu-se ao minucioso trabalho de interpretação de documentos históricos, muitos dos quais disponíveis pela primeira vez após a abertura dos arquivos secretos da República Democrática Alemã (RDA), como protocolos dos interrogatórios, o texto da sentença de morte e depoimentos de testemunhas.

Não há paradas militares, patrulhas ou outros lugares comuns, típicos em filmagens históricas do período nazista. O figurino é tão histórico quanto poderia ser atual, sem pecar por exageros estéticos. Tudo isso confere ao filme uma veracidade louvável e sacode a poeira que recobre a história.

Berlinale Silberner Bär für Julia Jentsch

Sophie á a nova queridinha do cinema alemão

O diretor também permaneceu fiel ao desenrolar temporal dos acontecimentos: a prisão de Hans e Sophie em 18 de fevereiro de 1943, sua firmeza ao resistir às pressões do comissário Mohr e recusar sua oferta para escapar da pena capital, a viagem às pressas do presidente do Tribunal Popular de Berlim, Roland Freisler, para assumir o julgamento em 22 de fevereiro em Munique e as últimas horas de Sophie até sua execução ainda no mesmo dia.

Irresponsabilidade histórica?

Mas a história que Rothemund traz às telas é freqüentemente ofuscada pela idealização da personagem. Sophie aposta apenas em suas convicções morais diante do aparato burocrático nazista. O próprio Mohr não consegue esconder sua admiração perante tal heroísmo e fidelidade aos próprios princípios. Ele próprio não é nazista convicto: seu único parâmetro é a lei, seja ou não a de Hitler, o que o livra de um envolvimento ideológico com o regime.

O processo infelizmente se repete em outros momentos, o que poderia irresponsavelmente contribuir para isentar os alemães de qualquer culpa histórica: os nazistas seriam como um mal que recaiu sobre a Alemanha e é só uma questão de tempo até que o país seja libertado.

Marc Rothemund, der Regisseur des Films Sophie Scholl - Die letzten Tage

O diretor Marc Rothemund

Mas, por mais atemporal que seja o heroísmo de Sophie Scholl, o filme consegue resgatar, 60 anos após o final da guerra, o espírito de resistência que era a marca principal da protagonista. "Não se pode anular o que já se passou. Mas pode-se criar bases que talvez possibilitem a vinda de tempos melhores", disse Alexander Held, brilhante no papel do comissário Mohr.

"Filmes como esse mostram, por um lado, o que de forma alguma pode voltar a acontecer. Por outro, nos dão coragem para tomar partido. E existem muitas situações na vida em que é aconselhável ou até essencial tomar partido."

Leia mais