Scholz confirma preferência do público no último debate antes das eleições alemãs | NOTÍCIAS | DW | 20.09.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Scholz confirma preferência do público no último debate antes das eleições alemãs

Sondagem realizada após debate aponta que social-democrata Olaf Scholz teve melhor desempenho. Candidato do partido de Merkel, Armin Laschet, aposta na última semana de campanha para reverter tendência de derrota.

Bundestagswahl 2021 3. TV-Triell Kandidaten

Scholz, Baerbock e Laschet no último debate televisivo

Na Alemanha, a uma semana da eleições para o Bundestag [o Parlamento alemão], que vai decidir o sucessor da chanceler Angela Merkel, o candidato do Partido Social-Democrata (SPD, na sigla em alemão), Olaf Scholz, foi considerado o vencedor do terceiro e último debate televisivo antes da votação este domingo (19.09).

Segundo uma sondagem realizada logo após o debate, 42% dos telespectadores consideraram que Scholz foi o que teve melhor desempenho, seguindo-se o candidato da União Democrata-Cristã (CDU, na sigla em alemão), Armin Laschet, com 27%, e finalmente Annalena Baerbock, candidata do Partido Verde, com 25%.

Durante uma hora e meia, os três principais candidatos discutiram temas como salário mínimo, clima, coronavírus e vacinação. Numa altura em que um em cada quatro eleitores ainda não decidiu em quem votar, os três candidatos sublinharam os seus compromissos para conquistar a preferência dos alemães que vão ás urnas no próximo domingo (26.09).

Deutschland | Bundestagswahl | TV-Triell der Kanzlerkandidaten | Scholz

Audiência considerou que Scholz teve o melhor desempenho

Salário mínimo

Scholz apontou a subida do salário mínimo, atualmente de 9,60 euros por hora, a modernização do país e a luta contra as alterações climáticas como as três prioridades do seu programa eleitoral. O candidato do SPD salientou eu defendo um salário mínimo de 12 euros, que seria introduzido imediatamente.

"Defendo que recebamos uma pensão estável e que tomemos todas as decisões necessárias no primeiro ano do novo Governo para assegurar que transformaremos as energias renováveis de modo a termos uma indústria moderna, com bons empregos e que funcione de forma neutra para o clima", afirma.

Baerbock a concordar com Scholz e a destacar as dificuldades das mães solteiras. O conservador Laschet posicionou-se do outro lado da trincheira, afirmando que o tema deveria ser decidido entre patrões e sindicatos.

Deutschland | Bundestagswahl | TV-Triell der Kanzlerkandidaten | Baerbock

Baerbock não descartou qualquer aliança com "partidos democráticos"

Alterações climáticas

A discussão seguiu com as alterações climáticas, que muitos analistas veem como a potencial questão decisiva nesta eleição após as devastadoras inundações na Alemanha. Para a candidata dos Verdes, o próximo Governo Federal da Alemanha deverá ser "um Governo climático", depois de a pandemia da Covid-19 ter demonstrado que a Alemanha precisa de uma melhor preparação para lidar com os desafios do futuro.

"Defendo uma verdadeira mudança, sem meias medidas em relação à proteção do meio ambiente, uma política que finalmente coloque as crianças e as famílias no centro, e uma política externa orientada pelos direitos humanos no coração da Europa", disse Baerbock.

Já o candidato do partido de Merkel considerou que o crescimento económico deve ser a prioridade do próximo Executivo, sem aumento de impostos. A questão central é, de acordo com o conservador, "como conseguir atingir os desafios ambientais, mantendo simultaneamente empregos".

Deutschland | Bundestagswahl | TV-Triell der Kanzlerkandidaten | Laschet

Laschet afasta "negociação com extremos"

Possíveis coalizões

O SPD continua à frente das sondagens para as legislativas alemãs, mas, mesmo conseguindo uma vitória, é certo que não vai poder governar sozinho. As possíveis coligações foram discutidas no final do debate, com Laschet a afastar qualquer negociação com os extremos e a alertar para uma coligação entre SPD, Die Linke [A Esquerda] e o Partido Verde.

"Para nós, é claro que não entraremos numa coligação com A Esquerda, e não entraremos numa coligação nem falaremos com a Aternativa para a Alemanha (AfD, na sigla em alemão). E a verdadeira decisão que está em causa agora é: haverá uma aliança vermelho-vermelho-verde - muitas posições que ouvimos hoje são congruentes com A Esquerda - ou haverá um governo liderado pelos cidadãos. Essa é a decisão e é por isso que estou a lutar para que a CDU seja o partido mais forte".

Do lado do SPD, Scholz sublinhou que não rejeita uma coligação com A Esquerda, sublinhando que um cenário favorável seria uma união do seu partido com Os Verdes. Annalena Baerbock mostrou-se disponível para negociar com todos os partidos democráticos, acrescentando que vê a CDU na oposição durante os próximos quatro anos.

Os dois candidatos aproveitaram este último encontro na televisão para destacar as suas semelhanças programáticas, surgindo frequentemente alinhados, acenando para um acordo e pegando nos pontos um do outro.

Assistir ao vídeo 04:05

Legislativas na Alemanha: A batalha pela vitória endurece

Leia mais