Presidente do Zimbabué sobrevive à explosão em estádio | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 23.06.2018

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Presidente do Zimbabué sobrevive à explosão em estádio

Incidente ocorreu após um discurso do Presidente Emmerson Mnangagwa na segunda maior cidade zimbabueana. Imprensa estatal diz que explosão foi uma "tentativa de assassinato".

Emmerson Mnangagwa durante a sua posse como Presidente da República em novembro de 2017

Emmerson Mnangagwa durante a sua posse como Presidente da República em novembro de 2017

Uma explosão ocorreu este sábado (23.06) num estádio em Bulawayo, no Zimbabué, durante um evento que reunia o Presidente Emmerson Mnangagwa e o vice-Presidente Kembo Mohadi, que sofreu ferimentos.

De acordo com a imprensa estatal zimbabueana, o ataque foi uma "tentativa de assassinato", entretanto o Presidente Mnangagwa não sofreu ferimentos e foi evacuado do local.

O porta-voz do Presidente, George Charamba, em declarações ao jornal Zimbabwe Herald, afirmou que Emmerson Mnangagwa está em segurança agora numa habitação estatal na cidade de Bulawayo, onde o chefe de Estado, e também líder da União Nacional Africana do Zimbábue - Frente Patriótica (ZANU-PF), tinha feito um discurso como parte da campanha para as eleições do próximo mês.

A explosão ocorreu quando Mnangagwa acabara de se dirigir à multidão e estava saindo do palanque. Imagens postadas nas redes sociais mostraram o Presidente acenando para o público, virando-se para sair do palco, quando segundos depois a explosão ocorreu.

A televisão estatal imediatamente cortou sua transmissão. Mais tarde, a emissora ZBC informou que o vice-presidente Kembo Mohadi e a sua esposa foram feridos na perna e levados para um hospital local. Outras autoridades também ficaram feridas e receberam atendimento na cidade. 

Após ter sido levado para um local seguro, o Presidente disse que a explosão ocorreu "a poucos centímetros de distância" dele. Mnangagwa também declarou à emissora estatal que já ocorreram "tantos" atentados contra a sua vida no passado, que ele já havia se acostumado. "Posso garantir que esses são meus inimigos normais", afirmou o líder zimbabueano, que disse ter visitado no hospital "várias" pessoas feridas no ataque.

Investigações em curso

Bulawayo, a segunda maior cidade do Zimbábue, é tradicionalmente uma fortaleza da oposição. O porta-voz do Presidente adiantou estarem em curso investigações e também lembrou as "múltiplas tentativas" de atentados à vida de Emmerson Mnangagwa, ao longo dos anos.

Emmerson Mnangagwa assumiu o poder em novembro, depois de o líder o seu ex-aliado, o antigo líder Robert Mugabe, ter renunciado sob pressão militar. A votação de 30 de julho é a primeira sem Mugabe desde a independência em 1980.

Eleições passadas foram marcadas por alegações de violência e fraude, e os Estados Unidos e outros parceiros disseram que um escrutínio justo e transparente é fundamental para levantar as sanções internacionais. Os Estados Unidos e o Reino Unido, por meio de suas embaixadas, condenaram o ataque deste sábado.

O principal líder da oposição do Zimbabué, Nelson Chamisa, criticou o ataque e disse que todas as formas de violência são "inaceitáveis".

Leia mais