Sudão do Sul tem novo movimento de oposição ao regime de Salva Kiir | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 10.04.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Sudão do Sul tem novo movimento de oposição ao regime de Salva Kiir

Ex-chefe militar acusado de massacre de rebeldes promete democracia, desenvolvimento e paz com a Frente Unida do Sudão do Sul. Mas analista ouvido pela DW África afirma que este discurso é contraditório.

Salva Kiir (esq.) com o então chefe do Exército, Paul Malong (dir.), em 2015

Salva Kiir (esq.) com o então chefe do Exército, Paul Malong (dir.), em 2015

O Sudão do Sul tem agora mais um movimento de oposição ao regime do Presidente Salva Kiir. Trata-se da Frente Unida do Sudão do Sul, anunciada esta segunda-feira (09.04) pelo ex-chefe do Exército sul-sudanês Paul Malong, que diz querer acabar com a "carnificina" e levar o país rumo à democracia e ao desenvolvimento. O movimento pretende participar das futuras negociações de paz.

Num comunicado, Paul Malong classifica o seu movimento como "um apelo justo e urgente, uma luta para, em primeiro lugar, interromper a carnificina da guerra civil e, em segundo lugar, conduzir o país à democracia e ao desenvolvimento".

O ex-chefe militar descreveu a Frente Unida do Sudão do Sul como um "exército" e apresentou-se como o "comandante supremo", ao mesmo tempo em que falava da promoção da paz e acusava o Presidente Salva Kiir de ser incapaz de pacificar o país.

Paul Malong também informou que o seu movimento irá juntar-se à Aliança de Oposição do Sudão do Sul – uma coligação de grupos armados formada em dezembro passado, depois de um acordo de cessar-fogo de curta duração celebrado com o Governo.

Ouvir o áudio 03:48

Sudão do Sul tem novo movimento de oposição ao regime de Salva Kiir

Contradição

Após o anúncio do ex-chefe do Exército sul-sudanês, a DW África ouviu em Nairobi, no Quénia, um analista político e antigo conselheiro do Parlamento do Sudão do Sul. Para Martin Oloo, é difícil distinguir os grupos de oposição dos rebeldes no Sudão do Sul.

"A diferença entre a oposição e a política rebelde em África é muito pequena e quando se olha para o contexto do Sudão do Sul, a oposição transforma-se em rebelião, em guerra", avalia. "Assim, o anúncio da formação de um movimento para se opor aos que estão no poder também quer dizer que estão prontos para usar a força. Por isso, é difícil separar a política de oposição e rebelião no Sudão do Sul", considera Martin Oloo.

Sobre os principais objetivos do novo movimento oposicionista anunciado por Paul Malong, o analista diz que "Paul Malong tem sido um grande obstáculo para a democracia do Sudão do Sul".

De acordo com Oloo, Malong foi governador de um dos Estados sul-sudaneses e general do Exército, el utou várias batalhas e foi usado pelo Presidente Salva Kiir para reprimir os membros do líder opositor Riek Machar. "Então, quando ele diz que está a buscar reformas constitucionais, isto faz pouco sentido, porque ele não é conhecido por ser um democrata, mas pela guerra e insurreição", considera.

Südsudan UN denken über Verstärkung von Unmiss nach

Campo de deslocados da guerra civil no Sudão do Sul (2016)

Massacre de rebeldes

Paul Malong tornou-se chefe do Exército em janeiro de 2014 e foi o responsável pelo massacre do grupo rebelde do ex-vice-Presidente Riek Machar, da etnia nuer, depois de Salva Kiir acusar Machar de arquitetar um golpe de Estado.

O então chefe militar foi sancionado pela Organização das Nações Unidas (ONU) e pela União Europeia (UE) devido à guerra civil provocada pelos embates contra os rebeldes, que deixaram dezenas de milhares de mortos e outros milhares de deslocados. Em setembro do ano passado, também os Estados Unidos acusaram Malong e outros altos funcionários de contribuírem para "desestabilizar o Sudão do Sul" e impuseram sanções contra eles.

Em maio, Paul Malong foi demitido pelo Presidente Salva Kiir e mantido em prisão domiciliar. Quando foi libertado, viajou ao Quénia para tratamento médico e nunca mais regressou ao Sudão do Sul. Desde então, é visto pelo regime de Salva Kiir como um rebelde. Os seus seguidores também são acusados de ataques contra o Governo.

Südsudan Juba - Riek Machar, Salva Kiir

Riek Machar (esq.) e Salva Kiir (2016)

Negociações de paz

Da etnia dinka, tal como o Presidente Salva Kiir, Paul Malong tem um apoio significativo dentro da sua comunidade. O ex-chefe militar disse que pretende participar das negociações de paz que devem ocorrer no final deste mês em Adis Abeba, na Etiópia.

Em entrevista à DW África, o investigador do instituto britânico Chatham House Ahmed Soliman afirmou que o novo movimento não deverá mudar o rumo das negociações de paz.

"Não tenho certeza se [este movimento] será incluído. Já há vários grupos de oposição envolvidos neste processo. Imagino que o Governo ainda não foi informado oficialmente sobre o movimento e acredito que deve estar bastante reticente quanto a Paul Malong", disse Ahmed Soliman.

Grupos humanitários continuam a denunciar que a violência da guerra civil ainda faz vítimas e causa destruição no Sudão do Sul. Em julho, o país deve realizar eleições gerais.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados