UNITA exige pedido de desculpa de João Lourenço | Angola | DW | 23.03.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

UNITA exige pedido de desculpa de João Lourenço

Oposição angolana critica declarações do candidato à presidência do país. João Lourenço falou, em Maputo, das tentativas dos “malandros” da oposição para derrubar governos do MPLA, em Angola, e da FRELIMO, em Moçambique.

Angola Feier der MPLA João Lourenço (Getty Images/AFP)

João Lourenço, candidato do MPLA às eleições gerais em Angola

As declarações de João Lourenço foram feitas em Moçambique, durante uma visita ao país (19.03). O candidato pelo Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) às eleições deste ano em Angola, citado pela imprensa de Maputo, referiu-se às tentativas para derrubar os governos do MPLA e da Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO) pelos "malandros” da oposição.

"A força está na nossa unidade. Se não formos unidos, os malandros vão-nos vencer. Os malandros estão unidos. Quer os de dentro, quer os de fora, estão unidos e não dormem. Andam todos os dias a pensar na forma como derrubar a FRELIMO e na forma de derrubar o MLPA”, afirmou João Lourenço.

"Discurso infeliz”, diz UNITA

Angola Alcides Sakala Sprecher Oppositionspartei UNITA

Alcides Sakala, porta-voz da UNITA

As declarações do ainda ministro da Defesa de Angola, levaram a União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA) a considerar que o candidato do MPLA às eleições gerais, não está à altura para dirigir os destinos de Angola e dos angolanos.

À DW África, o porta-voz do partido do Galo Negro, Alcides Sakala, afirma que, se o MPLA não "controlar” o seu candidato, este poderá pôr em causa os esforços do processo de paz e da reconciliação nacional.

"É um discurso infeliz de alguém que não entendeu ainda muito bem qual é o alcance do processo ou dos processos democráticos. Condenamos nos termos mais enérgicos esta tomada de posição do MPLA, porque entendemos que o cabeça de lista do MPLA fala em nome do seu partido. É nesta perspetiva que a UNITA condena. E que no fundo também é um incitamento aos atos de intolerância política.”

CASA-CE: "Malandrecos são quase o ar que ele próprio respira”

Lindo Bernardo Tito, CASA-CE in Angola (DW/N.S. D'Angola)

Lindo Bernardo Tito, vice-presidente da CASA-CE

A Convergência Ampla de Salvação de Angola - Coligação Eleitoral (CASA-CE), a terceira força parlamentar do país, liderado por Abel Chivukuvuku, na voz do seu vice-presidente, também condenou as palavras do candidato do MPLA à presidência de Angola.

Lindo Bernardo Tito considera que João Lourenço está a dormir à sombra do monopartidarismo.

"Ele esqueceu-se, claramente, que no seu próprio partido e no Executivo de que faz parte, enquanto ministro da Defesa, existem muitos malandros. Ele não invocou os malandros que fizeram falir o BESA . Ele não evocou os malandros que foram denunciados pela SIC. Ele não evocou os malandros que ficam com o dinheiro de estradas mal feitas. Era só o senhor João Lourenço ver que os malandros, os malandrões e os malandrecos são quase o ar que ele próprio respira”, afirma.

Exigência de um pedido de desculpa

Ouvir o áudio 03:03
Ao vivo agora
03:03 min

UNITA exige pedido de desculpa de João Lourenço

Face às declarações de João Lourenço, o porta-voz do principal partido na oposição, Alcides Sakala, considera que “devia mesmo pedir desculpa à nação angolana”.

“Angola precisa de um discurso mais tranquilizador. Um discurso reconciliador. Um discurso que nos permita trabalhar todos juntos para o aprofundamento da democracia em Angola”, afirma.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados