A queda do Muro de Berlim em 5 mil imagens | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 22.03.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Alemanha

A queda do Muro de Berlim em 5 mil imagens

Exposição em Berlim traz fotos de Robert Conrad, um fotógrafo da Alemanha Oriental que documentou o lento desaparecimento da estrutura de concreto que simbolizou a Guerra Fria.

Trecho do Muro de Berlim na estação de trem Griebnitzsee entre Potsdam Babelsberg (antiga RDA) e Berlim Zehlendorf (antiga Berlim Ocidental) mostra a faixa da morte com o muro externo à esquerda, junto de torre de vigia.

Robert Conrad tambem documentou a chamada "Faixa da Morte"

Por que Robert Conrad tirou tantas fotos da queda do Muro de Berlim? Da estrutura de concreto que foi quase completamente demolida entre 1989 e 1990, ele conseguiu capturar cerca de 5 mil imagens em apenas alguns meses. O muro foi "um tópico formativo e sombrio por toda a minha vida", explica o fotógrafo nascido na Alemanha Oriental em 1962.

Uma seleção de suas fotos históricas está em exibição até o dia 18 de abril como parte de uma exposição ao ar livre batizada de O desaparecimento do Muro. A mostra pode ser conferida na praça Steinplatz, em Berlim, local onde fica a Universidade Técnica, onde Conrad estudou história da arte e arquitetura.

Buraco em trecho do Muro de Berlim na rua Bernauer Strasse (distrito de Wedding), com a torre de TV ao fundo, em foto de janeiro de 1990.

Buraco em trecho do Muro na rua Bernauer Strasse (distrito de Wedding), com a torre de TV ao fundo

Sob a ditadura da Alemanha Oriental, Conrad não tinha autorização para cursar uma universidade por razões políticas. Mas isso não o impediu de, secretamente, tirar fotos da imensa barreira que dividia a cidade. Quando o Muro de Berlim inesperadamente caiu, em 9 de novembro de 1989, ele estava, portanto, "um tanto quanto treinado para tal projeto fotográfico", lembra.

Trabant cruzando a passagem provisória da fronteira na Potsdamer Platz (distrito de Mitte / Tiergarten), em fevereiro de 1990.

Pouco depois da queda do Muro, foi estabelecido um cruzamento provisório de fronteira na Potsdamer Platz

Talentoso e autodidata, o fotógrafo diletante capturou imagens de casas decadentes e documentou a demolição de ruas inteiras na Alemanha Oriental com sua câmera. Greifswald, sua cidade natal, no Mar Báltico, também foi afetada, assim como as cidades do lado ocidental.

População invade instalações fronteiriças do Muro de Berlim no terreno da estação de trens Nordbahnhof, em abril de 1990

Cerca de 300 torres de vigia como esta da estação de trens Nordbahnhof cercavam Berlim Ocidental

Conrad se mudou para Berlim Oriental em 1986, três anos antes da queda do Muro. Ele ansiava por uma vida na Alemanha Ocidental e chegou a se candidatar para deixar o país. Seu pedido foi aprovado para fevereiro de 1990. Àquela altura, porém, o Muro já estava aberto havia três meses.

Escondidas em arquivos

As fotos de Conrad documentam como o Muro de Berlim foi desaparecendo aos poucos da paisagem urbana: um buraco no muro, uma torre de vigia tombada ou uma estação de metrô por décadas abandonada, onde nenhum trem parava. Ele também fotografou outras áreas ao longo dos 150 quilômetros de fortificações de fronteira. "Chegou um momento em que havia milhares de fotos", diz ele sobre o material que levou décadas para ser catalogado.

Plataforma subterrânea abandonada da antiga estação de metrô Unter den Linden (hoje Brandergurger Tor), em foto tirada após a Queda do Muro de Berlim, em fevereiro de 1990.

Durante a Guerra Fria, nenhum trem parava nas chamadas estações fantasmas

Foi só depois da virada do milênio que sua coleção particular foi saindo lentamente do esquecimento, em parte graças ao Memorial do Muro de Berlim e ao Escritório de Registros da Stasi, que reconheceu o valor das fotografias e as comprou de Robert Conrad.

Torre de vigia destruída no Parque do Palácio de Babelsberg (distrito de Potsdam, antiga RDA), com o antigo cruzamento de fronteira da Ponte Glienicke ao fundo, em junho de 1990.

Uma torre de vigia tombada em 1990, com a ponte Glienicke ao fundo

O cronista do Muro é particularmente grato por projetos como esse da exposição ao ar livre, tornada possível graças a uma cooperação entre a Sociedade Robert Havemann e o bairro de Charlottenburg-Wilmersdorf, em Berlim. Com entrada gratuita, a mostra é particularmente apreciada durante este período de restrições aos museus.

'Estilo frio e sombrio'

A principal preocupação de Conrad sempre foi "mostrar essa monstruosidade em uma série infinita de fotos". Como historiador de arquitetura, ele sempre se interessou pela história da estrutura, referida pelo regime da Alemanha Oriental como "muro de proteção antifascista". Na realidade, porém, seu único propósito era literalmente bloquear o caminho para a liberdade dos alemães orientais.

Vista do Muro de Berlim, com cerca fronteiriça e torres de vigia na chamada Faixa da Morte

Vista do muro interno, com cerca fronteiriça e torres de vigia na chamada "Faixa da Morte"

E, no entanto, como fotógrafo, Conrad nunca hesitou em "capturar as qualidades visuais da arquitetura com uma certa ambição estética" ao olhar para o Muro. Conrad não esconde um certo fascínio por esse colosso arquitetônico da Guerra Fria. Apesar de desaprová-lo pessoalmente, de um ponto de vista profissional ele se sentia atraído por esse "estilo sombrio e frio".

Trecho do Muro de Berlim após sua queda

Após a Queda do Muro, é assim que ficaram algumas áreas ao longo da antiga barreira de concreto

Mesmo assim, o fotógrafo descreve a estrutura que separou os alemães orientais e ocidentais por 28 anos como "arquitetura em sua forma mais violenta".

Quando o Muro caiu, Conrad fotografou os desdobramentos desse acontecimento histórico por motivações meramente particulares. Hoje, as fotos estão disponíveis para todos. O Desaparecimento do Muro, com textos em alemão e inglês, foi concebido como uma exposição itinerante que deverá sair em turnê a partir de Berlim.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados