Parlamento da Guiné-Bissau repudia ataque a Luís Vaz Martins | NOTÍCIAS | DW | 03.08.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Parlamento da Guiné-Bissau repudia ataque a Luís Vaz Martins

Em nota. Assembleia Nacional comunica que condena qualquer tentativa de imposição da lei da força. "País não pode continuar a assistir à sucessão de atos atentatórios aos direitos, que semeiam o terror", diz comunicado.

Luís Vaz Martins

Vaz Martins foi atacado no último sábado

O parlamento da Guiné-Bissau classificou na noite desta segunda-feira (02.08), em comunicado divulgado à imprensa, o ataque ocorrido sábado (31.07) contra o advogado e ativista Luís Vaz Martins como "revoltante" e "sintomático da crescente degradação do Estado" guineense.

"O país não pode continuar a assistir à sucessão de atos atentatórios aos direitos, liberdades e garantias dos cidadãos, que semeiam o terror, pânico e um generalizado sentimento de insegurança na população, sem tomar medidas adequadas para pôr cobro em definitivo a situações do género", pode ler-se no comunicado.

O documento, elaborado pela mesa da Assembleia Nacional Popular guineense, refere que o parlamento "condena" e "repudia" qualquer tentativa de imposição da "lei da força" na República da Guiné-Bissau.

Guinea Bissau 1. Parlamantssitzung nach Krise

Imagem interna do Parlamento em 2018

"Barbárie e golpe"

A nota da Assembleia Nacional "considera vãs as investidas dessa natureza e assume a defesa intransigente dos valores e princípios democráticos que enformam o Estado de Direito democrático estabelecido na República da Guiné-Bissau", salienta o parlamento guineense.

Perante aquela "barbárie e golpe à construção de uma sociedade civilizada", a Assembleia Nacional Popular vai tomar "todas as diligências necessárias para descobrir a verdade material, intenção subjacente e exigirá responsabilização política e criminal de todos os implicados em mais esta deriva ignóbil".

Num comunicado o PAIGC também lamentou o incidente. O advogado e antigo presidente da Liga Guineense dos Direitos Humanos Luís Vaz Martins foi no sábado alvo de uma tentativa de assassínio, denunciada por aquela organização não-governamental.

Assistir ao vídeo 01:11

União para a Mudança denuncia estado de terror e ditadura na Guiné-Bissau

Leia mais