1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Joe Biden
"Há muito mais trabalho a fazer, e não vou desistir de lutar contra a epidemia de violência armada", disse BidenFoto: Mandel Ngan/AFP/Getty Images
SociedadeEstados Unidos

Após massacre, Biden reafirma luta contra violência armada

5 de julho de 2022

Presidente classifica ataque em Illinois que deixou seis mortos como mais um massacre "sem sentido" e diz que há muito a fazer nos EUA contra a "epidemia de violência" e a falta de controle no acesso a armas de fogo.

https://www.dw.com/pt-br/ap%C3%B3s-massacre-biden-reafirma-luta-contra-viol%C3%AAncia-armada/a-62363726

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse nesta segunda-feira (04/07) estar "chocado" diante de mais um massacre "sem sentido" no país, após um homem abrir fogo contra uma multidão em Highland Park, no estado de Illinois. Ao menos seis pessoas morreram e 25 ficaram feridas no ataque, que ocorreu durante um desfile para celebrar o feriado americano de 4 de Julho.

Joe Biden também prometeu continuar a combater "a epidemia de violência armada" no país, e disse ter acionado as forças de segurança federais em Highland Park, um subúrbio próspero de Chicago, para ajudar na busca pelo autor da chacina. Um suspeito foi preso durante a noite após uma perseguição policial. Ele foi identificado como Robert E Crimo III, um homem branco de 22 anos.

"Jill [Biden] e eu estamos chocados com a violência armada sem sentido que mais uma vez trouxe dor a uma comunidade americana neste Dia da Independência", declarou Biden, em comunicado divulgado pela Casa Branca.

O presidente pediu ainda para os residentes de Highland Park continuarem seguindo as orientações das autoridades, e disse que ficará atento à forma como a situação evolui, especialmente os feridos que tiveram de ser hospitalizados.

O democrata Biden defendeu ainda o pacote de medidas contra a violência armada que o Senado conseguiu recentemente aprovar com o apoio de legisladores conservadores e progressistas, apesar da tradicional divisão sobre questões de controle de armas que existe entre o Partido Democrata e o pró-armamentista Partido Republicano. O presidente admitiu, contudo, que "há ainda muito a fazer".

"Há muito mais trabalho a fazer, e não vou desistir de lutar contra a epidemia de violência armada", disse Biden.

Mais tarde, durante um evento pelo Dia da Independência na Casa Branca, Biden novamente mencionou o massacre, pedindo aos participantes um momento de silêncio para as famílias das vítimas.

"Falei com o governador [de Illinois, Jay Robert Pritzker], falei com a prefeita (de Highland Park, Nancy Rotering), demos toda a ajuda que podemos dar, o FBI está lá", afirmou o presidente dos EUA. "Temos que controlar isso", acrescentou.

No mesmo dia, Pritzker alertou que os ataques com arma de fogo estavam se tornando uma "tradição americana". "Algumas pessoas dirão que hoje não é o dia, que agora não é o momento para falar sobre armas. Mas digo que não há melhor dia e melhor hora do que aqui e agora", disse o governador democrata.

O debate sobre a violência armada foi recentemente reacendido nos Estados Unidos, após a chacina numa escola em Uvalde, no Texas, na qual 19 crianças e dois professores foram mortos por um jovem de 18 anos armado com um fuzil semiautomático adquirido legalmente.

jps/lf (EFE, ots)