Três greves em Angola: Sindicato ameaça avançar para paralisação geral no país | Angola | DW | 21.03.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Três greves em Angola: Sindicato ameaça avançar para paralisação geral no país

Médicos, funcionários judiciais e professores universitários estão em greve em Angola. Pedem salários mais altos e melhores condições de trabalho. Sindicato ameaça avançar para paralisação geral.

Os médicos do Hospital Pediátrico de Luanda pedem a contratação de mais técnicos para dar resposta ao elevado número de pacientes em listas de espera.

"Temos défice de médicos. Há muita enchente para o número de médicos que temos, sem falar das condições que faltam no nosso banco de urgência", lamenta a pediatra Creusa Janota.

O Governo não cumpriu com a totalidade do acordo que assinou com a classe em dezembro de 2021. O único ponto do caderno reivindicativo atendido até aqui foi o reenquadramento do presidente do Sindicato Nacional dos Médicos de Angola (SINMEA), Adriano Manuel. Os pontos sobre o reajuste salarial, concurso público de admissão de novos técnicos e maior financiamento das unidades de saúde não foram cumpridos pelo Governo de João Lourenço, três meses depois das negociações.

"Prometeram que sairíamos da carreira especial para o regime especial, mas isso também não foi resolvido. Em suma, ficou muita coisa por resolver", diz Pedro Filho, membro do SINMEA.

"Estamos dispostos a trabalhar e a fazer a nossa parte. Por isso, [pedimos] que os órgãos competentes façam também o seu trabalho. Essa é a nossa vontade. Quanto mais cedo se resolver isso, mais depressa voltaremos ao trabalho", apelou o pediatra angolano, que exige mais "respeito" e "dignidade" para a profissão.

Angola Luanda Streiks im Öffentlichen Dienst

Trabalhadores judiciais do Tribunal Supremo pedem equiparação salarial com os demais tribunais do país

Três greves em curso

Neste momento, existem três greves em curso que afetam três setores distintos em Angola. Para além dos médicos, os professores das universidades públicas deixaram de dar aulas e os funcionários do Tribunal Supremo abandonaram as audiências.

Esta segunda-feira (21.03), em Luanda, numa das entradas da Cidade Alta, perímetro da Presidência da República, ouviam-se palavras de ordem - "Não há justiça na injustiça!".

Desde 2017 que os trabalhadores judiciais do Tribunal Supremo clamam pela equiparação salarial com os demais tribunais superiores do país. A greve decretada no sábado (19.03) só será levantada no próximo dia 1 de abril. No entanto, caso não haja solução, já se fala numa nova paralisação entre os dias 18 e 29 de abril.

"É injusto que um funcionário do Tribunal Constitucional, um funcionário do Tribunal Supremo Militar e um funcionário do Tribunal de Contas ganhem três vezes mais do que um funcionário do Tribunal Supremo. É injusto, quando, nos termos da Constituição, é um tribunal superior", afirma Domingos Feca, coordenador da Comissão de Instalação do Sindicato dos Funcionários Judiciais do Tribunal Supremo.

Domingos Feca acusa as autoridades angolanas de falta de vontade para resolver o problema. "A dada altura, não somos uma prioridade. Não se justifica, mas acabamos por não ser prioridade. Mas vemos as outras instituições serem priorizadas. Infelizmente, com tristeza, temos que voltar à greve", reitera.

Angola Luanda Streiks im Öffentlichen Dienst

Domingos Feca, da Comissão de Instalação do Sindicato dos Funcionários Judiciais do Tribunal Supremo

Falta de financiamento só afeta alguns setores

O líder da Central Geral de Sindicatos Independentes e Livres de Angola (CGSILA), Francisco Jacinto, refere que as greves resultam da insensibilidade do Governo em relação aos problemas da classe trabalhista.

"Temos dinheiro para levar delegações de 40 a 100 pessoas para o exterior do país, para gastarem nos hotéis, e não há resultados, mas não há dinheiro para pagar aquele que está a formar o homem, que cria o futuro do país", lamenta.

O sindicalista adianta à DW que poderão ser decretadas mais greves em ano de eleições gerais, sendo que as federações sindicais já trabalham para uma paralisação geral no país.

"Temos alertado que essas são greves setoriais que vão culminar com as federações, que brevemente tomarão medidas muito fortes sobre esta situação", avançou o secretário-geral da CGSILA.

Angola: Médicos ameaçam com greve nacional

Leia mais