Zambézia: Faltar à escola por não ter cadeira de rodas | Moçambique | DW | 18.03.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Zambézia: Faltar à escola por não ter cadeira de rodas

Em Namacurra, na província da Zambézia, Moçambique, uma criança de 9 anos não pode ir à escola, porque a sua cadeira de rodas avariou. A avó já pediu ajuda, mas ainda não há resposta das autoridades comunitárias.

Anastácia Benjamin (DW/M. Mueia)

Anastácia Benjamin

Anastácia Benjamim não pode ir à escola. A menor de nove anos nasceu com deficiência motora. É órfã de pais e vive com a avó no distrito de Namacurra, na província da Zambézia, centro de Moçambique.

Costumava ir à escola de cadeira de rodas, mas a cadeira avariou no final do ano passado. A avó Beatriz Benjamim, de 52 anos, chegou a carregá-la ao colo ao longo de 800 metros, para a neta não faltar às aulas, mas teve de parar, por problemas de saúde.

Mosambik Menschen mit Behinderungen Beatriz Benjamin (DW/M. Mueia)

Depois da morte dos pais de Anastácia Benjamin, é a sua avó Beatriz Benjamin que cuida da criança

Anastácia passa agora os dias em casa. "É a minha neta. Tem 9 anos. Ela está aflita. Se houvesse uma cadeira, facilitaria a sua deslocação atá à escola", diz Beatriz Benjamim.

A cadeira de rodas, agora avariada, tinha sido oferecida por uma moradora de Namacurra, que um dia passou pela rua de Anastácia Benjamim e resolveu ajudar a família.

"A cadeira que teve foi cedida por uma senhora que esteve de passagem por casa no dia 22 de abril de 2016, sentiu pena pela criança, e mais tarde veio a oferecer a cadeira de rodas", conta uma das tias da menor, Paulina Foi

Família pede ajuda

A família não tem dinheiro para comprar uma cadeira nova. A avó de Anastácia Benjamim pede ajuda, para comprar uma cadeira o mais rápido possível, para que a neta volte às aulas.

O líder comunitário Caetano Armindo diz que as autoridades locais já têm conhecimento da situação. E pede uma solução para breve, porque não há forma de carregar a menor ao colo até à escola todos os dias. Sobretudo, com a chuva: "No tempo de sol, mesmo com a carrinha avariada, as pessoas arrastavam-na até à escola, mas agora que a chuva intensa caiu, mesmo aqueles que carregavam já não podem carregar porque a terra está a reclamar..."

A DW África tentou contactar a direção da escola de Anastácia Benjamim, mas não conseguiu obter uma reação.

Leia mais