Subida do preço dos combustíveis gera onda de protestos em Moçambique | Moçambique | DW | 22.03.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Subida do preço dos combustíveis gera onda de protestos em Moçambique

Onda de greves atinge Moçambique devido à subida dos preços dos combustíveis. O presidente da Associação dos Transportadores Rodoviários de Nampula diz que a atividade está a tornar-se insustentável.

O anúncio pelas autoridades moçambicanas para o aumento do preço de combustíveis no país está a provocar uma onda de paralisações da atividade de transporte de pessoas e bens. Os transportadores exigem também o ajustamento do custo de transporte.

Nesta segunda-feira (21.03), como forma de protesto, houve registo de paralisação dos transportes nas cidades de Nampula e Tete. Em Nampula, os transportadores prometem continuar a greve até que as suas reivindicações sejam resolvidas.

Em entrevista à DW, Luís Vasconcelos, presidente da Associação dos Transportadores Rodoviários de Nampula (ASTRA), diz que os atuais preços dos combustíveis tornam a atividade de transporte insustentável.

DW África: Como é que a ASTRA reage aos atuais preços de combustíveis no país?

Luís Vasconcelos (LV):  A situação dos transportes a nível do país é insustentável, na medida que os preços do combustível estão a disparar.

DW África: E em Nampula houve esta greve dos transportes. O que é que se passou?

LV: Desde que houve o primeiro aumento de combustíveis no ano passado, que nos transportes urbanos não está sendo mexida a tarifa. É verdade que a nível do ministério diz-se que este transporte está sendo subsidiado. Mas não são todos os transportadores urbanos de passageiros que estão a beneficiar deste subsídio transformado em linha de crédito. Mesmo esta linha de crédito não está a trazer nenhum benefício aos transportadores, visto que esta linha de crédito é para os transportadores poderem exercer atividade e pagar aquelas viaturas. Então, esta linha de crédito não é viável para os transportadores, não traz nenhum benefício. Pelo contrário, é mais um problema para os transportadores.

Onde é que está a reserva de combustível do nosso país?, pergunta a ASTRA

"Onde é que está a reserva de combustível do nosso país?", pergunta a ASTRA

DW África: Nesse caso, o vosso ponto é que é preciso que o Governo olhe para o setor de transportes com alguma sensibilidade?

LV: Tem de olhar para o setor dos transportes com sensibilidade. Não está a ajudar os transportadores em nada! Está a criar endividamento, porque esse carro vai transportar naquela mesma tarifa, que não é viável para um transportador normal, que tem a sua própia viatura.

DW África: E como é que a ASTRA olha para este aumento do preço do combustível no mercado nacional?

LV: Com esse negócio não concordamos, porque estamos a pagar dizem por causa da Ucrânia-Rússia, aquela guerra dura há quase 30 dias. Sabemos que o país tem uma reserva de combustível. Onde é que está a reserva de combustível do nosso país? Aquele combustível que foi abastecido antes daquela guerra, porque é que esse combustível hoje vai aumentar? Porque é que não esperámos para dizer que agora vamos adquirir combustível com este preço, porque agora há a situação da guerra da Ucrânia e esperarmos 30 dias que o barco saia, ou da Rússia ou da Ucrânia para vir para Moçambique. E não dessa forma como está a ser feito.

DW África: É uma espécie de oportunismo?

LV: É o que todos os transportadores acham que está a acontecer, que isso é oportunismo!

DW África: Como associados, têm sido consultados pelas autoridades antes que o governo anuncie novas tabelas do preço do combustível?

LV: Nós só nos apercebemos através dos órgãos de comunicação que há subidas. E mesmo nesses órgãos de comunicação há também contraditório, um diz que a reserva que nós temos aqui neste país, não vai haver nenhuma subida e no dia seguinte vamos às bombas e não se verifica o que foi dito, já subiu. E em nenhum momento nós somos chamados para discutir e preparar os nossos associados para evitar o que está a acontecer hoje. Hoje é em Nampula, ontem foi em Pemba e depois não sabemos para onde é que vai.

Luanda: Marcha contra aumento dos combustíveis em Angola

 

Leia mais