1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Placa da Procuradoria Geral da Alemanha em Karlsruhe, com fundo dourado, uma águia preta com detalhes em vermelho.
Segundo a Procuradoria Geral, o SVR, Serviço de Inteligência Estrangeiro da Rússia, abordou o suposto espião o mais tardar em novembro de 2019Foto: Uwe Anspach/dpa/picture alliance
CriminalidadeAlemanha

Alemanha acusa pesquisador de espionagem para a Rússia

27 de janeiro de 2022

Suposto espião era assistente de pesquisa numa universidade da Baviera e teria passado informações de tecnologia aeroespacial para serviço secreto russo.

https://www.dw.com/pt-br/alemanha-acusa-pesquisador-de-espionagem-para-a-r%C3%BAssia/a-60579210

A Procuradoria Geral da Alemanha anunciou nesta quinta-feira (27/01) ter prendido e acusado formalmente um cidadão russo de espionar para Moscou, alegando que ele passou informações do setor de tecnologia aeroespacial – especificamente sobre o foguete de lançamento espacial Ariane, da Agência Espacial Europeia (ESA)– para a inteligência russa.

Procuradores federais alemães disseram que o suspeito – identificado apenas como Ilnur N., segundo as leis de privacidade na Alemanha – trabalhou como assistente de pesquisa em uma cátedra de ciência e tecnologia de uma universidade na Baviera até 18 de junho de 2021, quando foi detido. As autoridades não divulgaram o nome da instituição de ensino.

A prisão chama atenção para atividades dos serviços secretos russos na Alemanha, num momento em que Berlim sofre pressão de aliados do Ocidente para adotar uma postura mais firme de apoio a Kiev, já que a Rússia vem movimentando tropas para a fronteira com a Ucrânia.

Segundo a Procuradoria Geral, o SVR, Serviço de Inteligência Estrangeiro da Rússia, abordou o cidadão o mais tardar em novembro de 2019. Eles acrescentaram que ele disse ao SVR que estava disposto a cooperar com o serviço.

"Os interesses da agência [de inteligência russa] focavam particularmente os vários estágios de desenvolvimento do foguete europeu de lançamento espacial Ariane e as pesquisas sobre materiais do acusado", diz declaração das autoridades.

A partir de novembro de 2019, o cidadão russo detido passou a encontrar regularmente um oficial da direção do SVR baseado na Alemanha. O suposto espião teria passado informações sobre projetos de pesquisas e recebido um total de 2.500 euros em dinheiro pelos dados fornecidos.

O indiciamento foi protocolado no Tribunal Regional de Munique no dia 9 de dezembro do ano passado. A corte agora deverá decidir se envia o caso a julgamento e quando.

Segundo relato de um portal alemão, o acusado era doutorando na Universidade de Augsburg. Sua casa e seu escritório teriam sido alvo de buscas após sua detenção.

A Alemanha é conhecida como um importante centro para operações de inteligência da Rússia. Em dezembro, um tribunal alemão concluiu que agentes russos estiveram por trás do assassinato, também em 2019, de um dissidente tchetcheno em Berlim , um ato que o juiz responsável pelo processo descreveu como "terrorismo de Estado".

rk/lf (Reuters, AP, AFP)