Twitter bloqueia conta de Trump permanentemente | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 09.01.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Twitter bloqueia conta de Trump permanentemente

O Twitter anunciou nesta sexta-feira (8.1) que bloqueou permanentemente a conta de Donald Trump na rede social diante do "risco de uma maior incitação à violência". Presidente dos EUA estuda criar plataforma própria.

USA Symbolbild Trump Twitter

A conta de Donald Trump do Twitter.

A conta pessoal de Trump na rede social Twitter, @realDonaldTrump, que tem sido uma de suas mais poderosas ferramentas de comunicação nos últimos quatro anos, apareceu em branco, sem sequer as fotos de perfil, e com a mensagem "conta suspensa".

"Após uma revisão completa dos recentes tweets na conta @realDonaldTrump e o contexto que os cerca, suspendemos permanentemente a conta devido ao risco de mais incitação à violência", disse o Twitter em comunicado divulgado em seu blog oficial.

A rede social já havia suspendido temporariamente a conta de Trump por 12 horas na quarta-feira (6.1), depois que o Presidente justificou em um tweet a invasão do Capitólio por seus apoiadores, que resultou em cinco mortes, pelo menos 13 policiais feridos e vandalismo na sede do Poder Legislativo americano.

Twitter: Konto von US-Präsident Trump dauerhaft gesperrt

A conta no Twitter do Presidente cessante dos EUA, Donald Trump, permanentemente bloqueada.

Violação das regras do Twitter

"Deixamos claro na quarta-feira que qualquer violação adicional das regras do Twitter resultaria potencialmente nesta mesma ação", acrescenta a nota.

Entretanto, após recuperar a sua conta, Trump divulgou um vídeo na quinta-feira (7.1) condenando a invasão e reconhecendo a derrota nas eleições de novembro, e nesta sexta-feira (8.1) postou mais duas mensagens. Foram esses dois tweets que levaram à decisão de remover permanentemente a conta de Trump, depois de a rede social concluir que elas violaram sua política contra a glorificação da violência.

No primeiro desses tweets, Trump declarou: "Os 75.000.000 grandes patriotas americanos que votaram em mim, Eu primeiro e a tornar os EUA grandes de novo. Terão uma VOZ GIGANTE no futuro", escreveu.

"Eles não serão desrespeitados ou tratados injustamente de nenhum modo, maneira ou forma!", acrescentou. No segundo tweet, o presidente cessante anunciou: "A todos aqueles que me pediram, não participarei da posse no dia 20 de janeiro", referindo-se à posse do presidente eleito, Joe Biden.

"Transição ordeira"

US-Präsident Donald Trump

Donald Trump, Presidente cessante dos EUA.

O Twitter disse que o anúncio de que ele não comparecerá à posse "está a ser recebido por muitos de seus seguidores como confirmação de que a eleição não foi legítima e como uma volta atrás em seu compromisso anterior" com uma "transição ordeira" em 20 de janeiro.

Além disso, o tweet "também pode servir como alento para aqueles que possam estar considerando atos violentos (ao deixar claro) que a posse seria um alvo 'seguro', porque ele não estará presente", acrescentou a rede.

A referida rede social apontou que planos para futuros protestos armados, incluindo uma proposta para um segundo ataque ao Capitólio dos EUA e a prédios legislativos estaduais em 17 de janeiro já começaram a se espalhar, tanto dentro como fora do Twitter.

"O uso das palavras 'patriotas americanos' (no primeiro tweet) para descrever alguns de seus seguidores também está sendo interpretado (na rede) como apoio àqueles que cometeram violência no Capitólio", acrescenta o comunicado.

Por fim, o Twitter alega que a promessa de que os apoiadores de Trump terão uma "voz gigante no futuro" e que "não serão desrespeitados" está sendo assumida nas redes como um sinal de que Trump "não planeja facilitar uma 'transição ordeira", mas sim continuar "a apoiar, fortalecer e proteger aqueles que acreditam que ele ganhou a eleição".

"Plataforma própria"

Entretanto, em reação, o Presidente cessante dos Estados Unidos condenou a decisão dessa rede social de suspender permanentemente a sua conta e disse estar a estudar a criação de uma plataforma própria para difundir mensagens sem filtros.

"Calaram-me a mim e a vós, os 75 milhões de grandes patriotas que votaram em mim", declarou Donald Trump nesta sexta-feira (8.1), numa mensagem na conta da Presidência dos Estados Unidos no Twitter (@POTUS).  A mensagem, contudo, deixou de estar visível quase imediatamente após a publicação, mas a Casa Branca distribuiu também um comunicado. 

Donald Trump recorreu à conta da Presidência dos Estados Unidos depois de o Twitter ter suspendido a conta pessoal (@realDonaldTRump) permanentemente na sexta-feira, dois dias após o ataque ao Capitólio pelos apoiantes do republicano, devido ao risco "de um novo incitamento à violência". 

A decisão do Twitter não é única, com as redes sociais Facebook e Instagram a bloquearem o acesso de Trump às contas pelo menos até à investidura de Biden. Já o Twitch e Snapchat desativaram as contas indefinidamente. 

Muitos apoiantes de Trump difundem cada vez menos mensagens no Twitter e cada vez mais numa rede social alternativa recentemente criada, chamada Parler, cuja aplicação foi já eliminada da loja virtual do Google, na sequência da invasão do Capitólio.

EUA: Invasão ao Capitólio evidencia "fragilidade da democracia ocidental"

Leia mais