Os polémicos últimos decretos de José Eduardo dos Santos | Angola | DW | 09.10.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Os polémicos últimos decretos de José Eduardo dos Santos

As últimas decisões de José Eduardo dos Santos e as implicações para o futuro de Angola têm sido motivo de debate nos meios políticos e académicos. Ex-presidente assinou decretos que beneficiam a filha e as elites.

default

José Eduardo dos Santos esteve 38 anos no poder

Poucos dias antes de deixar o poder, José Eduardo dos Santos assinou vários decretos e despachos, alguns deles publicados no dia seguinte à tomada de posse do atual Presidente da República, João Lourenço, como a concessão, por 60 anos, dos terrenos da marginal da Corimba, em Luanda, a duas empresas privadas - uma delas propriedade de Isabel dos Santos, filha do líder cessante.

José Eduardo dos Santos também reconduziu as chefias militares e dos serviços secretos e mexeu nas estruturas da Sonangol, atribuíndo a sua gestão completa à figura do presidente do Conselho de administração, a sua filha Isabel dos Santos, esvaziando desta forma os poderes do seu sucessor na gestão da principal empresa pública do país.

Essas últimas decisões do ex-Presidente de Angola, que esteve no poder durante 38 anos, poderão condicionar e tirar a autoridade à governação de João Lourenço, considera Felisberto Amado, professor do Instituto Superior Politécnico Católico de Benguela (INSPOCAB).

Ouvir o áudio 03:19
Ao vivo agora
03:19 min

Os polémicos últimos decretos de José Eduardo dos Santos

"E em termos de futuro, isso pode também hipotecar algum desenvolvimento e alguma dinâmica que a nova equipa governamentaltenta empreender para o desenvolvimento do País", salienta.

Quanto ao resto, o académico considera que ainda é muito cedo para saber quais serão, de facto, as implicações. "Mas pode-se levantar questões de ética e de moral, porque até ao último dia do seu mandato, o ex-Presidente não devia realizar uma série de atividades", critica Felisberto Amado.

Interesses das elites

O especialista em relações internacionais Sténio António defende que as decisões tomadas por José Eduardo dos Santos antes de abandonar o poder devem ser entendidas como parte do processo de transição política de acomodar algumas figuras militares e os interesses económicos das elites. "O Presidente cessante queria ter algumas garantias e acomodar algumas pessoas no poder", afirma, dando como exemplo o caso da petrolífera estatal Sonangol.

Por outro lado, o professor de relações internacionais sublinha, por outro lado, que os decretos assinados pelo ex-Presidente a favor das chefias militares e vários grupos empresariais visam essencialmente desincentivar eventuais desencantos e uma possível instabilidade política no país, com a sua retirada do poder, por parte da elite que esteve só seu lado durante décadas.

"Estamos a viver uma transição e é preciso que os seus impactos sejam minimizados. Isso não quer dizer que o Presidente cessante não tenha confiança no novo, mas o poder e a confiança têm de ser paulatinos", explica Sténio António.

O académico Felisberto Amado não tem dúvidas: "São implicações que, mais uma vez, podem não deixar bem na fotografia o ex-Presidente, mas só ele é que sabe porque é que tomou essas decisões e o que, de facto, quis precaver".

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados