Personalidades russas apoiam golpistas no Burkina Faso | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 26.01.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Personalidades russas apoiam golpistas no Burkina Faso

Além do apoio entre a população, a tomada do poder pelos militares no Burkina Faso também foi bem recebida por algumas personalidades russas. "Golpes de Estado são inaceitáveis", considera a ONU.

Várias centenas de manifestantes reuniram-se na terça-feira (25.01) em Ouagadougou para apoiar os militares

Várias centenas de manifestantes reuniram-se na terça-feira (25.01) em Ouagadougou para apoiar os militares

Várias centenas de pessoas manifestaram-se na terça-feira (25.01),no centro de Ouagadougou, a capital do Burkina Faso,  Uma manifestação para apoiar a tomada do poder pelos militares, que derrubou o Presidente Roch Marc Christian Kaboré no início da semana, e apoiar o Movimento Patriótico de Salvaguarda e Restauração (MPSR), que nasceu deste golpe.

Foi também uma manifestação também para criticar a Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), que nos últimos meses optpu por pesadas sanções contra o Mali e a Guiné, dois países nos quais os presidentes em exercício foram também derrubados pelo exército.

"Estamos muito felizes porque o exército do Burkina Faso assumiu a sua responsabilidade", ouviu-se nas ruas. "Vamos apoiar o exército até à nossa última força. É a vitória do povo".

Condenações ocidentais

"Há sempre celebrações neste tipo de situação", disse o secretário-geral da ONU, António Guterres, quando viu as imagens de júbilo popular em apoio aos líderes do golpe militar.

"É fácil orquestrá-las, mas os valores da democracia não dependem da opinião pública num momento ou outro. Os golpes militares são inaceitáveis no século XXI", frisou Guterres, apelando aos militares para que "defendam o seu país, não que ataquem os seus governos".

Junta militar que agora dirige o Burkina Faso recebeu apoio popular nas ruas

Junta militar que agora dirige o Burkina Faso recebeu apoio popular nas ruas

O Presidente francês, Emmanuel Macron, lamentou o golpe, que "faz parte de uma sucessão de vários golpes militares extremamente preocupantes, numa altura em que a região (do Sahel) deve ter como prioridade é a luta contra o terrorismo islamista."

Em Berlim, o governo alemão vê os recentes acontecimentos como um golpe na constituição do Burkina e na democracia. Por isso, exigiu a libertação do PPresidente democraticamente eleito, Roch Marc Christian Kaboré.

Também a União Europeia (UE) condenou hoje o golpe de Estado que fez cair "um Presidente eleito" e pediu o regresso à ordem constitucional.  "A UE faz um apelo à calma e à concórdia de todos os atores e pede a libertação imediata de todas as pessoas detidas ilegalmente, a começar pelo Presidente Kaboré", disse o alto representante da UE para os Negócios Estrangeiros, Josep Borrell, lem comunicado.

Aplausos russos

Em contraste, o empresário russo Yevgeny Prigozhin, alegadamente próximo do Presidente Vladimir Putin, saudou o golpe, que classificou como um sinal de uma "nova era de descolonização" em África.

Yevgeny Prigozhin, que fez fortuna no ramo da restauração nos anos 90, é membro do círculo interno do Presidente russo, Vladimir Putin

Yevgeny Prigozhin, que fez fortuna no ramo da restauração nos anos 90, é membro do círculo interno de Vladimir Putin

"Todos estes chamados golpes de Estado devem-se ao facto de o Ocidente estar a tentar governar os Estados e suprimir as suas prioridades nacionais, para impor valores estrangeiros aos africanos", disse o magnata russo num comentário publicado na rede social russa VK.

Yevgeny Prigozhin é acusado de financiar a agora famosa empresa militar privada Wagner, que tem sido alvo de sanções da União Europeia (UE) desde Dezembro.

Alexandre Ivanov, um dos representantes dos "instrutores" russos na República Centro-Africana, também elogiou os golpistas de Ouagadougou. Numa declaração publicada no Twitter, disse que a França não tinha alcançado "nenhum sucesso" na luta contra o terrorismo na região.

Já o Ministério dos Negócios Estrangeiros da Rússia disse na segunda-feira que estava "preocupado com a complicação da situação política interna" no Burkina Faso e que "esperava uma rápida estabilização" do país.

Assistir ao vídeo 03:21

Esta é a minha cidade: Bobo-Diulasso

Leia mais