Universidades angolanas sem aulas por uma semana devido às eleições gerais | Angola | DW | 20.08.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Universidades angolanas sem aulas por uma semana devido às eleições gerais

Governo informou que está prevista a participação de professores, alunos e funcionários no processo eleitoral. Além disso, infraestruturas das universidades devem ser utilizadas como assembleias de voto.

default

Universidade Agostinho Neto, em Luanda

Entre os dias 21 e 25 de agosto, as universidades públicas e privadas em Angola vão suspender as atividades académicas devido à realização das eleições gerais, agendadas para quarta-feira, 23 de agosto.

A decisão foi tomada pelo Ministério do Ensino Superior, conforme comunicado enviado a todas as instituições de ensino superior do país, ao qual a agência de notícias Lusa teve acesso este domingo (20.08), orientando uma pausa académica extraordinária de uma semana.

Segundo o comunicado, está "prevista a participação de docentes, discentes e funcionários administrativo" no processo eleitoral.

A decisão, confirmada pelo ministro António Miguel André, refere que está igualmente prevista a "ocupação de algumas estruturas pertencentes às instituições de ensino superior no referido escrutínio", conforme orientação da Comissão Nacional Eleitoral.

Mais de 240 mil alunos frequentam o ensino superior nas universidades públicas e privadas que cobrem praticamente a totalidade das 18 províncias do país.

Eleições gerais em Angola

Nas eleições gerais de 23 de agosto, concorrem o Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), Convergência Ampla de Salvação de Angola - Coligação Eleitoral (CASA-CE), Partido de Renovação Social (PRS), Frente Nacional de Libertação de Angola (FNLA) e Aliança Patriótica Nacional (APN).

A Comissão Nacional Eleitoral de Angola constituiu 12.512 assembleias de voto, que incluem 25.873 mesas de voto, algumas a serem instaladas em escolas e em tendas por todo o país, com o escrutínio centralizado nas capitais de província e em Luanda, estando 9.317.294 eleitores em condições de votar.

A Constituição angolana aprovada em 2010 prevê a realização de eleições gerais a cada cinco anos, elegendo 130 deputados pelo círculo nacional e mais cinco deputados pelos círculos eleitorais de cada uma das 18 províncias do país (total de 90).

O cabeça-de-lista pelo círculo nacional do partido ou coligação de partidos mais votado é automaticamente eleito Presidente da República e chefe do executivo, conforme define a Constituição, moldes em que já decorreram as eleições gerais de 2012.

Leia mais